Category Archives: Entretenimento

Dois inesquecíveis clássicos da música brasileira prestam homenagem ao Dia da Criança


René Bittencourt e Francisco Alves

O empresário artístico, jornalista e compositor carioca René Bittencourt Costa (1917-1979), na letra de ”Canção da Criança”, homenageia a garotada brasileira no seu dia. Essa valsa foi gravada por seu parceiro Francisco Alves, apelidado de “O Rei da Voz”, em 1952, pela Odeon.

CANÇÃO DA CRIANÇA
Francisco Alves e René Bittencourt

Criança feliz
Feliz a cantar
Alegre a embalar
Teu sonho infantil
Oh Meu Bom Jesus
Que a todos conduz
Olhai as crianças do nosso Brasil!

Crianças com alegria
Qual um bando de andorinhas
Viram Jesus que dizia:
Vinde a mim as criancinhas
Hoje dos céus, num aceno
Os anjos dizem: ”Amém”,
Porque Jesus, nazareno,
Foi criancinha também

Ataulfo Alves se apresentava com suas pastoras

O cantor e compositor mineiro Ataulfo Alves de Souza (1909-1969) utilizou grande beleza poética para compor o nostálgico samba “Meus tempos de criança” (conhecido também como “Meu pequeno Miraí”), gravado por ele próprio, em 1956, pela Sinter, cuja letra traz lembranças de sua infância feliz em Miraí.

MEUS TEMPOS DE CRIANÇA
Ataulfo Alves

Eu daria tudo que tivesse
Pra voltar aos tempos de criança
Eu não sei pra que que a gente cresce
Se não sai da gente essa lembrança

Aos domingos missa na matriz
Da cidadezinha onde eu nasci
Ai, meu Deus, eu era tão feliz
No meu pequenino Miraí

Que saudade da professorinha
Que me ensinou o beabá
Onde andará Mariazinha
Meu primeiro amor onde andará?

Eu igual a toda meninada
Quanta travessura que eu fazia
Jogo de botões sobre a calçada
Eu era feliz e não sabia

Uma mulher do tipo estrela afoita, que insiste em provocar saudades no poeta

Nando Cordel, grande compositor pernambucano

O cantor, instrumentista e compositor pernambucano Fernando Manoel Correia, nome artístico Nando Cordel, faz versos para diversos estilos musicais: xotes, forrós, frevos etc.A bonita letra de “Estrela Afoita” fala de uma mulher, cujas práticas amorosas e suas consequências Nando Cordel afirma já conhecer. A música deu título ao LP Estrela Afoita gravado por Nando Cordel, em 1983, pela Barclay/Ariola.

ESTRELA AFOITA
Nando Cordel

Sai, sai de mim
Conheço sua intenção
Não pense que eu vou deixar
Você plantar saudade no meu coração


Estrela afoita
Sai do meu céu
Vai refazer-se de mel
Minha pureza já percebeu
Pega o desvio
Adeus

Deixa de comer meu tempo
Deixa meu verde florir
Meu sorriso ficar doce
Quando eu quiser dividir

Paulo Peres Poemas & Canções

Prêmio Sanfona Potiguar tem final surpreendente

Com PN Noticias

A final do festival Prêmio Sanfona Potiguar realizada na última sexta-feira 01 de outubro, no espaço EccoVille Food Park em Cidade Verde foi carregada de muita emoção, além de forró de auto nível executados pelos concorrentes do concurso. O evento, que foi realizado no formato híbrido, apresentou os vencedores ao público presente no local e também através das redes sociais. Cada artista habilitado à final, tiveram suas obras publicadas no site da Oficina Livre de Música e participaram dos 04 programas transmitidos, ao vivo, direto dos estúdios da PNTV play, para divulgação das músicas inscritas, apreciação e fase votação popular. 

Extremamente democrático e de largo alcance social o Prêmio Sanfona Potiguar em sua primeira edição tornou-se uma verdadeira vitrine para todos os artistas participantes e o site da Oficina Livre de Música recebeu milhares de votos de diversas partes do mundo e ainda alcançando um pico de quase 500 reproduções simultâneas na transmissão da final. Confira acessando o link: https://youtu.be/kjwU6NH5oHY 

Os vencedores foram: 1º Lugar Gilson do Acordeon (Espírito Santo) com a Música instrumental Forró para seu João Pedro; 2º lugar Thiago Sanfoneiro (Natal) com Andando e Amando, música de Arnaldo Farias e o 3ºlugar (Natal), Elton Lins com a música Estar com você. Os vencedores irão participar de uma gravação do EP cujas músicas serão publicadas na plataforma de streamings e sites de distribuição digital. A abertura da festa ficou por conta da Sanfoneira de 11 anos, Bel Spínola, aluna da Professora e Musicista Suzete Sales Sanfoneira de 79 anos. 

Ainda no início do evento a Produção foi surpreendida com a presença inesperada do Roberto do Acordeon, músico conhecido e respeitado entre os artistas e, principalmente, pelos os sanfoneiros do mundo inteiro. Roberto do Acordeon gravou seu primeiro LP em 1981 o “Arrasta pé fantástico” com a Continental formando o grupo Roberto do Acordeon e Seus Cabra da Peste, sendo sucesso nacional e internacionalmente. Na ocasião, o artista falou um pouco de sua carreira artística e com a sua sanfona de 120 baixo relembrou sucessos de carreira, ato que contagiou e motivou todos participantes do Festival. 

O Prêmio Sanfona Potiguar é uma realização da Oficina Livre de Música com o Patrocínio do SEBRAE/RN, através do Edital de Economia Criativa 2021, apoio cultural da Insight, Potiguar Notícias e Ecco Ville Food Park. 

Do: PN Notícias   

Musica autentica

Reprodução internet

O cantor e compositor Gilson Vieira da Silva, ou simplesmente, Gilson, nasceu em 1952 na cidade de Macau-RN. Aos 11 anos tem início sua trajetória na música. Como cantor e músico profissional surgiu em 1978 e o reconhecimento pelo grande público ocorreu a partir de 1979, através de seu primeiro sucesso. Casinha Branca, foi gravada por mais de 100 artistas e uma das versões mais bonita é a gravação de Roberta Campos!

Casinha Branca (Gilson)

Eu tenho andado tão sozinho ultimamente
Que nem vejo à minha frente
Nada que me dê prazer
Sinto cada vez mais longe a felicidade
Vendo em minha mocidade
Tanto sonho perecer

Eu queria ter na vida simplesmente

Um lugar de mato verde
Pra plantar e pra colher
Ter uma casinha branca de varanda
Um quintal e uma janela
Para ver o sol nascer
Às vezes saio a caminhar pela cidade
À procura de amizades
Vou seguindo a multidão
Mas eu me retraio olhando em cada rosto
Cada um tem seu mistério
Seu sofrer, sua ilusão
@robertacamposoficial

Um prelúdio de Luiz Vieira, que sintetiza, em poucas palavras, a força de um grande amor

Luiz Vieira, um músico que deixou muita saudade

Por: Paulo Peres
Poemas & Canções


A letra de “Paz do meu amor (Prelúdio nº 2)” idolatra de uma forma poética a conquista do amor infindo pelo radialista, cantor e compositor pernambucano Luiz Rattes Vieira Filho. Um dos maiores sucessos de Luiz Vieira, que ele próprio gravou, em 1963, pela Copacabana. O grande músico morreu em 2020, aos 91 anos.

PAZ DO MEU AMOR (Prelúdio nº 2)
Luiz Vieira

Você é isso: Uma beleza imensa,
Toda recompensa de um amor sem fim.
Você é isso: Uma nuvem calma
No céu de minh’alma; é ternura em mim.

Você é isso: Estrela matutina,
Luz que descortina um mundo encantador.
Você é isso: É parto de ternura,
Lágrima que é pura, paz do meu amor

CAMINHADAS DE VERÃO, Margens do Tejo…

Com PN Notícias

Por: Liliana Borges

Caminhar faz muito bem ao corpo, a mente, aos nossos sentidos… 

Ao longo dos percursos a natureza sempre marca sua presença e muitas vezes pincelada com belas edificações complementam a paisagem, pois a beleza do ambiente ilumina nossa alma que nos fortalece com novas energias e alimentam o nosso espírito.  

E por estas Terras Lusitanas, uma caminhada rotineira é comum depararmos com o antigo e o novo, o passado e o presente, juntos compondo o mesmo cenário harmonicamente. Pertinho de minha residência a cerca de 5 Km está situado Alcochete em uma das margens do Rio Tejo, aproximadamente 36 Km de Lisboa, onde gosto muito de praticar a modalidade. 

No caminho vou apreciando o panorama a minha volta como o rio, os pássaros, monumentos, o verde constante, o azul celeste, o espetáculo do crepúsculo e até mesmo os passantes. Usualmente alterno meu roteiro ou o horário da atividade, assim, vejo o ambiente em outra perspectiva e naturalmente me surpreendo com mais uma descoberta e novas emoções.  

Uma destas caminhadas mudei um pouco meu trajeto e me deparei com o Poço de São João que por sinal muito bem protegido por uma estrutura de vidro, metal e mais uma placa chantada explicativa, onde nos reporta ao século XV, datado de 1498 sendo a referência mais antiga que se conhece, nem o Brasil tinha sido descoberto. Este foi o principal ponto de abastecimento público de água na região durante vários séculos e daí a localidade ficou conhecida como o Largo do Poço. 

Outro dia entrei na Igreja Matriz, Igreja de São João Baptista, localizada no centro da cidade que aproveitei minha caminhada para conhecer e conversar um pouco com Deus. É um belo edifício de traça tardo-gótica, provavelmente construído no século XV conforme o registro no local. 

Em outro momento observei no “Passeio do Tejo”, a Igreja da Misericórdia, um imóvel da segunda metade do século XVI, o qual ainda nem mesmo havia parado para ler a descrição contida na placa, onde menciona que segundo a tradição oral, terá suplantado a antiga capela do Palácio dos Infantes de Beja, no qual nasceu D. Manuel I, em 1469. Atualmente está sendo restaurada. 

Mais adiante, a suntuosa estátua de D. Manuel I. O monarca nasceu em Alcochete, pois em decorrência de epidemias na capital do reino na altura dos séculos XIV e XV levou a realeza residir na localidade. Ele é nominado como “O Venturoso”, quem governou no período dos descobrimentos sendo considerado um dos mais ricos e poderosos impérios daquele tempo. 

Ainda, em outra oportunidade que a maré estava baixa me possibilitou a admirar o trabalho árduo dos colhedores de amêijoas, o qual é muito bonito de ver, trabalham cavacando o solo repetidas vezes com muita rapidez e habilidade. Amêijoas é uma espécie de molusco, inclusive possui trinta por cento mais proteína do que o mexilhão, a iguaria é muito apreciada na região. 

Mudando novamente o horário de minha caminhada fui presenteada como mais um espetáculo da natureza que é o pôr sol visto desta margem do Tejo, as luzes de Lisboa a acender ao fundo e as luzes de Alcochete complementando o panorama. 

Ademais as ruelas aconchegantes nas imediações com seus restaurantes e cafeterias a funcionar ao todo vapor, a noite chegando para ocupar seu lugar com o movimento dos passantes, o burburinho das pessoas ao som do tilintar dos talheres e cheiro agradável das iguarias portuguesas. Tudo isto aguçando nossos sentidos…  

E assim, por aqui vou conhecendo cada recanto que me alegra, conforta meu espírito e desperta meus sentimentos. Conhecer outros lugares não necessariamente precisamos viajar e sim apenas perceber um pouco mais o que está sempre a altura dos nossos olhos…

Consórcio público Trairi/Agreste

Evandro Borges

A Superintendência do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA e o Executivo Municipal de São José do Campestre promoveram uma reunião do Agronordeste na Câmara Municipal daquela cidade na terça-feira passada, dia 21 de setembro de 2021, contando com o Prefeito de Boa Saúde, José Wellington da Rocha e da Prefeita de Serra de São Bento, Wanessa Gomes de Morais e do Secretário Municipal de Agricultura de Serrinha, Régio de Souza. 

Esteve presente a Prefeita de Jandaíra, Marina Marinho, Presidenta e com o Secretário Executivo, Francisco Joseraldo do Consorcio SIM SERTÃO e MAR, que envolvem os Municípios de Guamaré, Jandaíra, Pedro Avelino e Galinhos, quando fez um testemunho da criação daquele consórcio, dando ênfase a necessidade de se unir para fazer frente os desafios da comercialização da produção animal para consumo e nutrição de boa qualidade para o ser humano. 

Estava prestigiando o evento a Coopercacho através do Presidente Expedito Alexandre, a Escola Agrícola de Jundiaí – EAJ com os Professores Ivan Max e Andréia Barbosa, a FETARN, Jocelino Dantas e Erivan de Carmo que é de Coronel Ezequiel, a APOERN – Associação dos Produtores e Produtoras de Orgânicos do Rio Grande do Norte, através do seu Presidente, Marcos Sena, o Banco do Nordeste, o SEBRAE por Elton Alves e a EMATER,  

Ainda estavam no evento representativo os Secretários Municipais, técnicos, personalidades, autoridades locais, representantes de associações rurais e assentamentos, sindicatos, Vereadores de São José do Campestre, de Serra de São Bento, de Boa Saúde foi uma reunião plural, aberta, representativa e acima de tudo democrática, respeitosa e aberta ao diálogo. 

A abertura ficou a cargo do Prefeito Municipal Joseilson Borges da Costa (Nénem) e do Superintendente Roberto Carlos Papa, e pronunciamento de toda a Mesa, para em seguida falar Marina Marinho discorrendo sobre o Consórcio Mar e Terra. Em seguida o advogado Evandro Borges falou sobre Consórcio Público, Roberto Papa sobre a importância do Sistema Brasileiro de Inspeção de Produção de Origem Animal – SISBI e finalizando Gustavo Fonseca pela Fácil Empreendimento falou sobre o rastreamento da produção. 

A fala do Superintendente do MAPA foi essencial para a importância da comercialização dos produtos de origem animal (corte de boi, porco, caprinos, ovinos, frangos e pescados) para os produtores de todos os portes, pois precisam da inspeção, para o transito e comercialização nos Municípios, Região, no Estado e no país, corroborando todos os presentes na importância de se conseguir o selo SISBI, que outros Municípios do Estado obtiveram  como é o caso de Mossoró/RN. 

Gustavo Fonseca na sequencia falou da importância do rastreamento da produção, para o consumidor/cidadão final, saber como ocorre a produção, quem participa, quais as relações trabalhistas e familiares com a produção, o modo de produção, os quantitativos, as contribuições tributárias, os métodos produtivos, o respeito ambiental,  os insumos produtivos, de fato, de quem participa da cadeia produtiva. 

O resultado final e encaminhamento, o Prefeito de São José do Campestre foi disponibilizar o advogado Evandro Borges e em conjunto com o Vereador Eduardo Fernandes, Presidente da Câmara Municipal e do técnico em agroecologia Xandão, residente em Tangará pela Coopercacho percorrerão os Municípios tratando sobre o Protocolo de intenções, a transformação em Projetos de Lei para aprovação pelas Câmaras Municipais, para poder tratar do contrato de consórcio que viabilizará a inspeção intermunicipal Agreste/Trairi. 

O evento deixou todos participantes com muita esperança do acontecimento, na certeza das tarefas legais que precisam tramitar, pois precisa haver desprendimento para se concretizar os acontecimentos, com o fim de melhorar a qualidade de vida nutricional da população com a possibilidade da inspeção dos produtos animais e a capacidade da cadeia produtiva da alimentação adequada a saúde humana para puxar o desenvolvimento sustentável da Região.

Do: PN Noticias
Por: Evandro Borges

MONTANHAS/RN REPRESENTADA EM EVENTO NA CAPITAL DO ESTADO DO CEARÁ

Por Assessoria de Comunicação
http://montanhas.rn.gov.br

O Município de Montanhas esteve representado por seu filho natural Jean Firmino, popularmente e profissionalmente conhecido por Jean Suave, no evento da mais nova modalidade olímpica o “Breaking” em Fortaleza – CE.

Jean Suave, participou da seletiva que classifica os ganhadores para o Mundial da Red Bull BC One City Cypher na possibilidade de participação no campeonato na Polônia.

Com o apoio cultural do Município de Montanhas que colaborou com patrocínio para o competidor Jean Suave, autorizado pelo Prefeito Manuel Gustavo junto com a Secretaria Municipal de Esporte, Turismo e Cultura – SEMETUC, foi dada a importância do evento que promete resultados satisfatória para levar a nossa cultura aos demais eventos na esfera nacional e internacional.

Jean, já participou de outras competições relativas a danças nessa mesma ordem e categoria, onde foi patrocinado também pelo Município de Montanhas sendo vitorioso na competição, recebendo o primeiro lugar, fato ocorrido no Maranhão – MA em 2019, e na mesma oportunidade também foi campeão nacional na modalidade disputada.

Suave, ainda ressalta que dia 25 de setembro provavelmente estará entre os competidores em outra seletiva que será realizado em Curitiba – PR, afirma que sempre levará o nome de Montanhas com ele e a gratidão de incentivo pela cultura local.

Parabéns e veja o vídeo que ele nos repassou, além de fotos de alguns momentos do evento em Fortaleza – CE.

A estimativa populacional dos Municípios publicada pelo IBGE

Por: Evandro Borges

O IBGE publicou a estimativa populacional dos Municípios, sempre esperado pelos Prefeitos Municipais e que corresponda ao crescimento em face dos serviços prestados a população.  Os serviços considerados essenciais muitas vezes são custosos exigindo dos gestores muita austeridade para cumprir os compromissos. O SUS com a pactuação e os consórcios de atendimento entre os entes federativos contribuem em muito para a diminuição das despesas e melhora a eficiência. Parnamirim e Mossoró se destacaram no crescimento populacional. 

Parnamirim segundo a estimativa atingiu uma população de 272.490 habitantes revelando um êxodo dos Municípios para o Município “Trampolim da Vitória”, mas, também, um transbordamento da capital do Estado. Em Natal muitos culpam o Plano Diretor que está por ser revisado em adiantada tramitação,  como um dos culpados pela evasão da população, consistindo em um dos pontos de “conurbação” entre Natal Parnamirim e Natal. A população de Natal praticamente não cresceu está com uma estimativa de 892.708, não chegou à casa de um milhão como se esperava. 

Mossoró atingiu 303.792 habitantes um crescimento considerável em virtude da atração do retorno da indústria, do fortalecimento do agronegócio e da agricultura familiar, do comércio e serviços, dos negócios das petroleiras, do sal, da construção civil e da modernização do setor imobiliário, das universidades, principalmente e em especial da UFERSA e do Instituto Federal com a possibilidade de geração de empregos e oportunidades diretas e finalmente, do crescimento regional com a energia renovável e limpa já instaladas. Em outro aspecto, a preocupação dos Prefeitos Municipais que fazem frentes aos serviços essenciais são os limites populacionais para a subida no percentual do FPM – Fundo de Participação dos Municípios, principalmente aqueles que se encontra como: 0,6; 0,8; e 1.0 com uma estimativa que não correspondem, sequer aos números das famílias e habitantes que recebem a prestação dos serviços da saúde. 

Os honorários médicos são considerados custosos, embora reconhecidamente merecidos, e os profissionais médicos em face às alternativas que existem fazem falta no mundo do trabalho na administração pública municipal. Os médicos são disputados e levam os Municípios mais organizados, austeros e que são bons pagadores. Contudo, não é apenas isto na dimensão da saúde, há também, medicamentos, e exames mais complexos consistem em uma verdadeira “via crucis”, principalmente com transportes para os munícipes com doenças crônicas, aumentando as despesas consideravelmente no segmento. 

O prazo para contestar e impugnar a estimativa já começou, cabendo aos Prefeitos responsáveis tomar todas as providências de direito e necessárias para não causar prejuízo a Municipalidade e poder melhorar o atendimento dos serviços essenciais as suas populações, principalmente na seguridade (saúde, educação e assistência social), a fim de garantir os recursos que muitas vezes podem melhorar a qualidade de vida. 

Com: Potiguar Notícias

“Carinhoso” já era sucesso quando Braguinha colocou a belíssima letra no chorinho

João de Barro das eternas construções - Rede Brasil Atual
Braguinha, autor de letras que serão eternas

O compositor carioca Carlos Alberto Ferreira Braga (1907-2006), conhecido como Braguinha ou João de Barro, fez uma belíssima declaração de amor ao colocar letra no famoso choro “Carinhoso”, um dos maiores clássicos da MPB, composto por Pixinguinha.  “Carinhoso” foi gravado por Orlando Silva, em 1937, pela RCA Victor.


CARINHOSO

Pixinguinha e João de Barro


Meu coração, não sei por quê
Bate feliz quando te vê
E os meus olhos ficam sorrindo
E pelas ruas vão te seguindo,
Mas mesmo assim foges de mim.


Ah se tu soubesses
Como sou tão carinhoso
E o muito, muito que te quero.
E como é sincero o meu amor,
Eu sei que tu não fugirias mais de mim.

Vem, vem, vem, vem,
Vem sentir o calor dos lábios meus
A procura dos teus.
Vem matar essa paixão
Que me devora o coração
E só assim então serei feliz,
Bem feliz.

Com: Paulo Peres
Poemas & Canções

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DE MONTANHAS REALIZA CONFERÊNCIA NESTA QUINTA FEIRA (26)

Com:  Assessoria de Comunicação
http://montanhas.rn.gov.br

Hoje, quinta-feira (26), a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Habitação, Trabalho e Lazer promove durante todo o dia a realização da sua IX Conferência Municipal de Assistência Social. Conforme foi anunciado dia 18 de agosto. IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (montanhas.rn.gov.br).

A abertura se deu por volta das 9:00h e contou com a participação de muitos conferencistas que se inscreveram no formulário disponibilizado para os representantes das entidades governamentais, civis, e afins.

O evento foi muito bem elaborado e muito organizada toda sua dinâmica. Parabéns para toda equipe colaboradora, que desde o início já distribuía as pastas para a implantação dos grupos de trabalho nos eixos temáticos habilitados para discussão, passando por uma oferta de um café da manhã, apresentação dos hinos do Brasil e do Município e, diga-se de passagem, uma bela apresentação da equipe de jovens do grupo de fortalecimento de vínculos que brilhantemente encenou e representou ao som da música inédita que evidencia o Município de Montanhas com o título “Montanhas terra querida”.

Esteve presente compondo a mesa, o Vice-prefeito Antonio Duarte, Presidente do Conselho Social, Edinólia, Secretária Municipal do Desenvolvimento Social, Socorro Adelino, Secretária de Educação, Marta Lopes, Secretária Municipal de Saúde, Maria José, Assessor de Governo, Ubiratan de Melo Gonçalves, vereadores Edson Junior (Dinho) e Eduardo Paz Coutinho.

O Palestrante, Marcio Francisco de Andrade, presidente do CEAS – Conselho Estadual de Assistência Social, compareceu e fez uma bela explanação onde muitos pontos foram aclarados para na oportunidade das oficinas temáticas as propostas de trabalho fluírem com mais facilidade. O Presidente do CEAS, ainda, destacou em sua fala, o agradecimento pela bela recepção que lhe foi dada e ressaltou quão bela encontra-se Montanhas, disse: “A melhoria se ver ao entrar na Cidade, com as ruas em perfeito estado de conservação e sinalização, além da limpeza pública, parabéns pela administração que Montanhas recebeu”. Enfatizou.

Depois do almoço, servido aos participantes no CCI – Centro de Convivência dos Idosos, iniciou o processo de discussão e debates para elaboração das propostas que serão possivelmente introduzidas no Plano Plurianual – PPA e por esse caminho, novas perspectivas poderão chegar a população com muito mais resultados, afinal, a participação da sociedade nessas atividades é motivo de orgulho para um município que envolve todos por um só objetivo: O melhor para Montanhas!

Neste momento ainda continua a reunião, vamos aguardar o desfecho e mais notícias teremos na sequência.

Vejamos algumas fotos enviadas por Nelson Aranha:

Uma canção de protesto de Gonzaguinha, ensinando que não se deve baixar a cabeça

Foto sem data Gonzaguinha com o pai, Luiz Gonzaga.

Gonzaguinha e o pai, dois mestres da MPB

O economista, cantor e compositor carioca Luiz Gonzaga do Nascimento Junior (1945-1991) , mais conhecido como Gonzaguinha é, sem dúvida, um dos maiores talentos da Música Brasileira em seus diversos estilos populares. Sua obra teve, inicialmente, como característica sua postura de crítica à ditadura militar, conforme mostra a letra da música “Comportamento Geral”, gravada no LP Luiz Gonzaga Junior (Gonzaguinha), em 1973, pela Odeon.

COMPORTAMENTO GERAL
Gonzaguinha

Você deve notar que não tem mais tutu
e dizer que não está preocupado
Você deve lutar pela xepa da feira
e dizer que está recompensado
Você deve estampar sempre um ar de alegria
e dizer: tudo tem melhorado
Você deve rezar pelo bem do patrão
e esquecer que está desempregado

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você deve aprender a baixar a cabeça
E dizer sempre: “Muito obrigado”
São palavras que ainda te deixam dizer
Por ser homem bem disciplinado
Deve pois só fazer pelo bem da Nação
Tudo aquilo que for ordenado
Pra ganhar um Fuscão no juízo final
E diploma de bem comportado

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal

E um Fuscão no juízo final
Você merece, você merece

E diploma de bem comportado
Você merece, você merece

Esqueça que está desempregado
Você merece, você merece

Tudo vai bem, tudo legal

Com: Paulo Peres Poemas & Canções 

A diferença entre a verdadeira e a falsa baiana, na genialidade de Geraldo Pereira

Geraldo Pereira era considerado o rei do samba

O compositor mineiro Geraldo Theodoro Pereira (1918-1955), nascido em Juiz de Fora, mostra sambando a diferença existente entre a verdadeira e a “falsa baiana”. Este samba foi gravado por Ciro Monteiro, em 1944, pela RCA Victor.

FALSA BAIANA
Geraldo Pereira

Baiana que entra no samba e só fica parada
Não samba, não dança, não bole nem nada
Não sabe deixar a mocidade louca
Baiana é aquela que entra no samba de qualquer maneira
Que mexe, remexe, dá nó nas cadeiras
Deixando a moçada com água na boca

A falsa baiana quando entra no samba
Ninguém se incomoda, ninguém bate palma
Ninguém abre a roda, ninguém grita ôba
Salve a Bahia, senhor

Mas a gente gosta quando uma baiana
Samba direitinho, de cima embaixo
Revira os olhinhos dizendo
Eu sou filha de são salvador

Com: Paulo Peres Poemas & Canções

Na poesia de Fernando Brant, a história do menino que sempre vinha lhe dar a mão

Fernando Brandt

Fernando Brant foi um dos criadores do Clube de Esquina

O advogado, escritor, letrista e poeta mineiro Fernando Rocha Brant (1946-2015), na letra de “Bola de Meia, Bola de Gude”, foi buscar em sua infância, pura e feliz, a solução para lidar com as adversidades da fase adulta. A música foi gravada por Milton Nascimento no LP Miltons, em 1988, pela CBS.

BOLA DE GUDE, BOLA DE MEIA
Milton Nascimento e Fernando Brant

Há um menino, há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança
Ele vem pra me dar a mão
Há um passado no meu presente
Um sol bem quente lá no meu quintal

Toda vez que a bruxa me assombra
O menino me dá a mão
E me fala de coisas bonitas
Que eu acredito que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito, caráter, bondade
Alegria e amor
Pois não posso, não devo, não quero
Viver como toda essa gente insiste em viver
E não posso aceitar sossegado
Qualquer sacanagem ser coisa normal
Bola de meia, bola de gude
O solidário não quer solidão

Toda vez que a tristeza me alcança
O menino me dá a mão
Há um menino, há um moleque
Morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto fraqueja
Ele vem pra me dar a mão

Por: Paulo Peres
Poemas & Canções

2ª edição de poscast com poetas potiguares estreia nesta quinta-feira

Com PN Notícias

A partir do dia 12 de agosto de 2021, os amantes de podcast e literatura poderão acompanhar a segunda edição do projeto “Um poeta em cada esquina”, um podcast que nasceu com o intuito de apresentar poetas do estado do Rio Grande do Norte, compartilhando vivências, escritos e sonhos durante a conversa. Serão seis artistas convidados para abordar a cena potiguar em torno de um bate-papo entre poetas. O conteúdo estará disponível em todos os serviços de streaming de música, no canal do projeto.  

O destaque dessa edição é que ela contará com as conversas gravadas também em vídeo, com apresentação de Gonzaga Neto e Gessyka Santos, que estarão disponíveis no canal do Youtube do projeto. O podcast tem o objetivo de contribuir para uma maior visibilidade de artistas atuantes no ofício literário, que historicamente encontram diversas barreiras para acesso a espaços de divulgação, objetivando garantir diversidade territorial, de gênero, raça e sexualidade. Para Gessyka Santos, poeta, produtora cultural e coordenadora do projeto, o podcast tem o intuito de aproximar artistas e ouvintes. “Nosso grande objetivo com o ‘Um Poeta em Cada Esquina’ é trazer o poeta para perto do ouvinte, como se eles estivessem trocando uma ideia lado a lado, e mostrar a quantidade, qualidade e diversidade de escritores que o RN possui”, enfatiza Gessyka.  

Nesta edição, cada episódio terá aproximadamente uma hora de duração, com poetas norte-rio-grandenses, refletindo assuntos que versem sobre arte, vivências, publicações, criatividade e todas as relações da poesia com o território. Os episódios são lançados quinzenalmente, sempre às 18h e nesta edição todas as conversas estão sendo gravadas pela Nobir Produtora e estarão disponíveis no Youtube. Foram convidados seis artistas, o primeiro episódio estará disponível a partir do dia 12 de agosto com a convidada Michelle Ferret, autora do livro “Febre”, que há mais de 10 anos atua na área da leitura.  

A primeira temporada de “Um poeta em cada esquina” foi realizada entre os meses de janeiro e fevereiro de 2021, contando com a participação de seis poetas, dentre eles Regina Azevedo, Thiago Medeiros e Rosy Nascimento.   

Para conferir os episódios basta seguir o canal “Um poeta em cada esquina” nas plataformas de música e acompanhar os episódios. A segunda edição de “Um poeta em cada esquina” é uma produção de Anzóis Produtora Potiguar e conta com o apoio do Sebrae através do edital Economia Criativa 2021 – Edital Nº 05/2021 de literatura. Além disso, o projeto conta com o apoio de Bolo de Mainha, Marca Fart, Estúdio Carlota e Livraria Cooperativa Cultural.  

Lançamentos dos episódios: 

12/08 – Michelle Ferret 
26/08 – Abaeté do Cordel 
09/09 – Bia Exagerada
23/09 – Karollen Potyguara
07/10 – Stéphanie Moreira
21/10 – Carmen Vasconcelos

Rio Grande do Norte hoje comemorando 520 anos

Imagem encaminhada por Luana Sá

Hoje o Rio Grande do Norte completa 520 anos, o nascimento do estado que é reconhecido por suas belezas naturais, um povo acolhedor. Em homenagem a este dia tão especial criamos um álbum para mostrar uns de nossos encantos.

Somos de uma terra que é uma verdadeira fonte de vida! Parabéns pelos seus 520 anos, Rio Grande do Norte.

Veja algumas imagens da beleza do RN encaminhada por Luana Sá de fotos reprodução internet.

PARABÉNS MEU RIO GRANDE DO NORTE!!!!!!!

Qual o mistério que há na dor de uma paixão?, indagavam Catulo e Pedro de Alcântara

Cantores iluminam obra lírica de Catulo da Paixão Cearense em CD derivado de show
Ilustração de Elifas Andreato

Paulo Peres
Poemas & Canções

O cantor, compositor e poeta maranhense Catulo da Paixão Cearense (1863-1946) e seu parceiro Pedro de Alcântara, na letra de “Ontem ao Luar”, tentam explicar através de uma lágrima o que é a dor de uma paixão. A música foi gravada por Vicente Celestino, em 1917, pela Odeon.


ONTEM AO LUAR

Pedro de Alcântara e Catulo da Paixão Cearense

Ontem, ao luar, nós dois em plena solidão
Tu me perguntaste o que era a dor de uma paixão.
Nada respondi, calmo assim fiquei
Mas, fitando o azul do azul do céu
A lua azul eu te mostrei
Mostrando-a ti, dos olhos meus correr senti
Uma nívea lágrima e, assim, te respondi
Fiquei a sorrir por ter o prazer
De ver a lágrima nos olhos a sofrer

A dor da paixão não tem explicação
Como definir o que eu só sei sentir
É mister sofrer para se saber
O que no peito o coração não quer dizer
Pergunta ao luar, travesso e tão taful
De noite a chorar na onda toda azul
Pergunta, ao luar, do mar à canção
Qual o mistério que há na dor de uma paixão

Se tu desejas saber o que é o amor
E sentir o seu calor
O amaríssimo travor do seu dulçor
Sobe um monte á beira mar, ao luar
Ouve a onda sobre a areia a lacrimar
Ouve o silêncio a falar na solidão
De um calado coração
A penar, a derramar os prantos seus
Ouve o choro perenal
A dor silente, universal
E a dor maior, que é a dor de Deus

Uma desesperada canção de amor que marcou a trajetória de Djavan


Djavan conseguiu desenvolver um estilo pessoa

Paulo Peres
Poemas & Canções

O cantor, compositor e produtor musical alagoano Djavan Caetano Viana revela na letra de “Álibi” o ser apaixonado e não correspondido, tal como ele gostaria que fosse, inclusive, já não se sacia com o sexo (força do beijo), mesmo que o sexo seja intenso, frequente e liberado (vadio). O apaixonado sofre (chora), mas nega a raiva que sente (mentira da ira), pelo desejo não satisfeito (não contraíra). O amor está no limiar da dor e vice-versa (por um triz).O apaixonado tenta iludir-se e ao outro aparentando felicidade, usando a sua carência como justificativa (álibi) para essa vida sem sentido, a espera do outro que não se entrega. A música faz parte do LP Djavan Ao Vivo, lançado em 1999, pela Epic/Sony Music.

ÁLIBI
Djavan 

Havia mais que um desejo
A força do beijo
Por mais que vadia
Não sacia mais


Meus olhos lacrimejam teu corpo
Exposto à mentira do calor da ira
No afã de um desejo que não contraíra
No amor, a tortura está por um triz

Mas gente atura e até se mostra feliz
Quando se tem o álibi
De ter nascido ávido
E convivido inválido
Mesmo sem ter havido, havido

Quando se tem o álibi
De ter nascido ávido
E convivido inválido
Mesmo sem ter havido, havido
Havia mais que um desejo

Parabéns para o medalhista Potiguar Ítalo Ferreira – Brasil, RN e Baia Formosa em festa

Imagem de reprodução internet: https://jornalpequeno.com.br/media/2021/07/Italo-Ferreira.jpg

O Blog Montanhas em Ação vem parabenizar o medalhista potiguar Ítalo Ferreira pela conquista do primeiro ouro para o Brasil na categoria surf e conquistada nas olímpiadas de Tóquio.

Foi muita emoção nesta madrugada de terça-feira (27), realmente, Ítalo Ferreira entre os seus vôos e manobras nas ondas do mar no Japão, deu ao Brasil o orgulho de subir a Bandeira Brasileira com a sua primeira colocação no podium.

Emocionante ainda, foi sua entrevista após a vitória, quando valorizou a sua família dedicando a sua medalha e ainda destacando a sua cidade Baia Formosa.

Acompanhe no vídeo momentos que repercutiram no mundo.

Parabéns Ítalo Ferreira! Campeão Olímpico de todos os tempos. O Brasil, o Rio Grande do Norte e a cidade de Baia Formosa estão em festa e, todos nós agradecemos a conquista da medalha e a sua vitória.

“Amigo é coisa para se guardar debaixo de sete chaves, dentro do coração, assim falava a canção…”

Milton e Brant, exemplo de uma amizade eterna

O advogado, compositor e poeta mineiro Fernando Rocha Brant (1946-2015), na letra de “Canção da América”, lembra o desejo de frátria, devido aos laços histórico/afetivos que unem os países americanos, em especial, os latino-americanos. Pelo potencial confraternizador que carrega, a canção tornou-se o hino de celebração das amizades, mormente, para retratar os encontros e as despedidas existentes em nossa vida.

Esta música foi gravada por Milton Nascimento, em 1980, no LP Sentinela, pela Ariola. E deve ser cantada sempre, como se fosse um hino do Dia do Amigo, que se comemora hoje, 20 de julho.

Paulo Peres
Poemas & Canções

CANÇÃO DA AMÉRICA
Milton Nascimento e Fernando Brant

Amigo é coisa para se guardar
Debaixo de sete chaves
Dentro do coração
Assim falava a canção que na América ouvi
Mas quem cantava chorou
Ao ver o seu amigo partir
Mas quem ficou, no pensamento voou
Com seu canto que o outro lembrou
E quem voou, no pensamento ficou
Com a lembrança que o outro cantou Amigo é coisa para se guardar
No lado esquerdo do peito
Mesmo que o tempo e a distância digam “não”
Mesmo esquecendo a canção
O que importa é ouvir
A voz que vem do coração
Pois seja o que vier, venha o que vier
Qualquer dia, amigo, eu volto
A te encontrar
Qualquer dia, amigo, a gente vai se encontrar.

Montanhas Terra Querida – em 20 de julho 2021 – 58 anos de Emancipação Política

Montanhas RN está de Parabéns neste dia 20 de julho. Nesta data, comemora-se o seu aniversário. Em 2021 O Município completa 58 anos de Emancipação Política.

O Blog Montanhas em Ação em homenagem a terrinha querida, lança o vídeo abaixo com muito carinho e respeito pela Cidade e sua história.

Acompanhe e acesse o Vídeo Montanhas Terra Querida!

Lá vem o bonde pelas ruas do Recife, nas lembranças que marcam a cantora Cátia de França

Cátia é uma das maiores cantoras do Nordeste

Paulo Peres
Poemas & Canções

A cantora e compositora paraibana Catarina Maria de França Carneiro, mais conhecida como Cátia de França, lembra com muita saudade os dias de festas que “O Bonde” proporcionava pelas ruas do Recife. A música “O Bonde” faz parte do CD No Bagaço Da Cana Um Brasil Adormecido, gravado por Cátia de França, em 2012, no SG Studio Digital.

O BONDE
Cátia de França

Correndo na linha,
Chiando nos trilhos,
Varando o arraial
Jaqueira, Mocambo passando ligeiro,
Que nem um filme no Cine Brasil.
Moleques no estribo, vaiando, gritando… 
É dia de festa, é o bonde que vem
E nesse pagode, na festa afinal

Eia, lá vem o Bonde!
Levando Sinhá,
Coroné Zé Paulino
E a filha mais nova,
Ele passa enfeitado,
Cheinho de gente na Rua da Aurora
E faz terminal lá no Pátio do Carmo.

Do bagageiro se ouve um aviso.
É o motorneiro soprando o apito
Recomeça a festa: é o bonde que sai!
Tinha um apelido este bonde amarelo
Chamado Lambreta todo desbotado
Sumiu na distância, Sumiu no passado…  

Eia, lá vem o bonde!

A genial ronda de Paulo Vanzolini


O zoólogo e compositor paulista Paulo Emílio Vanzolini (1924-2013) dizia que para fazer a música “Ronda” , inspirou-se em seu tempo de soldado nos anos 40, quando servia o Exército na Companhia de Polícia e fazia rondas pelos bares de São Paulo à procura de soldados desgarrados. Foi nessa ocasião que presenciou dramas parecidos com os da letra da música em questão, lançada por Inezita Barroso, em 1953, pela RCA Vitor.

RONDA
Paulo Vanzolini

De noite eu rondo a cidade
A te procurar sem encontrar
No meio de olhares espio em todos os bares
Você não está
Volto pra casa abatida
Desencantada da vida
O sonho alegria me dá
Nele você está
Ah, se eu tivesse quem bem me quisesse
Esse alguém me diria
Desiste, esta busca é inútil
Eu não desistia
Porém, com perfeita paciência
Volto a te buscar
Hei de encontrar
Bebendo com outras mulheres
Rolando um dadinho
Jogando bilhar
E neste dia então
Vai dar na primeira edição
Cena de sangue num bar
Da avenida são joão

Do: Tribuna da Internet
(Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

Bela canção!

No sono das águas, o despertar das lágrimas, na criatividade poética de Guimarães Rosa

As pessoas não morrem, ficam encantadas!... Frase de Guimarães Rosa.

Paulo Peres Poemas & Canções


O médico, diplomata, romancista, contista e poeta João Guimarães Rosa (1908-1967), nascido em Cordisburgo (MG), é um dos mais importantes escritores brasileiros de todos os tempos, sendo sua obra mais conhecida o romance “Grande Sertão: Veredas”, que ele qualifica como uma “autobiografia irracional”. Entretanto, Guimarães Rosa também enveredou pelos veios poéticos, conforme seus versos afirmativos de que “Todas as Águas Dormem”, exceto a água dos olhos.


TODAS AS ÁGUAS DORMEM
Guimarães Rosa

Há uma hora certa,
no meio de noite, uma hora morta,
em que a água dorme. Todas as águas dormem:
no rio, na lagoa,
no açude, no brejão, nos olhos d’água,
nos grotões fundos.
E quem ficar acordado,
na barranca, a noite inteira,
há de ouvir a cachoeira
parar a queda e o choro,
que a água foi dormir…

Águas claras, barrentas, sonolentas,
todas vão cochilar.
Dormem gotas, caudais, seivas das plantas,
fios brancos, torrentes.
O orvalho sonha
nas placas de folhagem.
E adormece
até a água fervida,
nos copos de cabeceira dos agonizantes…

Mas nem todos dormem, nessa hora
de torpor líquido e inocente.
Muitos hão de estar vigiando,
e chorando, a noite toda,
porque a água dos olhos
nunca tem sono…

‘Marinheiro das montanhas’, de Karim Aïnouz, é aplaudido por 15 minutos no Festival de Cannes

Walter Salles e Karim Aïnouz no Festival de Cannes — Foto: Soraya Ursine/Divulgação

O novo filme do brasileiro Karim Aïnouz (“A vida invisível”), “Marinheiro das montanhas”, foi aplaudido por 15 minutos após sua exibição no Festival de Cannes. A produção fez parte como convidada da mostra Sessão Especial.

“Uma emoção gigante ter feito o filme. Ter passado aqui hoje. Ter tido a recepção que teve”, afirma o diretor.

“Marinheiro das Montanhas” é um diário de viagem filmado na primeira ida de Aïnouz à Argélia, país em que seu pai nasceu.

Com registros da viagem, filmagens caseiras, fotografias de família e arquivos históricos, o cineasta discute paralelos entre a história de amor de seus pais, a guerra pela independência argelina, memórias de infância e os contrastes entre a região de Cabília, no país africano, e Fortaleza, cidade natal do cineasta e de sua mãe, Iracema.

“‘Marinheiro das montanhas’ é um filme íntimo, talvez seja o meu primeiro filme. O filme que sempre sonhei em fazer e que só consegui realizar muitos anos depois”, disse ele ao público antes da exibição.

“Essa história de amor entre os meus pais habitou meu imaginário desde que eu me entendo por gente e de alguma forma transformá-la em filme foi o que me levou para o cinema.”

O filme é uma produção da VideoFilmes, dos irmãos Walter Salles e João Moreira Salles, com coprodução da Globo Filmes, GloboNews, associação com MPM Film, Big Sister, Watchmen e Cinema Inflamável e distribuição da Gullane.

Durante sua passagem pelo festival, Aïnouz também anunciou que seu próximo projeto, “Firebrand”, será uma cinebiografia de Catarina Parr, a sexta e última esposa de Henrique VIII, estrelada por Michelle Williams (“Venom”).

O cineasta tem uma história muito ligada ao evento francês. Além de ter ganhado o prêmio de melhor filme da mostra Um Certo Olhar em 2019 com “A vida invisível”, também exibiu lá seu primeiro longa, “Matame Satã” (2002), e “O Abismo Prateado” (2011).

A sessão também foi marcada por manifestações contra o presidente Jair Bolsonaro e sua administração durante a pandemia de Covid-19.

“Não posso deixar de lembrar que, enquanto estou aqui celebrando com vocês, milhares de brasileiros estão morrendo por absoluto descaso deste governo fascista na condução da pandemia. A democracia brasileira respira por aparelhos”, disse o diretor após a exibição do filme.

“Além das mais de 500 mil mortes com a Covid, muitas outras vidas foram perdidas por responsabilidade direta desta administração genocida. Como acontece em governos autoritários, os artistas, a ciência e as universidades públicas foram os primeiros a ser atingidos.”

Depois do discurso, uma faixa exibida protestava contra as mortes: “Brasil: 530 mil mortos. Fora, gângster genocida”.

Fonte: G1RN

Publicado por  Ponto de Vista em  10 de julho de 2021