Daily Archives: 17/10/2014

Rosalba nomeará diretor estratégico que próximo governador não poderá demitir

Diretor da Agência Reguladora de Serviços Público do Rio Grande do Norte (Arsep) ganha direito a aposentadoria. O cargo é exercido em mandato de quatro anos. Caberá a Rosalba escolher o titular da agência que regula o setor elétrico do RN.


Por Dinarte Assunção

Governadora deverá escolher próximo diretor da Arsep
Governadora deverá escolher próximo diretor da Arsep

No apagar das luzes de sua gestão, a governadora Rosalba Ciarlini terá direito ainda a fazer uma importante nomeação. A chefe do Executivo deverá nos próximos dias escolher o novo diretor da Agência Reguladora de Serviços Público do Rio Grande do Norte (Arsep) depois que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram que o atual chefe da autarquia estadual, Luiz Eduardo Bezerra de Farias, tem direito à aposentadoria por invalidez. A decisão foi publicada na edição de quarta-feira (15) do Diário de Justiça.

Apesar de passar despercebida pelo noticiário, a Arsep detém um poder amplo, especialmente sobre o setor elétrico. Essa influência foi ampliada ainda mais depois que o Estado passou a abrigar parques de energia eólica. A importância do cargo também ganha relevância porque o próximo governador não poderá destituir o novo diretor, que tem direito a mandato de quatro anos.

Entre as atribuições do órgão estão o poder de decidir, como instância administrativa definitiva, sobre os pedidos de revisão de tarifas de serviços públicos concedidos, permitidos ou autorizados.

No caso do setor elétrico, a agência tem o poder de influenciar a composição de preços tarifários já que a Agência Nacional de Energia Elétrica celebrou convênio descentralizando para a Arsep seus poderes para fiscalizar o cumprimento de normor que instituir e aplicar sanções por descumprimento, como foi observado em agosto deste ano, quando a empresa BrasVento foi multada em R$ 652.631,40 por irregularidades detectadas pela agência em parques eólicos.

Aposentadoria

O atual diretor, Luiz Eduardo Bezerra, vinha travando na Justiça o direito a se aposentar por invalidez, já que ele sofre de problemas cardíacos. Uma junta médica atestou a necessidade de Bezerra se aposentar, foi quando ele começou a travar na Justiça uma batalha contra o Instituto de Previdência dos Servidores Estaduais (Ipern), o qual queria negar o pagamento.

Segundo os autos do processo, a negativa do Ipern foi baseada no argumento de que Bezerra exerce cargo comissionado, devendo, portanto, ser enquadrado no regime geral da previdência. Mas a contribuição previdenciária do servidor, conforme se lê no documento, foi recolhida ao Ipern, razão pela a Justiça não reconheceu os argumentos do instituto local de previdência. O Ipern foi ao STF, que manteve o decidido pelo judiciário potiguar.

Michel Teló e Thais Fersoza se casam em cerimônia íntima

Michel Teló e Thais Fersoza se casam em cerimônia íntima

Foto: Reprodução / Instagram

Michel Teló e Thais Fersoza se casaram, nesta terça-feira (14), em uma cerimônia reservada na casa dos dois. De acordo com o registo de casamento realizado no Cartório de Santo Amaro, em São Paulo, a atriz adotou o sobrenome do cantor: Thais Cristina dos Santos Teló. “Houve sim o casamento. Mas foi bem íntimo, só a família dos dois compareceu”, confirmou a assessora de Teló ao site EGO.

Os dois sugeriram, em suas redes sociais que algo importante estava acontecendo. “Feliz! Muito feliz!!! Obrigada por tudo, meu Deus! E por cada segundo me fazer sentir seu amor! Hoje já foi especial e amanhã será ainda mais! Que alegria! Amor que não cabe dentro de mim! Coração batendo acelerado e em paz.. E que venha 14/10/14. Boa noite… Sweet dreams”, escreveu ela no Instagram. Na manhã de quarta, o cantor publicou: “Que o Espírito Santo de Deus esteja sempre presente em nossa vida! Muito amor!”.

Pesquisas: confiar desconfiando

Carlos Chagas

Com todo o respeito e as devidas escusas, mas é melhor seguir os conselhos de Floriano Peixoto e “confiar desconfiando”. Fala-se do resultado das duas recentes pesquisas sobre o segundo turno das eleições, apresentado pelo Ibope e a Datafolha. Tem-se a impressão de que os dois institutos não quiseram comprometer-se nem correr riscos, evitando repetir o vexame do primeiro turno.

Nada melhor para escapulir de outra arapuca do que concluir pelo empate técnico e empurrar com a barriga a hipótese de novos erros. Assim, os números coincidiram milimetricamente: 51 a 49. Caso as urnas falem outra linguagem, pelo menos até a eleição os institutos estarão preservados. Claro que a disputa pode estar mesmo empatada, mas se não estiver, só saberemos dia 26. Mesmo nessa hipótese, sempre haverá a desculpa de que o eleitorado só se decidiu na hora extrema ou de que o povo mudou. Não serão deixados, porém, rastros de outros erros.

A verdade é que pesquisa é pesquisa. Não ganha eleição. Ainda mais quando fica impossível esquecer as lambanças do primeiro turno, que não vale à pena lembrar, no mínimo por uma questão de caridade. De qualquer forma, estamos vivendo o fim do ciclo da ditadura dos institutos. Menos porque eles faturaram dezenas de milhões de reais, até agora, mais porque sempre será uma temeridade atribuir a cinco ou dez mil consultados a opção de 143 milhões. Para as próximas eleições, será preciso reformular métodos e meios de aferição da vontade popular. Por enquanto, só temos os atuais institutos para tentar vislumbrar o futuro. Devemos considerar seus números, na falta de outros instrumentos, mas sabendo que a verdadeira pesquisa verifica-se apenas no dia da eleição. Ninguém garante que Dilma ou Aécio não estejam desde já com percentuais muito maiores do que os divulgados. Só saberemos daqui a dez dias.

APENAS UM BLOCO DE MÁRMORE

Vamos imaginar um bloco de mármore, daqueles bem grandes que são tirados das jazidas e levados para uma oficina. Será apenas um bloco de mármore antes que o escultor comece a manobrar martelo, formão e cinzel. De lá poderá sair o David, se Michelangelo estiver por perto, ou a Venus de Milo, no caso de Fídias. Por enquanto sem forma alguma, mas quem negará que aquelas duas maravilhas da escultura universal já não estavam lá dentro do bloco de mármore, à espera de quem as revelasse? Ou, em se tratando de aprendizes incompetentes, que nada sairá senão pedaços informes da pedra?

Assim também a sucessão presidencial. São tantas as promessas de Dilma e de Aécio, mas ambos ainda estão diante de um bloco de mármore, no caso, o Brasil. Caberá ao vencedor dar forma real aos seus discursos, mas estarão eles inspirados por Fídias ou Michelangelo?

Papa Francisco aprofunda a reforma de João XXIII

 Pedro do Coutto

O papa Francisco, em sua passagem pelo Vaticano, marcará sua presença na história da Cátedra de São Pedro, como aquele que, no século 21, 55 anos depois da Encíclica Mater et Magistra, aprofundou firmemente o sentido de reforma, para adaptação aos tempos que passam, lançada pelo seu antecessor há 55 anos. João XXIII representou, com seu texto de 1050, a ruptura com o princípio de que o ser humano somente se realizava quando de sua passagem para a eternidade. No Céu portanto.

O cardeal de Veneza que sucedeu Pio XII, um conservador, alterou a colocação. Na Mãe e Mestra, resultado da tradução latina, afirmou que os seres humanos devem se realizar tanto na Terra como no Céu. Colocou assim em pé de igualdade a vida material com a existência celestial, que flutua na mente de todos nós. Para a realização terrena, colocou como marco decisivo a questão da justiça social.

Passado pouco mais de meio século, cabe ao Santo Padre Francisco aprofundar o processo de reforma, na medida em que no Sínodo extraordinário que se realiza em Roma, a ruptura estética atinge a questão sexual, abafada durante milênios e que agora veio à tona com intensidade incomum. O documento preliminar do encontro – reportagem de Reinaldo José Lopes, Folha de São Paulo de 14 – destacou o tema, deslocando-o para a parte mais problemática, a que se refere diretamente às pessoas homossexuais e bissexuais, de ambos os sexos.

HOMOSSEXUAIS

“As pessoas homossexuais – acentua o documento preliminar – têm dons e qualidades que podem oferecer à comunidade cristã; é preciso acolhê-las aceitando e valorizando sua orientação sexual.” Como era fácil prever (matéria da FSP de quarta 15), cardeais conservadores reagiram negativamente ao texto inicial e vão tentar reformá-lo, o que parece possui diversos aspectos. O mais forte, por contradição menos destacado pelo noticiário internacional, é a consequente ultrapassagem da barreira da Igreja Católica quanto ao sexo.

Este, até esta semana, somente era formalmente admitido, após o matrimônio. A partir de agora, não. Pois no momento em que o sínodo de 2014 recomenda inicialmente acolher os homossexuais, de forma indireta, porém automática, libere a prática de sexo independentemente do vínculo civil e religioso. Um degrau conduz a outro. O documento altera o patamar em que o Vaticano se coloca diante da questão contida num dogma que se alongou milhares de anos através da história. Da história não só da religião católica, mas da própria história universal, sobretudo na medida em que os temas religiosos incorporaram-se em larga escala ao próprio processo humano. Sendo que, sob o ângulo feminino, foi traduzido como fator (falso) simbolizando a pureza e não à natureza do comportamento normal.

Isso de um lado. De outro, o acolhimento religioso aos homossexuais significa um passo adiante em matéria de realismo, uma vez que é enorme a contribuição dos homossexuais ao processo da arte. Não se deve afirmar que, sem preconceito algum, a arte não teria alcançado o ponto que alcançou não fosse a presença, nos seus diversos capítulos e setores, a presença e a contribuição dos homossexuais.

Na música, no ballet, na pintura, na escultura, teatro, cinema, literatura, e outros. Presença tão grande e tão extraordinária que dispensa a citação de nomes, principalmente para não se correr o risco de omissões graves. Com o documento, sob inspiração do reformista Francisco, houve tanto uma ultrapassagem quanto uma ruptura dogmática. Das maiores, por sinal, das que marcaram (e marcam) a história da religião católica no mundo.

Publicidade com seios causa 517 acidentes de carro em Moscou

Uma campanha publicitária ‘inovadora’ em caminhões de Moscou, na Rússia, deu muito prejuízo para mais de 500 pessoas da cidade. Isso porque a propaganda traz enormes peitos femininos, que causaram distração aos motoristas. As informações são do Daily Mail.

Um total de 517 acidentes foram reportados por toda a cidade em apenas um dia de campanha e a agência foi responsabilizada, tendo de pagar pelos danos causados. A polícia de Moscou proibiu o trânsito dos caminhões que carregavam a imagem enquanto não retirassem a foto “distrativa” das caçambas.

“Eu estava a caminho do meu trabalho quando um carro atrás de mim se distraiu olhando a propaganda e bateu na minha traseira. No fim, me atrasei para o serviço e ainda não tive minha recompensa paga”, disse Ildar Yuriev, 35 anos, uma das vítimas dos acidentes.

Os motoristas bombardearam a agência de publicidade de reclamações. Um porta-voz disse que a Sarafan Advertising Agency, que organizou a promoção publicitária, planejou o formato de marketing nos caminhões para encorajar as empresas a investir em propaganda móvel. “Nós queríamos chamar atenção para este formato com essa campanha”, explicou.

O porta-voz também disse que em todos os acidentes, os donos dos veículos tiveram os custos cobertos pela empresa quando não foram recompensados pela seguradora.

Fonte: Com informações do Terra Notícias

Tomba Farias afirma que Robinson nunca conseguiu nem um poste para o Trairi

unnamed
“Henrique trabalha enquanto Robinson o que tem para apresentar? Nada”. Esta constatação foi do deputado estadual reeleito, Tomba Farias (PSB), na noite desta quarta-feira (15), em Santa Cruz, onde ocorreu comício regional promovido pela coligação União pela Mudança do candidato ao Governo do Estado, Henrique Eduardo Alves (PMDB). Para o deputado, o eleitor não precisa ter dúvida em quem votar no dia 26 de outubro, defendendo o nome de Henrique como o mais indicado para administrar o estado. Tomba garantiu ao candidato do PMDB sua vitória em todas as cidades da região do Triari neste segundo turno.

“Comprovadamente todo o RN conhece a diferença entre os candidatos. Primeiro que Henrique trabalha. À frente da Câmara dos Deputados aprovou projetos que ajudam a melhorar a vida das pessoas no Brasil. Aqui em Santa Cruz, ele tem R$ 6 milhões em emendas e o outro candidato o que é que tem? O outro candidato passou 28 anos como deputado e não colocou  nenhum poste nesta cidade. Este palanque construiu o Rio Grande do Norte e o outro lado fez o que? Nada. Henrique deu muito pelo Trairi e nós vamos dar a vitória a ele em todas as cidades da região”, afirmou Tomba.

O comício em Santa Cruz contou com a presença do candidato Henrique Alves, o vice João Maia (PR), o ministro Garibaldi Alves Filho (PMDB), dos deputados estaduais Ricardo Motta (PROS), Tomba (PSB) e Álvaro Dias (PMDB) e do deputado federal Rafael Motta (PROS). Além desses, estiveram prefeitos e lideranças políticas dos municípios de São Bento do Trairi, Sítio Novo, Lajes Pintada, Tangará, Campo Redondo, Jaçanã, Coronel Ezequiel, Serra Caiada e Japi.

A concentração para o evento reuniu milhares de pessoas da região do Trairi, as quais seguiram Henrique e seus aliados em caminhada pelas ruas da cidade. Repetindo o gesto de outras cidades por onde a “Caravana 15″ passou, Henrique Alves fez questão de descer do carro de apoio e fazer boa parte do percurso a pé, mantendo contato direto com o eleitor, até o largo da paróquia Santa Rita de Cássia, onde ocorreu o comício.

A prefeita de Santa Cruz, Fernanda Costa (PMDB) também assumiu o compromisso com o candidato ao Governo do Estado de ir em busca de todos os votos, seja daquele eleitor indeciso ou que votou em seu adversário. “A nossa missão é esclarecer o eleitor sobre a importância de termos Henrique como governador deste estado. Ele já mostrou sua competência como presidente da Câmara. Ele abriu portas a todos os prefeitos do RN, porque ele é coerente e preparado politicamente. Quero aqui fazer um pacto, há dez dias das eleições, vamos às ruas procurar o eleitor e fazer ecoar a palavra de Henrique nos quatro cantos do Trairi. No dia 26 quem sairá vitorioso é o povo do Rio Grande do Norte fazendo Henrique governador do estado”, disse.


Em seu discurso para milhares de pessoas, Henrique apresentou propostas ao fazer um relato da atual situação administrativa do estado. “O importante é que o povo sabe a situação quase ingovernável que se encontra o estado. Durante muitos anos, nem Garibaldi, nem Wilma e nem a atual governadora, nenhum deles recebeu o estado com eu vou receber no dia 1º de janeiro. As finanças fragilizadas, o orçamento comprometido e a capacidade de investir reduzida a 2%. Então, como resolver este estado? Quem promete resolver apenas com o orçamento do estado é para não cumprir. E governador que ficar sozinho, isolado, choramingando, dizendo que o estado está quebrado, não vai resolver. Vai agravar. Sempre atendi todos os municípios do meu estado e todos os governos. Agora não vou ser mais essa articulação nem esse meio de campo. Serei atacante para marcar a favor do RN”, afirmou.