Psicólogo diz que ‘choradeira’ da seleção poderia ser evitada com trabalho profissional

Psicólogo diz que ‘choradeira’ da seleção poderia ser evitada com trabalho profissional

Foto: Reprodução/AFP

A condição emocional da seleção brasileira tem chamado à atenção não só da torcida. Mesmo eficiente até aqui, o time de Felipão pode ser prejudicado pelas cenas de fragilidade demonstradas nos rostos dos atletas. “Pode chorar, é uma forma de extravasar a emoção. Mas, antes de um momento importante e decisivo, ver o goleiro e o capitão chorando, e o treinador, em vez de acalmar e motivar, ficar na beira do campo reclamando da arbitragem e xingando adversários demonstram uma falta de controle emocional das mais perigosas”, disse João Ricardo Cozac, psicólogo do esporte e presidente da Associação Paulista da Psicologia do Esporte. Segundo Cozac, o trabalho da psicóloga Regina Brandão, que trabalha com Luís Felipe Scolari há anos, deveria ser mais extenso e focado. “O Felipão achar que representa a Regina na Seleção está furado, ninguém tem que representá-la a não ser ela mesma. Ele aceita a psicologia até certo ponto, e esse ponto é muito, muito, muito limitado, 20% do que a psicologia pode oferecer. Os outros 80% o Felipão não conhece ou não aceita”, analisou em entrevista ao Terra. Ele considera que a psicóloga deveria ter maior participação em vez de palestras com ex-jogadores “baseadas só no senso comum”, como tem ocorrido. De acordo com o psicólogo, o trabalho feito na seleção não foi mais do que um teste conhecido como POMS (Perfil dos Estados de Humor). “É um inventário sem validação científica criado nos anos 1970 em um hospital psiquiátrico nos Estados Unidos e adaptado para a língua portuguesa em uma tradução superficial, muito falha, para fazer um mapeamento e ver se há a tendência de cansaço emocional, tensão, depressão…”, explicou.

Dever de casa

Ainda segundo Cozac, esse trabalho psicológico mais profissional deveria ser feito desde o momento em que o país foi escolhido para sediar o torneio. “Quando o (presidente da Fifa, Joseph) Blatter abriu o envelope e saiu o Brasil como país-sede da Copa, tinha que ser iniciado um trabalho psicológico ao lado da medicina e da preparação física junto com o treinador, fosse ele Mano Menezes, Felipão, Muricy Ramalho, Dunga… Um departamento de psicologia deveria manter contato com todos que foram convocados desde esse período”, opinou. Para ele, esse trabalho seria integrado por psicólogos, médicos e preparadores físicos para “se conceber o atleta de forma integral, mente e corpo”. No caso da reação do capitão brasileiro, Thiago Silva, que não participou da corrente de jogadores e evitou bater as penalidades iniciais, o especialista diz que os métodos de escolha desse capitão também deveriam ser outros. “A psicologia deveria ajudar a achar o capitão. Preferiram encontrar o Thiago Silva. Quando a Seleção mais precisou dele para chegar entre os jogadores, conversar e dar força, estava sozinho, sentado na bola, chorando e sendo acalmado pelo Paulinho, que estava na reserva. Ou seja, já existe um erro na escolha do capitão”, definiu.

Posted on 01/07/2014, in Brasil, Curiosidade, Esporte, Reflexão. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: