Daily Archives: 29/07/2015

Montanhas RN – Falta de água deixa população inconformada

cenas-comum-em-espc3adrito-santo-rnImagem meramente ilustrativa (Reprodução internet)

Muitas pessoas nos ligam para externar seus sentimentos de inconformidade devido a falta de água em no Município e pede que divulguemos seus desafetos.

Montanhas pelo que se sabe, em alguns lugares já falta água desde a ultima sexta feira, dia 24 de julho, e isto está causando uma comoção de revolta na população, que se acha prejudicada e tratada com desrespeito.

O que se pede nada mais é do que uma satisfação da CAERN e esclarecimento desta Companhia, pois ao menos devia ter feito um comunicado explicando o motivo da falta de água por todos esses dias, ou que preparasse a população dias antes da interrupção do seu fornecimento, para que as pessoas pudessem armazenar a água suficiente para o seu consumo.

É muita irresponsabilidade da CAERN e neste sentido a população exige a regularização do fornecimento de água, até porque a situação está se complicando e praticamente virando uma calamidade pública.

Vamos ter cuidado com as manobras!

p.txt

PSDB usará a televisão para convocar o golpe contra a presidenta

AÉCIO

O senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), disse que “na próxima semana, o PSDB começa a veicular inserções de 30 segundos convocando ‘os indignados’ com a crise a participar da manifestação nacional marcada pelos movimentos de rua, para o dia 16 de agosto”. O ato organizado por movimentos golpistas pedirá o impeachment da presidente Dilma Rousseff nas ruas, como já fez em outras ocasiões. Aécio, que chegou a ser chamado de traidor por esses ativistas nas outras manifestações, em que não esteve presente, desta vez entrou de cabeça na causa.

O tucano também malhou a iniciativa da presidente Dilma Rousseff de querer realizar uma reunião com os governadores para propor um pacto da governabilidade e discutir o projeto de reforma do ICMS. Para o tucano, se Dilma não conseguir levar o seu mandato até o fim, a culpa é dela própria, e não da oposição. Segundo Aécio, a ideia é uma tentativa de “dividir a crise” e constranger os governadores ao obrigá-los a participar do encontro, previsto para a próxima quinta-feira em Brasília.

“O constrangimento chega ao inimaginável de ameaças veladas e de trazer a Brasíliaos governadores para dar apoio a presidente Dilma para tirar uma fotografia e simular apoio por uma coisa com a qual não tem nada a ver. Essa reunião é uma busca de socorro de alguém que quer que lhe joguem uma boia salva-vidas. O que a presidente tem é de fazer um mea-culpa para ver se recupera um pouco da credibilidade que ainda lhe resta”, disparou.O parlamentar negou que o PSDB esteja dividido em relação às ações a serem tomadas para tentar tirar a presidente do poder, como o impeachment, a cassação do diploma da chapa de Dilma e do vice, Michel Temer (PMDB), ou ainda deixá-la completar o mandato até o fim, em 2018, discurso disseminado por tucanos mais moderados, como os governadores Geraldo Alckmin (São Paulo), Marconi Perillo (Goiás) e Simão Jatene (Pará).

Segundo Aécio, no entanto, o que se fala hoje nos botecos e nas esquinas é apenas um assunto: não se sabe se Dilma ficará no cargo até o fim deste ano. Sobre o projeto de assumir a presidência, assegurou que “se um dia tiver a oportunidade de ser presidente da República, será unicamente pelo caminho do voto, não por outra saída qualquer”.

O presidente do PSDB também criticou a suposta tentativa do governo e do PT, pormeio do ex-presidente Lula, segundo noticiou a Folha, de se aproximar da oposição, e disseminou o discurso feito pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no fim de semana. “Fernando Henrique deu o tom certo: quem pariu Mateus que o embale. Não nos culpem. A instabilidade que atravessam é obra desse governo. Isso não é mais um governo. É um arremedo de governo e o desfecho da presidente Dilma é responsabilidade exclusiva dela, não das oposições”, afirmou. Ele também descartou qualquer possibilidade de diálogo: “Não se conversa com quem não se confia. E nós não confiamos no PT”. (GL)

Comissão da Reforma Política vai debater novo formato de financiamento de campanhas

Índice

Pelo menos três fórmulas para o financiamento de campanhas estão em discussão no Congresso Nacional, e nenhuma tem consenso entre os parlamentares. Há quem defenda o financiamento exclusivamente público, no qual o dinheiro para as campanhas viria dos cofres da União. Outra possibilidade é o financiamento privado.

Nesse caso, os recursos sairiam das doações de empresas e de pessoas físicas. A terceira fórmula é uma combinação das duas anteriores, ou seja, uma parte pública e outra privada. A Câmara dos Deputados aprovou recentemente um projeto que mantém as doações de empresas para os candidatos, desde que o limite não ultrapasse 20 milhões de reais.

Essa proposta será analisada pela comissão especial do Senado encarregada da Reforma Política. Mas a senadora Vanessa Grazziotin, do PCdoB do Amazonas, já disse que é contra a ideia:

“Nós não queremos, de fato, combater a possibilidade de corrupção no País? Então, vamos começar proibindo financiamento empresarial de campanha. Acho que essa, sim, seria a grande reforma política”, afirmou Vanessa Grazziotin.

O relator da reforma política no Senado, Romero Jucá, do PMDB de Roraima, lembrou que o debate sobre o financiamento de campanhas será aprofundado. Há inclusive a possibilidade de que audiências públicas sejam convocadas pela comissão especial do Senado para discutir o assunto. E se prevalecer a manutenção do financiamento empresarial, Romero Jucá assegura que serão impostos limites:

“Há uma limitação de que, por exemplo, não possa haver concentração de doação a determinado partido. Portanto, determinado partido só possa receber até meio por cento do limite de doação de cada empresa. Portanto, já haveria uma divisão maior.Além disso, se discute se nós faremos limite proporcional ao gasto de campanha ou se haverá um limite de valores fixados para gasto de campanha. Nós vamos avançar ainda no debate. Mas que haverá limite, com certeza, nós teremos um limite para cada campanha”, disse o senador Romero Jucá.

A Comissão da Reforma Política retoma a discussão do financiamento de campanhas na primeira semana de agosto.

Governo anuncia pagamento dos servidores estaduais para os dias 30 e 31 de julho

Índice

O Governo do Estado anunciou o pagamento dos servidores estaduais para os dias 30 e  31 de julho. Os aposentados e pensionistas receberão no dia 30 e, na sequência, os salários dos ativos serão depositados.