Daily Archives: 31/07/2015

Montanhas RN – Chuva melhora o volume de água da nossa lagoa

11822541_490379697796596_2046954258270586634_nImagem de reprodução internet por Facebook Danilo

Até que enfim uma notícia que diferencia dos péssimas acontecimentos em nosso Município, A lagoa de Montanhas consegue acumular água, e com isso, acreditamos que em outros lugares, neste sentido, deva existir o mesmo juízo de valor.

Mas infelizmente não é o que podemos dizer sobre as entradas da cidade, a buraqueira toma conta de uma forma insuportável pelos que trafegam diariamente, veículos tendem a sofrer maiores problemas e para evitar maiores danos mais,  apelamos para o Prefeito que tomem a providencia e não deixe que o abandono seja a tônica de sua administração, pois já está se tornando sua marca, nos últimos anos.

Outro fato é que olhem para os atendimentos no PSF, há denuncias e revoltas por parte de algumas pessoas que estão sendo tratadas em desafeto total, e portanto, queixas apontam para descriminação de posição ideologicamente política, averiguem e entendam que o atendimento é para o POVO e não apenas para quem é ou faz acordo com a família do Prefeito, pedimos apenas que façam uma reflexão e revejam esta condição medíocre que não leva a nada e já está ultrapassada.

Por fim vamos nos limitar a beleza que é a nossa lagoa.

O caso Romário contra a Veja e o valor da indenização

Jorge Béja

Não vai demorar muito e a verdade vem à tona. Se a matéria publicada pela Veja sobre os 7 milhões e meio de reais que o senador Romário teria em depósito clandestino na Suiça não for verdadeira, a revista deu um passe e tanto para Romário fazer um histórico gol de letra que o colocará mais e mais à frente da corrida à prefeito do Rio. Além disso, Romário vencerá a ação por danos morais que ele antecipou que vai ingressar na justiça contra a Veja. Nesse episódio Romário X Veja, caso a notícia não seja verdadeira, vence Romário e perde a revista. Perde a ação indenizatória e sua credibilidade. Perde assinantes, leitores e anunciantes. Ninguém vai acreditar mais nas reportagens que Veja publica. Sua credibilidade passar a estar contaminada pelo vírus da dúvida.

O fato é público e notório. E por envolver um senador famoso, vem ganhando repercussão, mormente às vésperas do começo dos trabalhos da CPI do futebol a ser presidida pelo próprio senador Romário. Por isso é plenamente justificável que o povo se manifeste a respeito, do jeito que cada um sabe, gosta e interpreta o acontecido. Mas tudo não passa de especulação. Qualquer julgamento agora é precipitado. Mas cá pra nós, assim que a notícia foi publicada, Romário negou. E ele foi até Genebra para conferir. Segundo Romário, a viagem foi paga com recursos próprios.

E lá de Genebra Romário já informou que o banco indicado na reportagem atestou a inexistência do depósito e deu como falso o tal extrato da tal conta que Romário exibiu ao banco suiço. Foi uma atitude que apenas os que não têm culpa e sabem ter sido acusados injustamente têm coragem de tomar. Nenhum dos acusados da Lava-Jato viajou para o exterior para obter prova da falsidade das acusações contra si. Não viajaram porque sabiam que as contas existiam mesmo, eles próprios as abriram e o dinheiro era mesmo deles. Dinheiro sujo e fruto da corrupção. Portanto, bem diferente do caso Romário. Afinal, ter conta bancária no exterior não é crime, desde que o dinheiro nela depositado tenha sido obtido licitamente. O que a lei exige é que a conta e o valor sejam declarados à Receita Federal. É uma questão meramente administrativa. A qualquer tempo pode ser regularizada, caso assim não esteja. Ninguém vai para a cadeia, nem vai ser levado à presença do Juiz Sérgio Moro por causa disso.

VALOR DO DANO MORAL

Questão que sempre foi tormentosa para os juízes e tribunais é mensurar o valor do dano moral. No passado, tinha-se como parâmetro a Lei de Imprensa, que estipulava o valor para cada situação específica. Apenas um exemplo: no caso de falsa imputação de crime a alguém a indenização por dano moral era de 200 salários mínimos, no caso culposo. Quando a intenção era mesmo caluniar (dolo), o valor passava a ser ilimitado, conforme doutrina de Darcy Arruda Miranda e Freitas Nobre, dois respeitados jurisconsultos que escreveram, cada um, excelentes obras sobre a Lei de Imprensa (nº 5250/1967), que em boa hora o STF a considerou inconstitucional após o advento da Constituição Federal de 1988.

Ficou, então, assentado na jurisprudência que fixar o valor pecuniário para reparar o dano moral era atribuição dos juízes. Daí porque nas ações em que se busca tal reparação, deve-se sempre pedir a condenação da parte demandada a reparar o dano moral “no valor que o prudente arbítrio do juiz fixar”. É inútil a própria parte autora-ofendida estipular na petição à Justiça o valor que pretende. É costume ouve dizer que “fulano quer receber tanto pelos danos morais”. Bobagem. Se vencer a ação, o autor receberá o valor que a Justiça fixar “segundo o prudente arbítrio” dos magistrados que decidirem a querela.

Mas é claro e intuitivo que no valor da fixação da reparação do dano moral o magistrado levará em conta a reputação do ofendido, seus antecedentes, sua posição do meio social, o potencial e o alcance da ofensa, sua repercussão, a opulência financeiro do ofensor, enfim, tudo quanto possa servir como alicerce para a fixação do dano moral. Nesse episódio Romário X Veja, caso o senador venha mesmo abrir processo reparatório por danos morais contra a empresa editora da revista e saia vencedor, não será surpresa se a Justiça tomar como parâmetro para indenizar Romário o mesmo valor que a revista publicou como sendo pertencente a Romário e clandestinamente depositada na Suiça. Para terminar: se Romário não tem mesmo os 7,5 milhões de reais guardados na Suiça, poderá passar a tê-los, aqui mesmo no Brasil, por conta de uma condenação a ser imposta à empresa editora da Revista Veja a título de reparação por dano morais. É um parâmetro. Forte, bom e justo.

Fenômeno “Lua Azul” ilumina última noite de julho

Nesta sexta-feira (31), último dia de julho, haverá uma “lua azul”, assim chamada a segunda lua cheia no mesmo mês – fenômeno que ocorre de três em três anos, e só voltará a acontecer em janeiro de 2018.

Segundo o Observatório Naval dos Estados Unidos, cada ciclo lunar dura aproximadamente 28 dias e quando ocorre uma lua cheia no início do mês é provável que haja uma segunda no final. É isso que vai ocorrer amanhã.
A primeira lua cheia foi no dia 2 deste mês.

Apesar de ser denominada “lua azul”, o planeta vai aparecer como de costume, nas cores cinza, branca e prateada. Segundo peritos, a lua ficou azul em poucas ocasiões, devido à poeira, cinza e fumo na atmosfera, provocadas por grandes erupções vulcânicas ou incêndios florestais. A última “lua azul” ocorreu no dia 31 de agosto de 2012.

PRESIDENTE DILMA DIZ A GOVERNADORES QUE O POVO ESTÁ SOFRENDO E MUITA COISA PRECISA MELHORAR

dilma_governadores

A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (30) que o Brasil passou a exigir muito dos governos e dos serviços públicos. “Nosso povo está sofrendo, e muita coisa tem que melhorar”, disse durante reunião com governadores no Palácio da Alvorada, acrescentando que “nenhum governante pode se acomodar”. “Esse Brasil passou a exigir muito dos governos, das empresas, dos hospitais, das escolas, da política, da justiça e de si mesmo. Nesse novo Brasil nenhum governante pode se acomodar. Muita coisa sabemos que precisa melhorar, principalmente porque sabemos que nosso povo está sofrendo, e quando sabemos isso, muita coisa tem que melhorar”, afirmou a presidenta.

Dilma ainda enfatizou que diferenças políticas não podem se sobrepor aos interesses do país, e que a cooperação entre os governos é uma obrigação constitucional. “Nós devemos cooperar cada vez mais, independentemente de nossas afinidades políticas. A cooperação federativa é uma exigência constitucional, é uma exigência da forma como nós organizamos o Estado e a sociedade brasileira. Nós também devemos respeitar a democracia, e devemos somar forças e trabalhar para melhor atender a população”, acrescentou a presidenta.

G1

Gari gata posa de biquíni em praia e mostra tatuagem enorme; veja fotos

Rita Mattos levava uma vida comum como a de milhares de outras brasileiras.

Nascida no Rio e vivendo no bairro de Realengo, na Zona Oeste, junto com os pais, a carioca de 24 anos trabalha na Companhia Municipal de Limpeza Urbana do Rio (Comlurb) e entre uma rua varrida e outra, ela gosta de tirar algumas selfies.

Algumas não, várias… Todas elas publicadas em suas redes sociais. As fotos de Rita começaram a ser divulgadas em grupos de Whatsapp e compartilhada no Facebook. Em pouco tempo ela ganhou o título de Gari Gata e do dia para a noite, se tornou uma celebridade da internet, ganhou um assessor de imprensa e teve sua vida divulgada até na imprensa internacional.

“Não sei como me descobriram , acho que foram pessoas querendo me zoar, me prejudicar, no Whatsapp com as minhas fotos de gari e terminou que gerou um outro tipo de repercussão. As pessoas gostaram, falaram que é um trabalho digno e me apoiaram. Tomei um susto enorme”, disse.

Rita contou ainda que as fotos, com o uniforme da Comlurb, não desagradou nem aos chefes – de alguns deles chegou a receber elogios. “Alguns chefes estão me apoiando, outros não falaram nada, acho que não tem nenhum que não tenha visto”, brincou, “mas ninguém brigou”.

Há um ano e meio na empresa, Rita conta que sua rotina é como de uma trabalhadora comum, ou era. Já que, desde que foi ‘descoberta’, tem dado entrevistas, tirado fotos e respondido aos fãs na internet. A morena dos olhos verdes, 1m64cm, bem distriubuídos em 64kg além de gari agora é modelo. E ela está gostando disso: “Eu sempre gostei de tirar foto, teve uma época da minha vida que até quis trabalhar com isso mas não deu certo e caiu no esquecimento. É um mercado difícil e fechado. Estou gostando, mas estou pensando mesmo em estudar para crescer na vida”, conta.

isla1.png

Enquanto isso, Rita vai aproveitando o lado bom da fama. Ela já foi convidada para desfilar na escola de samba Estácio de Sá, no próximo carnaval, e confessa: quer vir com pouca roupa. “Recebi o convite, gostei, estou ansiosa e aguardando qual vai ser a fantasia. Falei pra eles não colocarem muita roupa porque já uso uniforme o ano inteiro. Aquilo pesa quando fica muito quente, então não quero nada pesado”, brincou. Para a entrevista, ela também usou o mínimo de roupa possível, um microbiquíni que revelou suas sete tatuagens. “Adoro, se pudesse faria mais, mas daqui a pouco viro um carro alegórico.”

isla2.png

ENSAIO NU
Rita não tem meio termo, meia palavra, não se faz de tímida e não descartaria um ensaio nu. “Tudo é questão de conversa. Se a proposta financeira for mudar a minha vida, por que não? Só teria que conversar com os meus pais direitinho”, diz ela, que mora com o pai e a mãe em um pequeno apartamento. “A gente vive de maneira bem simples, curte a vida da maneira que dá. É claro que tenho vontade de mudar de vida, mudar de casa…Ainda moro com os meus pais, eles se assustaram com todas as novidades, mas estão orgulhosos de mim”.

isla3.png

Com um corpão de dar inveja, a Gari Gata conta que é amante de academia e admite achar curioso que os homens passem cantadas quando ela está com o uniforme da empresa. “É engraçado, mexiam mais comigo quando quando eu estava com uniforme do que com roupa normal, parece que o coral do uniforme chama mais a atenção”, riu. “Gosto muito de academia, sempre gostei, desde novinha. Agora mesmo, aumentei minha série e estou toda dolorida, mas o que importa é o resultado’.

Apesar de não ligar para o assédio, a dona dos olhos verdes mais famosos da Comlurb tem dono. Rita namora com Paulo Hernane, que também trabalha como gari há sete anos, diz que não pensa em casar e que o namorado não sente ciúmes. “Diz ele que estão zoando, que toda hora alguém comenta que a namorada dele esta famosa, no começo ele até teve ciúmes, mas agora não. A gente está namorando há sete anos, mas não tenho pretensão de casar agora, não”.

isla4.png

Depois da fama, Rita segue trabalhando como gari. Ela ama a empresa e a profissão, e para quem acha que a gata tem vergonha do trabalho, ela manda um recado. “Nunca tive vergonha, pelo contrário, sempre postei foto trabalhando, deitada no chão, comendo na calçada. Se tentaram me prejudicar não deu certo”.

isla5.png

isla6.png

isla7.png

isla8.png

isla9.png

isla10.png

isla11.png

Fonte: Com informações do Ego

Homem cria ‘cueca de aço’ para evitar ataque de mulher insatisfeita

A cidade de Nyeri, a duas horas de carro ao norte da capital do Quênia, Nairóbi, está no epicentro de um dos maiores problemas do país: o alcoolismo.

Mas a dependência se deve a um costume cultural: os moradores costumam fabricar e consumir as próprias cervejas. Ali multiplicam-se relatos de vidas arrasadas pela dependência. Segundo a jornalista local Kathleen Wamuyu, alguns homens já tiveram o pênis cortado por suas mulheres devido ao problema. Para evitar os ataques, o empresário Barrack Oswere decidiu criar uma nova peça para o guarda-roupa dos beberrões: as cuecas de aço. Ele explica que, na maior parte do tempo, os ataques ocorrem quando os homens estão dormindo. O parlamentar Kanini Kega diz que já perdeu as contas de quantos colegas morreram por causa do álcool.

Para combater este problema, a polícia do país vem aumentando as apreensões de cerveja artesanal, que é queimada. Até agora, a iniciativa está sendo bem-sucedida.

Mas Kega diz que ainda há um longo caminho a percorrer. Ele conta que o governo está construindo centros de reabilitação para dependentes e alguns deles precisarão de apoio psicológico. Mas Kega se mantém confiante. “Esta é uma guerra que estamos vencendo”, afirma ele.

Militares retomarão acampamento da Governadoria na próxima semana

Os presidentes das entidades representativas dos praças entregaram simbolicamente a pauta de reivindicações na Governadoria

Em Natal, os policiais e bombeiros militares foram às ruas em carreata, com um buzinaço até a Governadoria do Estado, como forma de reivindicar o cumprimento de três demandas previstas em lei, mas ainda não colocadas em prática pelo governo: o devido enquadramento dos níveis remuneratórios, a remuneração de acordo com o posto de graduação e a promoção ex officio – concedida quando o graduado permanece por tempo dobrado em um mesmo nível por causa da ausência de vagas. A concentração saiu da sede da Associação dos Subtenentes e Sargentos Policiais e Bombeiros Militares do Rio Grande do Norte (ASSPMBM/RN), na Avenida Presidente Bandeira, após Assembleia Geral onde os militares decidiram retomar o acampamento em frente à Governadoria na próxima quarta-feira, 05, a partir das 8h.

De acordo com o presidente da ASSPMBM/RN, Eliabe Marques, a categoria optou por essa medida porque, mesmo ciente das necessidades desses profissionais, o Poder Executivo ainda não atendeu às demandas solicitadas. “O governo conhece nossas reivindicações desde o dia 05 de fevereiro deste ano, porém, nada foi realizado de lá para cá. Durante este período nós enviamos ofícios, participamos de reuniões, mas nada de concreto foi feito. Por isso retomaremos a mobilização para conquistar os nossos direitos. Não estamos pedindo nada demais, apenas que a lei seja cumprida”, ressaltou em entrevista ao Portal no Ar.

Ao fim da carreata, os presidentes das entidades representativas dos praças entregaram simbolicamente a pauta de reivindicações na Governadoria, onde participaram de reunião na manhã de quarta-feira (29) com a com a chefe do Gabinete Civil, Tatiana Mendes Cunha, que prometeu marcar um encontro com o governador Robinson Faria. “Queremos expor diretamente a ele a insatisfação geral dos profissionais da segurança pública. Esperamos que a situação atual seja resolvida o mais rápido possível”, enfatiza Eliabe Marques.