Daily Archives: 12/04/2016

Ciro: com impeachment, quem assume é uma coalizão de bandidos

images_cms-image-000491627

“No dia que esse impeachment for – espero que não aconteça – consumado, quem assume é uma coalização de bandidos. Por desgraçada coincidência, a única pessoa que não está citada em nenhum desses gravíssimos escândalos é a Dilma.

O vice-presidente está citado. O escândalo será inerente a essa turma que está entrando. E o eleitor da oposição vai se frustrar rapidamente. Então, você vai ter a mesma grave situação no Brasil só que com importantes bandas do país não reconhecendo a institucionalidade do governo e provavelmente descabando para a violência”, alerta Ciro Gomes; ele disse ainda que “Temer é o capitão do golpe, amigo íntimo do Eduardo Cunha” e disse que o parecer de Jovair Arantes (PTB-GO) foi escrito por um advogado do presidente da Câmara.

PEDRO VELHO-RN. População denuncia estuprador de animais na zona rural

Tá no Blog do Mago

DSC01112A população de Cuité, município de Pedro Velho, denunciou na Talismã FM a existência de um tarado na região.

De acordo com a denúncia um homem que mora no sítio Bocas, vem estuprando animais em Cuité e a última vítima foi uma égua, com apenas dois meses de vida.

Ainda de acordo com a denúncia, o animal desde que sofreu o estupro passa mal, correndo risco de morte.

Me dá uma luz aí, né.

Maluf, que agora apoia o impeachment, deixa a lista vermelha da Interpol

“Agora, só falta o papa Francisco me canonizar”, diz deputado
Político volta a poder fazer viagens ao exterior sem risco de prisão
Primeiro passeio internacional será para Bariloche e Punta del Este
Exclusão ocorreu há um mês e meio; Maluf não explica a razão

maluf-pedro-ladeira

O deputado Paulo Maluf (PP-SP) em fevereiro de 2015

O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP), 84 anos, e seu filho Flávio não estão mais na lista pública de pessoas procuradas pela Interpol, a Organização Internacional de Polícia Criminal.

Segundo informações do gabinete do deputado, a exclusão foi feita há 1 mês e meio. Maluf fala entre “duas e três semanas”. Ele não quis revelar como conseguiu que seu nome fosse retirado da lista de procurados internacionais.

Procurado pelo Blog do Fernandes Rodrigues, o deputado comemorou e fez uma brincadeira: “Estou fora do mensalão, fora do petrolão, fora da Lava Jato, não estou no Panama Papers e votei a favor do impeachment. Agora, saí da lista vermelha da Interpol. Só falta o papa Francisco me canonizar”.

As informações são do repórter do UOL André Shalders.

Ontem (11.abr.2016), no início da noite, Maluf foi um dos 38 deputados que votaram a favor da admissibilidade do impeachment da presidente Dilma Rousseff na comissão especial que tratou do assunto na Câmara. O pedido foi aceito, pois o Palácio do Planalto teve apenas 27 votos no colegiado de 65 integrantes.

Feliz com seu voto, Maluf dava entrevistas a granel ao final da sessão da comissão do impeachment. Indagado pelo Blog se achava justo ser “canonizado” pelo papa (ser tornado santo da Igreja Católica), o deputado respondeu:

“Por tudo que fiz pela cidade de São Paulo, acho que eu mereço [a canonização]”.

“Amanhã [hoje], 12 de abril, completo 49 anos de vida pública. Em 12 de abril de 1967 fui nomeado presidente da Caixa Econômica Federal. Tenho muitos serviços prestados”, declarou.

Maluf diz que sua última viagem internacional foi em dezembro de 2008, quando esteve na França, na Itália e na Inglaterra. Agora, está livre para passear novamente pelo exterior. “Vou tirar uns 15 dias em julho. No inverno, gosto de ir para a Argentina, para Bariloche. Também posso ir para Punta del Este, no Uruguai”, disse.

Há dois chefes “do golpe, da farsa e da traição”, acusa Dilma

Dilma

Um dia depois de a Comissão do Impeachment ter votado o parecer favorável á destituição de Dilma Rousseff, a presidente brasileira (do Partido dos Trabalhadores, PT) lançou um duro ataque contra o seu vice, Michel Temer, e contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. “Há dois chefes da conspiração que agem em conjunto de forma premeditada”, afirmou a chefe do Estado num encontro com pais, alunos e professores no Palácio do Planalto.

Sobre a gravação áudio enviada por Temer por engano aos deputados do seu PMDB e na qual ele fala como se já fosse presidente, Dilma sublinhou: “Vivemos estranhos tempos de golpe, farsa e traição”, dizendo ter ficado “chocada” com as palavras do seu vice-presidente.

“Tentarão nos intimidar. Tentarão nos tirar das ruas. É possível novos vazamentos ilegais, é possível novas acusações sem prova”, disse ainda Dilma.

Esta foi a primeira reação da presidente depois de a Comissão do Impeachment ter aprovado, por 38 votos contra 27, o parecer do relator Jovair Arantes favorável à abertura do processo de destituição de Dilma. A votação em plenário está prevista para domingo. Para passar ao Senado, o impeachment precisa dos votos favoráveis de 342 dos 513 deputados. Para arquivar o pedido, Dilma precisa de 172.