Daily Archives: 13/01/2015

Montanhas RN – Torneio Esportivo realizado no Bairro Boa Esperança denominado “ O BARBOSÃO” idealizado pelo Empresário Ramalho é sucesso de Público.

DSCF6670

Como há mais de 10 anos, já vem acontecendo tradicionalmente este evento no município de Montanhas, através do Empresário Ramalho Barbosa e sua Família, hoje é sucesso de público e alvo de grande expectativa pelos desportistas de nossa cidade.

Este ano de 2015 a premiação foi distribuída para as equipes vencedoras do 1º ao 4º lugares, totalizando um valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais) da seguinte forma:

             *  1º Lugar – 1.000,00 (hum mil reais) foto abaixo

             *  2º Lugar –    500,00 (quinhentos reais) foto abaixo

             *  3º Lugar –     300,00 (trezentos reais) foto abaixo

             *  4º Lugar –     200,00 (duzentos reais) foto abaixo

Este evento mostra a dedicação de Ramalho como empreendedor do esporte no município, haja vista, que no ano de 2014 não temos conhecimento de nenhum campeonato de futebol de campo realizado com os clubes que representam Montanhas no futebol englobando os times da zona urbano e da zona rural em nossa cidade, apenas temos ciência do torneio “ O BARBOSÃO” que tem como ponto de partida o mês de janeiro de cada ano.

Em conversa com dirigentes de clubes participantes, muitos afirmaram que ficaram satisfeitos por terem apresentados neste domingo, dia 11 de janeiro, seus times com igualdade de competição, sem custos abusivos e de fácil inscrição, isto ainda nos leva a crer que quando se tem interesse de fazer o melhor é possível se fazer este feito.

Montanha hoje está de parabéns, e todos nós agradecemos ao Empresário Ramalho pela atitude louvável, além da habilidade carinhosa de como tratou toda movimentação esportiva, sem esquecer-se da responsabilidade cultural que nos aponta para uma expectativa em 2016 de uma premiação coerente com o evento realizado nesta época do ano, dados importantes pelo fato do público que estive presente e que naturalmente foi agraciado com o melhor do futebol do município de Montanhas.

Atitudes assim faz com que cresçamos e possamos acreditar que tudo é possível. Parabéns a todos, aos que conquistaram a premiação e até o próximo torneio em 2016. Vamos conferir as fotos, que por sinal, não negam os fatos:

DSCF6615DSCF6616DSCF6619(1)DSCF6621DSCF6624DSCF6625DSCF6626DSCF6627DSCF6628DSCF6629DSCF6644DSCF6646DSCF6653DSCF6648DSCF6640DSCF6659DSCF6669DSCF6666DSCF6664DSCF6662DSCF6655

Greve da SEMTAS: Manhã desta terça-feira é marcada por Ato Público na Prefeitura

DSCN3601

Os servidores em Greve da Secretaria do Trabalho e Assistência Social (SEMTAS) realizaram na manhã desta terça-feira Ato Público na Prefeitura do Natal.

A categoria esteve reunida durante toda a manhã aguardando um posicionamento da Gestão com relação à pauta reivindicada.

Ao final da manhã, a Entidade foi comunicada de que a resposta seria dada por escrito às 18h do dia de hoje (13). Uma comissão foi designada para comparecer ao prédio da Prefeitura no horário indicado para receber a resposta, que será apresentada em Assembleia com a categoria nesta quarta-feira (14), às 9h da manhã, na sede da Entidade.

Unidos somos mais fortes!

Assessoria de Comunicação

GOVERNADOR ROBINSON FARIA BAIXA DECRETO ESTABELECENDO DIA 10 COMO PRAZO LIMITE PARA PAGAMENTO DOS SERVIDORES

dinheiro carteira

E por falar em salário, o governador Robinson Faria baixou, ontem (12), decreto que fixa no dia 10 do mês subsequente, o prazo limite para pagamento de salários de servidores. O artigo 1º do decreto nº 24.950, de 12 de janeiro de 2015, diz que “a implantação, em folha de pagamento, de vencimentos, gratificações ou vantagens, concedidas por decisão administrativa ou judicial, proventos e pensões, fica condicionada ao recebimento do correspondente processo administrativo, pela Coordenadoria de Folha de Pagamento (COPAG) da Secretaria de Estado da Administração e dos Recursos Humanos (SEARH), até o dia 10 de cada mês”.

CINQUENTA ANOS DEPOIS…

Completam-se 50 anos da mais acirrada disputa pela presidência da Câmara, que agora ameaça repetir-se. Naqueles idos, desfechado o golpe militar, era evidente a má vontade do presidente Castello Branco com o PSD, então o maior partido nacional, que apesar de agredido  com a cassação de Juscelino Kubitschek, acomodara-se e até apoiava o governo. Majoritário, o PSD tradicionalmente elegia os presidentes das duas casas do Congresso, até mantendo os mesmos personagens: Raniéri Mazzilli, na Câmara, e Auro de Moura Andrade, no Senado, novamente candidatos. A lei permitia  sucessivas reconduções, ambos estavam lançados e supostamente  reeleitos, apesar das  cassações que tinham atingido deputados de tendência esquerdista. O primeiro marechal-presidente entendeu chegada a hora de virar o jogo e pinçou um candidato na UDN, partido solidário ao regime: Bilac Pinto,  porta-voz das denúncias contra a  guerra revolucionária, expediente armado em Washington para justificar a perseguição a supostos comunistas. Tudo indicava a vitória de Mazzilli, mas o governo desencadeou intensa campanha em favor de Bilac, utilizando os expedientes de sempre, trocando favores por votos, inclusive no PSD.  E mais a sombra dos atos de  exceção e de arbítrio. O Congresso fervia, era a primeira vez que os militares seriam submetidos a votos.  Resultado:  ganhou  o candidato do palácio do Planalto, conseguindo  rachar o PSD e acabando com sua hegemonia.

Cinco décadas depois, repete-se a situação. O PMDB, que também apóia o governo,  é o maior partido e  tem um candidato considerado vencedor. Só que o marechal de saias instalado na presidência da República não gostou. Tem para Eduardo Cunha os mesmos sentimentos de desconfiança que Castello Branco tinha para Raniéri Mazzilli. Assim, mobilizou o PT, cada vez mais parecido com a extinta UDN. Está lançado Arlindo Chinaglia. Lá, como cá,  vale tudo. Mesmo sem atos institucionais, o governo começa a comprar votos prometendo favores e benesses.  Atingirá o PMDB como antes foi atingido o PSD: pressões, promessas, intimidações. Saberemos do resultado em fevereiro, mas a registrar está a evidência da mesma guerra sem quartel entre duas forças que  apóiam o governo.

O cidadão de segunda classe, que constrói mas não usufrui

Parceiro em Ministério dos Sonhos

O poeta e compositor baiano Lúcio Barbosa tornou-se conhecido, em 1979, quando sua música “Cidadão” foi gravada pelo cantor Zé Geraldo no LP “Terceiro mundo”, da CBS.

Segundo Lúcio Barbosa, a música “Cidadão” foi composta em homenagem ao seu tio Ulisses, e a letra narra a saga de um eu-lírico que trabalha como pedreiro, mas em razão da sua condição humilde, não pode frequentar nenhuma das obras por ele construídas. A inspiração veio do fato do tio também ser pedreiro, ter construído inúmeras obras na cidade grande, mas não possuir casa própria.

A música aborda o preconceito e a discriminação que os nordestinos sofrem nas grandes cidades e faz referência a alguns problemas sociais, tais como moradia, educação e trabalho. E o título “Cidadão” é proposital para demonstrar distanciamento entre os indivíduos privilegiados, em pleno gozo dos direitos civis e políticos, ou no desempenho de seus deveres para com o Estado, e demonstra que a sociedade pode ser muito cruel, quando não considera as pessoas pobres como “cidadãs”.

CIDADÃO
Lúcio Barbosa

Tá vendo aquele edifício moço
Ajudei a levantar
Foi um tempo de aflição, era quatro condução
Duas pra ir, duas pra voltar
Hoje depois dele pronto
Olho pra cima e fico tonto
Mas me vem um cidadão
E me diz desconfiado
“Tu tá aí admirado ou tá querendo roubar”
Meu domingo tá perdido, vou pra casa entristecido
Dá vontade de beber
E pra aumentar meu tédio
Eu nem posso olhar pro prédio que eu ajudei a fazer
Tá vendo aquele colégio moço
Eu também trabalhei lá
Lá eu quase me arrebento
Fiz a massa, pus cimento, ajudei a rebocar
Minha filha inocente vem pra mim toda contente
“Pai vou me matricular”
Mas me vem um cidadão:
“Criança de pé no chão aqui não pode estudar”
Essa dor doeu mais forte
Por que é que eu deixei o norte
Eu me pus a me dizer
Lá a seca castigava, mas o pouco que eu plantava
Tinha direito a comer
Tá vendo quela igreja moço, onde o padre diz amém
Pus o sino e o badalo, enchi minha mão de calo
Lá eu trabalhei também
Lá foi que valeu a pena, tem quermesse, tem novena
E o padre me deixa entrar
Foi lá que Cristo me disse:
“Rapaz deixe de tolice, não se deixe amendrontar
Fui eu quem criou a terra
Enchi o rio, fiz a serra, não deixei nada faltar
Hoje o homem criou asas e na maioria das casas
Eu também não posso entrar”

Site Poemas & Canções

Definidas datas dos jogos dos potiguares na Copa do Brasil

Frasqueirão-574x394

Por Edmo Sinedino – A Diretoria de Competições da CBF realizou nesta terça-feira sorteio dos confrontos válidos pela Primeira Fase da Copa do Brasil. Os 80 clubes foram divididos em dois grupos de 40 equipes. O critério para a divisão foi o Ranking Nacional de Clubes. Em duplas, eles foram subdivididos em quatro blocos com 10 em cada. Daí, bolinha a bolinha, eram definidas as posições de cada time no diagrama da tabela.

A primazia ficou com o Alecrim, debutante na competição, que enfrenta o Tupi/MG no dia 25 de fevereiro, primeira rodada da competição, no RN, estádio a definir. O jogo em Minas Gerais, na cidade de Juiz de Fora, será realizado no dia 19 de março.

Depois, no dia 5 de março, o ABC vai ao Rio de Janeiro enfrentar o Boavista. O jogo da volta, espero que não precise, acontecerá no Frasqueirão, em Natal, no dia 19 de março. O América só entra em campo na competição mais democrática do futebol brasileiro no dia 1º de abril, dia da mentira. O confronto com o co-irmão Globo será primeiro no Barrettão, em Ceará-Mirim. O jogo da volta, dia 16 de abril, no Arena das Dunas, em Natal.

Vale lembrar que os cinco times que jogam a Libertadores (São Paulo, Corinthians, Inter, Atlético-MG e Cruzeiro) só entram na quarta fase da Copa do Brasil, se unindo aos 10 times que avançarem e ao Fluminense, sexto colocado no Brasileirão.

UFRN abre concurso com remuneração de 16,3 mil reais para Professor

concurso-publico-pcd

Em abril de 2015 serão recebidas as inscrições do concurso 14/2014 da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), voltado ao provimento de quatro vagas de Professor Titular-livre. Os profissionais admitidos terão direito a remuneração de R$ 16.329,07, já incluso auxílio alimentação de R$ 373,00 e deverão atuar em jornadas semanais de 40h, em regime de Dedicação Exclusiva.

Só podem concorrer profissionais com doutorado, que tenham 10 anos de experiência, dentre outros requisitos, e que efetuem inscrição de 6 a 29 de abril de 2015 pelo link http://www.sigrh.ufrn.br, com taxa de R$ 220,00. No período de 1º a 26 de junho de 2015, provavelmente, serão aplicadas as provas escritas, oral, de memorial e projeto de atuação profissional e, por fim, prova de títulos. A vigência do certame é de um ano e pode ser estendida.

Ex-ministra Marta Suplicy envia à CGU documentos contra Juca

Auditorias da CGU apontaram problemas no uso de recursos do ministério pela Sociedade Amigos da Cinemateca (SAC).Brasília – A ex-ministra da Cultura Marta Suplicy (PT-SP) enviou à Controladoria-Geral da União (CGU) documentos sobre supostas irregularidades em parcerias de R$ 105 milhões, firmadas pela pasta na gestão de Juca Ferreira, com uma entidade que presta serviços à Cinemateca Brasileira – órgão vinculado ao ministério com sedeem São Paulo. O uso dessa verba está entre os “desmandos” que a petista alega terem sido cometidos pelo antecessor na Cultura, que reassume hoje o cargo.

Em entrevista publicada no domingo, 11, pelo jornal O Estado de S. Paulo, Marta chamou a administração de Juca de “muito ruim” e disse ter mandado ao órgão de controle interno do governo “tudo sobre irregularidades e desmandos” da primeira passagem dele pela Cultura.

Auditorias da CGU apontaram problemas no uso de recursos do ministério pela Sociedade Amigos da Cinemateca (SAC). A entidade atua como irmã siamesa da instituição, dando apoio aos projetos de preservação da produção audiovisual.

A SAC recebeu R$ 111 milhões do Ministério da Cultura entre 1995 e 2010. Desse total, 94% referem-se a um termo de parceria executado na gestão de Juca.

Um dos relatórios da CGU diz que a entidade foi contratada por escolha do ministério, sem consulta a outros interessados, e que projetos foram aprovados sem avaliação adequada dos custos.

Os auditores constataram que a SAC dispensava irregularmente licitações para compra de materiais e contratação de serviços.

Orçamentos para as compras eram genéricos, diz o relatório, não permitindo comparação com preços praticados no mercado e, em consequência, a avaliação de eventual superfaturamento.

O relatório mostra também que a entidade cobrava uma taxa para cobrir suas despesas com a administração dos projetos. Para a CGU, que determinou o ressarcimento, não foi devidamente demonstrada a composição dessa cobrança, que seria irregular. Para atividades de R$ 49 milhões, a taxa era de R$ 2,6 milhões.

Houve favorecimento de funcionários da Cinemateca na execução dos projetos, segundo o relatório. A auditoria diz que o dono de uma empresa contratada pela SAC para coordenar atividades era servidor do órgão vinculado à Cultura.

Segundo a CGU, a SAC não apresentou prestação de contas de despesas e o ministério não tomou providências. “Não houve apresentação, por parte do parceiro, de demonstração dos gastos e receitas executados nas ações pactuadas.”

As constatações da CGU já haviam sido fonte de crise no ministério. Em 2012, após tomar conhecimento do conteúdo do relatório, Marta demitiu a então secretária de Audiovisual, Ana Paula Santana, e outros dirigentes da área sob o argumento de que perdera a confiança na equipe.

Ana Paula foi diretora de Programas e Projetos Audiovisuais na gestão de Juca. Em fevereiro de 2011, na gestão de Ana de Hollanda, ascendeu ao comando da secretaria.

Também é atribuída aos problemas apontados pela CGU a exoneração do ex-diretor executivo da Cinemateca, Carlos Magalhães, em 2013.

Defesa

Procurado, Juca Ferreira informou que não se pronunciaria. A reportagem não localizou ontem dirigentes da Cinemateca e da SAC. Nos relatórios da CGU, o ministério refuta irregularidades.

Num dos trechos, diz que a entidade tem ações de compliance e auditoria interna e que seu balanço contábil e financeiro é apresentado anualmente ao Ministério da Justiça. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Portal Exame