Teorias de Descartes são cada vez mais atuais, 400 anos depois de imaginadas

Resultado de imagem para rene descartes“Penso, logo existo” – a expressão reflete o estilo do  filósofo e matemático francês René Descartes (1596 – 1650), considerado o maior expoente do chamado racionalismo clássico – movimento que deu ao mundo filósofos importantes como Francis Bacon, Blaise Pascal, Thomas Hobbies, Baruch Spinosa, John Locke e Isaac Newton.

O século XVII foi pródigo em grandes inovações no campo da ciência e do pensamento. Marcado pelo absolutismo monárquico (concentração de todos os poderes nas mãos do rei) e pela Contra-Reforma (reafirmação da doutrina católica em oposição ao crescimento do protestantismo), nessa época nasce o método experimental e a possibilidade de explicação mecânica e matemática do universo. Foi, portanto, a fase que deu origem às ciências modernas.

NOVA FILOSOFIA – Em “Discurso do Método”, publicado em 1637, Descartes lançou as bases do pensamento que viria modificar substancialmente toda a história da Filosofia. Alguns anos depois, suas ideias foram retomadas nas “Meditações”.

René Descartes estava disposto a encontrar uma base sólida para servir como alicerce a todo conhecimento. Nesta época, a Filosofia não se distinguia das outras ciências e o livro deveria ser uma introdução para três escritos científicos, voltados para a meteorologia, a geometria e o estudo do corpo humano.

Ao buscar um alicerce novo para a Filosofia, Descartes rompeu com a tradição aristotélica e com o pensamento escolástico que dominava a filosofia na era medieval. E o desligamento entre o sujeito e o objeto do conhecimento então se tornou fundamental para toda a moderna Filosofia.

SEM HAVER DÚVIDA – Para fundamentar o conhecimento, o filósofo deve rejeitar aquilo que é posto como duvidoso. A dúvida é, portanto, um momento necessário para descoberta da substância pensante, da realidade do sujeito que pensa.

Através da dúvida metódica, o filósofo chega à descoberta de sua própria existência enquanto substância pensante. A palavra cogito (penso), que está presente na tradução latina “Cogito, ergo sum” (penso, logo existo), remete à autoevidência do sujeito pensante. Desta forma, “cogito” é a certeza que o sujeito pensante tem de sua existência enquanto tal. Cartesianamente, como se diz nos dias de hoje.

César Cavalcanti

Posted on 28/12/2018, in Reflexão. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: