Daily Archives: 26/11/2013

UERN faz mostra de cursos com vagas abertas para 2014 em Natal

imagesA Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN) abrirá as portas do seu campus em Natal, nesta quarta-feira (27), para apresentar a estudantes os cursos que estão com processo seletivo aberto para o ano de 2014. O vestibular da instituição segue com inscrições para 2.180 vagas até a próxima sexta-feira (6). Os interessados podem ter mais informações pelo site da UERN (AQUI).

O evento ‘Um dia no Campus’ é realizado pela primeira vez e tem o objetivo de apresentar os cursos da universidade a estudantes da 3ª série do ensino médio de 11 escolas públicas da zona Norte da capital potiguar. A mostra é aberta à comunidade e pode ser visitada por todos os estudantes interessados.

Alunos e professores de Direito, Turismo, Ciência da Computação, Ciência da Religião e Ciência e Tecnologia apresentarão aos vestibulandos e à comunidade em geral um perfil de cada curso e dos profissionais por eles formados.

De acordo com a universidade, o evento é uma iniciativa da direção do Campus de Natal e conta com a parceria da Secretaria Estadual de Educação, que vai ceder os ônibus para o transporte dos estudantes das escolas até o Complexo Cultural de Natal, onde serão montados os stands de cada curso.

O processo seletivo da UERN oferece 2.180 vagas em cursos de graduação nos municípios de Mossoró, Natal, Assu, Pau dos Ferros, Patu e Caicó.

Em severa crítica à Igreja, papa apresenta maior reforma do Vaticano em meio século

Jorge Bergoglio lança um projeto de “conversão do papado”, propõe a “descentralização” da Igreja e apresenta o plano da maior reforma feita no Vaticano em pelo menos meio século. No primeiro documento de seu próprio punho apresentado hoje, o papa Francisco explica em mais de 200 páginas seu projeto para o futuro da Igreja, lançando duros ataques contra sacerdotes e denunciando a guerra pelo poder dentro dos muros da Santa Sé.

“Desejo dirigir-me aos fiéis cristãos para convidá-los a uma nova etapa de evangelização marcada por esta alegria e indica direções para o caminho da Igreja nos próximos anos”, escreveu em sua Exortação Apostólica publicada hoje, o Evangelii Gaudium do Santo Padre Francisco aos Bispos, Presbíteros, Diáconos às pessoas consagradas e aos fiéis laicos sobre o Anúncio do Evangelho no Mundo Atual. “É uma nova evangelização no mundo de hoje, insistindo nos aspectos positivos e otimismo”, explicou o cardeal Rino Fisichella, presidente do Conselho Pontifical para a Nova Evangelização e que admite que o papa é “franco”. “O centro é o amor”, insistiu. “Sem isso, a Igreja é um castelo de cartas  e isso é o nosso maior perigo”, declarou.

Em seu texto, Francisco apela à Igreja a “recuperar a frescor original do Evangelho”, mas encontrando “novas formas” e “métodos criativos”. “Precisamos de uma conversão pastoral e missionária, que não pode deixar as coisas como elas são.”

Uma parte central de seu trabalho será o de “reformar as estruturas eclesiais” para que “todas se tornem mais missionárias”.

O recado é claro: promover uma “saudável descentralização” na Igreja, num gesto inédito vindo justamente da pessoa que representou por séculos a centralização da instituição e sempre lutou contra repartir poderes. A esperança é de que as conferencias episcopais possam contribuir para “o sentido de colegialidade”.

A descentralização apontaria até mesmo para a abertura de espaços para diferentes formas de praticar o catolicismo. “O cristianismo não dispõe de um único modelo cultural e o rosto da Igreja é multiforme”, escreveu. “Não podemos esperar que todos os povos, para expressar a fé cristã, tenham de imitar as modalidades adotadas pelos povos europeus num determinado momento da história”. Para o papa, teólogos precisam ter em mente “a finalidade evangelizadora da Igreja”.

Nem o próprio papa estaria isento da reforma. Sua meta é a de promover uma “conversão do papado para que seja mais fiel ao significado que Jesus Cristo lhe quis dar e às necessidades atuais da evangelização”.

A burocracia e a aristocracia da Santa Sé também precisa ser revista. “Nesta renovação não se deve ter medo de rever costumes da Igreja não diretamente ligados ao núcleo do Evangelho, alguns dos mais profundamente enraizados ao longo da história”.

Bergoglio insiste que prefere “uma igreja ferida e suja por ter saído às estradas, em vez de uma igreja preocupada em ser o centro e que acaba prisioneiras num emaranhado de obsessões e procedimentos”.

Abertura – Um dos pontos centrais é ainda a abertura da Igreja aos fiéis. “Precisamos de igrejas com as portas abertas” para evitar que aqueles que estão em busca de Deus encontrem “a frieza de uma porta fechada”. “Nem mesmo as portas dos Sacramentos se deveriam fechar por qualquer motivo”, escreveu.

A escolha dos fiéis que deveriam comungar também é atacado pelo papa. “A Eucaristia não é um prêmio para os perfeitos, mas um generoso remédio e um alimento para os fracos”, alertou.

Poder – O documento ainda lança severas críticas a padres e sacerdotes. O papa pede que se evite as “tentações” do individualismo e alerta que “a maior ameaça é o pragmatismo incolor da vida cotidiana da Igreja, quando na realidade a fé se vai desgastando”.

Pedindo uma “revolução de ternura”, o papa critica “aqueles (religiosos) que se sentem superior aos outros” e que apenas fazer obras de caridade não seria o suficiente. O papa também ataca os sacerdotes que “em vez de evangelizar, classificam os outros”, adotando um “certo estilo católico próprio do passado”.

Bergoglio também ataca os religiosos que tem “um cuidado ostensivo da liturgia, da doutrina e do prestígio da Igreja, mas sem que se preocupem com a inserção real do Evangelho” às necessidades das populações. “Esta é uma tremenda corrupção com a aparência de bem. Deus nos livre de uma igreja mundana sob cortinas espirituais ou pastorais.”

As batalhas por poder dentro do Vaticano também são alvos de ataques do papa contra a Igreja. Ele apela para que as comunidades eclesiais “não caiam nas invejas e ciúmes”. “Dentro do povo de Deus, quantas guerras”, lamenta o argentino. “A quem queremos evangelizar com estes comportamentos?”, atacou, indicando um “excesso de clericalismo”.

O papa ataca o “elitismo narcisista” entre os cardeais. “O que queremos? Generais de exércitos derrotados? Ou simplesmente soldados de um esquadrão que continua batalhando?”, questionou.

Até mesmo as homilias (sermão feito nas missas) são alvos de ataque do papa. “São muitas as reclamações em relação a este importante ministério e não podemos fechar os ouvidos.” Bergoglio insiste que ela não deve ser nem uma conferência e nem uma aula. “Temos de evitar uma pregação puramente moralista”.

Um ataque especial vai também aos religiosos que não se preparam devidamente para as missas. “Um pregador que não se prepara não é espiritual, é desonesto e irresponsável”, escreveu. Quanto às confissões, o argentino é ainda mais duro: “não se trata de uma câmara de tortura”.

Mulher – O papa volta a defender um maior papel da mulher dentro da Igreja. “Ainda há necessidade de se ampliar o espaço para uma presença feminina mais incisiva na Igreja, nos diferentes lugares onde são tomadas decisões importantes”, defendeu. “As reivindicações dos direitos legítimos das mulheres não se podem sobrevoar superficialmente”, apontou.

Bergoglio deixa claro a posição da Igreja contrária ao aborto. “Entre os fracos que a Igreja quer cuidar estão as crianças em gestação, que são as mais indefesas e inocentes de todos, às quais hoje se quer negar a dignidade humana”, escreveu.

“Não se deve esperar que a Igreja mude a sua posição sobre essa questão. Não é progressista fingir resolver os problemas eliminando uma vida humana”, declarou.

Economiae política – Bergoglio ainda destina uma parte importante de seu texto à situação mundial e não deixa de atacar o modelo econômico que prevalece. “O atual sistema econômico é injusto pela raiz”, declarou. “Esta economia mata porque prevalece a lei do mais forte”.

“Os excluídos não são explorados, mas lixo, sobras”, atacou. “Vivemos uma nova tiraria invisível, por vezes virtual, de um mercado divinizado onde reinam a especulação financeira, corrupção ramificada, evasão fiscal egoísta”. O dinheiro, segundo ele, deve servir, e não dominar.

Para ele, esse modelo estaria promovendo uma “crise cultural profunda” nas famílias. “O individualismo pós-moderno e globalizado promove um estilo de vida que perverte os vínculos familiares”, alertou.

O papa ainda apela para que a Igreja não tenha medo de se envolver nos debates políticos e que faça parte da luta por influenciar grupos políticos para garantir maior justiça social. Para ele, os pastores tem “o direito de emitir opiniões sobre tudo o que se relaciona com a vida das pessoas”, escreveu. “Ninguém pode exigir de nos que releguemos a religião à secreta intimidade das pessoas”, declarou.

Sua luta contra a pobreza também fica claro no documento. “Até que não se resolvam radicalmente os problemas dos pobres, não se resolverão os problemas do mundo”, declarou, fazendo um apelo aos políticos. Em seu documento, ele volta a defender os “mais fracos”, os “sem-teto, os dependentes de drogas, os refugiados” e apela a países que promovam uma “abertura generosa” aos imigrantes. Para ele, existem “muitos cúmplices” nesses crimes.

O argentino, porém, não deixa de apelar “humildemente” aos países muçulmanos que garantam a liberdade religiosa para os cristãos, “tendo em conta a liberdade de que gozam os crentes do Islã nos países ocidentais”. “Uma adequada interpretação do Corão se opõe a toda a violência”, defendeu. Bergoglio, porém, insiste na necessidade de fortalecer o diálogo e a aliança entre crentes e não-crentes.

Apesar dos desafios, o papa insiste que os fiéis não devem desistir. “Se eu conseguir ajuda pelo menos uma única pessoa a viver melhor, isto já é suficiente para justificar o dom da minha vida”, concluiu.

MSN

Mesmo “inelegível” e sem nenhum apoio Rosalba Ciarlini diz que vai tentar a reeleição

De ontem pra hoje tenho visto na imprensa potiguar que a governadora Rosalba Ciarlini – DEM, será candidata a reeleição.

Tem direito, mesmo apesar dos números das pesquisas lhes serem desfavoráveis, além da debandada de um monte de aliados, dessa “dor de cabeça” que todo mundo fala que é uma gestão pública, poucos querem jogar tudo para o alto e ir pra casa descansar.

Agora, noves fora o acima citado a pergunta é:

E a poucos dias a mesma imprensa potiguar num alardeava que a governadora Rosalba Ciarlini estava inelegível?

Veja aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui a respeito disso.

Se ela está inelegível como poderia concorrer?

E se não está inelegível por que se fala a respeito disso?

Com Blog do João Moacir

Chefe de Cartório Eleitoral é afastado pela Justiça por favorecer grupo político

Juiz Osvaldo Candido Lima Junior e João Milton
Foto: Flansklim Leite
 

Saiu no diário oficial do TRE/RN a decisão liminar de afastamento do chefe do cartório eleitoral de Pau dos Ferros o senhor JOÃO MILTON CHAVES JOCA.

Segundo a decisão do desembargador João Rebouças, o serventuário do cartório eleitoral de Pau dos Ferros, João Milton vinha agindo com CONDUTA PARCIAL E TENDENCIOSA em alguns processos na 40ª Zona eleitoral de Pau dos Ferros. 

 

Decisão do Des. João Rebouças

Ante todo o expendido, em sede de análise preliminar, pelas provas documentais trazidas com a exordial, entendo suficientemente caracterizados os indícios capazes de, nesse momento, preencherem tanto o fumus boni iuris, quanto o periculum in mora, pelo que, DEFIRO PARCIALMENTE O PEDIDO LIMINAR formulado às fls. 07/08, no sentido de determinar, liminar e temporariamente, o afastamento do servidor João Milton Chaves Joca da função de confiança FC-01 – Chefe de Cartório Eleitoral na 40ª Zona Eleitoral, bem como abstenha-se de praticar qualquer ato por delegação nos processos que envolvam Antônia Gildene Costa Barreto, João Raulino Sobrinho, Genisa Raulino, Ângela Raquel de Sousa Raulino, Divanaldo Carvalho de Oliveira Júnior, bem como quaisquer dos feitos que envolvam as coligações ou partidos aos quais os aludidos concorreram nas eleições passadas, pelos suficientes motivos esposados ao longo desta decisão.

Clique aqui para ver toda a decisão do desembargador João Rebouças.

 

Deputada Fátima diz que PT parou no tempo e não está crescendo no RN

Deputada Fátima Bezerra(foto:Alberto Leandro)

Chapa majoritária ou a busca de aliados? Engana-se quem pensa que essa é a questão responsável pela divisão atual do Partido dos Trabalhadores no Rio Grande do Norte que, depois de mais de duas semanas, ainda não encerrou o processo de eleição direta para o Diretório Estadual. Segundo a deputada federal petista Fátima Bezerra, o principal motivo para a oposição continuar pleiteando assumir a gestão da sigla no Estado é o fato do PT não ter “crescido conforme o esperado” nos últimos anos.

“O grupo que aí está à frente do PT tem a hegemonia ao longo desses 12 anos e, infelizmente, o resultado do PT no Rio Grande do Norte do ponto de vista de crescimento não é aquilo que a gente deseja”, criticou Fátima, que apoia o candidato de “oposição” Olavo Ataíde para a presidente do PT no Estado, contra a candidatura do atual presidente, Eraldo Paiva – nome apoiado por Fernando Mineiro, deputado estadual que também é considerado uma das lideranças da sigla no território potiguar.

Para fundamentar o que diz, a petista voltou a 2002, quando o partido elegeu dois deputados estaduais e, pela primeira vez, um parlamentar federal – a própria Fátima. “O problema é que, de lá para cá, o PT, infelizmente, parou. E não pode continuar resumido a ter uma cadeira na Assembleia e uma cadeira na Câmara Federal”, criticou.

Portalnoar.com

Por que a população brasileira passou a amar os médicos cubanos?

Bastante hostilizados por boa parte da classe médica brasileira quando chegaram ao País, médicos cubanos encantam a população e revelam que têm muito a ensinar

médico cubano feira de santana
População exigiu a volta de Isoel Goméz Molina, médico cubano afastado em Feira de Santana (reprodução)

Os médicos brasileiros aprenderam uma coisa rapidamente com a chegada de seus colegas – ou rivais, segundo a visão dominante entre eles – cubano: são detestados.

Exagerei?

Então vou colocar a coisa de forma mais branda: não são amados. Especificamente entre os brasileiros desvalidos, esta é uma verdade doída que nem os médicos brasileiros podem contestar sem enrubescer.

O episódio de Feira Santana é particularmente revelador. A força do tema é tanta que Feira de Santana, pela primeira vez em muitos anos, virou assunto nacional.

Um médico cubano (foto acima) teria escrito no papel uma dose errada para uma criança com febre. Na consulta em si, segundo a mãe da criança, o médico explicou tudo com clareza e acerto.

Alguém teve acesso à receita e a usou para denunciar o cubano. Ele foi afastado.

E isso gerou uma revolta entre as pessoas, as humildes pessoas, que tinham sido atendidas pelo cubano.

A primeira da lista da revolta era a própria mãe do garoto. Ela se mobilizou pela reintegração do cubano. Em sua simplicidade, disse o que todos sabemos: os cubanos tratam seus pacientes com carinho e atenção, enquanto os brasileiros, retiradas como de hábito as exceções, sequer os olham.

De certa forma, os mal-amados médicos brasileiros são vítimas. Eles foram e são educados num sistema mercantil em que a saúde é uma mercadoria com finalidades estritamente lucrativas.

São fortemente influenciados por gigantescos laboratórios multinacionais que simplesmente quebrariam se a humanidade, subitamente, se tornasse saudável.

Por viverem da doença, os laboratórios estimulam os médicos – sempre convidados a bocas livres em hotéis e cidades especiais – a receitar remédios sempre.

É raro você sair de uma consulta sobre um colesterol alto sem que o médico indique medicamentos, em vez de uma vida mais saudável com exercícios e uma dieta menos assassina.

A internacionalmente aclamada medicina cubana tem outra visão da saúde.

Para os médicos cubanos, a chave está na prevenção. Tenha bons hábitos. Em Cuba, existe o chamado doutor comunitário. Como um amigo, ele acompanha as pessoas de uma determinada região.

Uma vez por ano, o doutor comunitário faz uma visita de surpresa ao paciente, em sua casa, para ver se seus hábitos estão de acordo com uma vida de saúde.

É por isso que é comum, em Cuba, você ver idosos se exercitando na praia. O resultado é que a expectativa de vida em Cuba, a despeito das limitações econômicas impostas pelo duríssimo embargo americano, é uma das maiores do mundo.

Além de tudo, a medicina, em Cuba, conservou algo do sacerdócio e do idealismo que o império do dinheiro foi destruindo no Ocidente, incluído o Brasil.

A principal motivação de um candidato a médico, no Brasil, é a remuneração. É uma das profissões mais bem pagas.

Dentro dessa lógica pecuniária, o jovem médico vai se estabelecer onde pode ganhar mais dinheiro: São Paulo, por exemplo.

Por isso, e pela inação de tantos governos, milhões de desvalidos em cidades remotas ficaram ao longo dos tempos sem um único médico.

Ou, como no caso de Feira de Santana, com médicos que gostariam de estar em outro lugar, com uma clientela disposta a pagar 400, 500, 600 reais por uma consulta.

Os médicos brasileiros, diante da chegada dos cubanos, têm agora duas alternativas.

Uma é ficar sabotando-os. É a mais fácil.

Outra é, humildemente, aprender com eles. É a mais sábia, tanto para os médicos brasileiros como para a sociedade como um todo.

A não ser que os médicos brasileiros se reinventem, logo as pessoas – e não estou falando apenas das desvalidas – passarão a sonhar em ter um médico cubano para cuidar delas.