Daily Archives: 24/08/2013

PMDB entrega os cargos e rompe segunda-feira com o Governo Rosalba e os Democratas

Índice

O PMDB promove segunda-feira, 26, os últimos atos da operação de desembarque do governo Rosalba Ciarlini. Ocupantes de cargos comissionados indicados pelo Senador Garibaldi Filho deverão entregar seus cargos e o presidente estadual da legenda, Henrique Alves, deverá anunciar oficialmente o rompimento.

O script está pronto e vem sendo seguido à risca. Primeiro, foi a Juventude do PMDB que lançou o nome do deputado estadual Walter Alves para a disputa da sucessão da governadora Rosalba Ciarlini. Depois de negar que é pré-candidato ao governo, o deputado defendeu o rompimento sob alegação de que a governadora não atendeu às expectativas. Nelter Queiroz e Hermano Morais também afirmaram que o rompimento era questão de dias.

Como um roteiro muito bem escrito, o secretário estadual de Trabalho e Assistência Social, o garibaldista Luiz Eduardo Carneiro Costa, anunciou que se sente desconfortável e que pediu audiência à governadora para entregar o cargo. O encontro está marcado para esta segunda-feira.

Ele deverá ter o gesto imitado por Getúlio Batista, que dirige a Fundac e Fernando Dinoá que dirige a Potigás.

Em seguida, Henrique Alves anunciou que é homem de partido e que não pode ficar contra a vontade das bases do partido. Se o partido cansou, Henrique não irá remar contra a maré.

Como a governadora desanda a cada dia, nada mais cômodo para Henrique do que alegar agora que o Rio Grande do Norte de que ele tentou ajudar o governo que não se deixou ajudar.

Discurso pronto, faltam agora apenas a entrega dos cargos e o anúncio final. Henrique deverá dizer que o PMDB continuará ajudando o Rio Grande do Norte, mas que não tem qualquer aliança eleitoral com a governadora e o Democratas.

O ministro e senador licenciado Garibaldi Filho deverá lembrar que ajudou a eleger Rosalba Ciarlini senadora e governadora mas que há muito defende o rompimento.

Henrique dirá que não votou em Rosalba e que decidiu apoiar administrativamente a governadora para ajudar o Rio Grande do Norte.
Roteiro perfeito. Tudo pronto. Resta saber se o do Rio Grande do Norte entenderá que o PMDB não tem responsabilidade alguma pelo desastre administrativo e o caos nos serviços públicos que imperam no Estado há quase três anos.

Presidente do PMDB defende candidatura própria e nome poderá ser de empresário potiguar

Flávio Rocha pode ser um nome lançado pelo PMDB, assim como Marcelo Alecrim, da rede de postos Ale. Foto: Divulgação

Flávio Rocha pode ser um nome lançado pelo PMDB, assim como Marcelo Alecrim, da rede de postos Ale. Foto: Divulgação

Pela primeira vez, um dos principais líderes do PMDB no RN, Henrique Eduardo Alves, defendeu a candidatura própria do partido nas eleições de 2014. “Eu defendo que tenha (candidatura própria). Um partido como o PMDB, com quase 60 prefeitos no interior do Rio Grande do Norte”, afirmou Henrique Alves na entrevista realizada na manhã de hoje.

“É um partido que está em um bom momento, talvez no melhor momento na vida pública do RN e é natural que aspire uma candidatura. Mas nós temos hoje uma participação no governo Rosalba, muito frágil, muito fragilizada, cada dia mais, e antes nós temos que resolver essa questão para pensar em projeto próprio, candidatura própria em 2014″, acrescentou o parlamentar, presidente da Câmara Federal.

Quem será o nome do partido, no entanto, é uma discussão que ainda deve ficar para o próximo ano. “Não sou candidato. Tenho um projeto nacional e posso ajudar o Estado nessa posição que alcancei, que pode se repetir”, garantiu ele, acrescentando que Garibaldi Filho, “em qualquer pesquisa que se faça, é o nome mais forte” e que Walter Alves “deputado já consagrado, já eleito pela Assembleia o melhor parlamentar do ano, já está no seu segundo mandato, tem um professor em casa, preparado para qualquer disputa de qualquer cargo”.

Porém, Henrique Alves afirmou também que se confirmando o que tem se desenhado agora, onde nem Garibaldi, nem Walter Alves tem interesse em disputar o Governo, a opção pode ser por um empresário potiguar. Flávio Rocha, líder do grupo Riachuelo/Guararapes, e Marcelo Alecrim, que está à frente da rede de postos Ale, podem ser os nomes lançados pelo PMDB no próximo ano.

“Existe (negociação nesse sentido). Pode ser. Abre o leque. Trazer lideranças novas, se oxigena o partido”, afirmou ele, ressaltando que essas possibilidades devem ficar para o ano que vem. Este ano, na visão de Henrique, está tão distante das eleições que nem pesquisa apontando nomes de candidatos se pode fazer.

“Pesquisa hoje eu acho tão relativa. Uma pesquisa hoje não vai sinalizar nenhum quadro do que vai acontecer em 2014″, afirmou ele, acrescentando que o PMDB até vai mandar fazer uma pesquisa em outubro, mas qualitativa, para saber o que os eleitores pensam e não em quem votam.

“O PMDB vai fazer uma pesquisa qualitativa e não quantitativa essa hora… Nomes? Que nomes? Não tem nenhum candidato. As alianças serão formadas. Vale como uma tendência, uma analise preliminar, muito preliminar. Nós queremos é uma qualitativa”, para saber “o que pensa o povo pensa, o que quer do seu partido, dos seus representantes. Ter um quadro do que quer o povo, do que não estar tendo e o que poderá querer amanhã”.

Justiça decreta prisão preventiva de assessor do Palácio do Planalto

A Justiça de Realeza, no Paraná, decretou hoje a prisão preventiva do assessor especial da Casa Civil da Presidência da República Eduardo André Gaievski. Ex-prefeito de Realeza, no Paraná, ele é investigado por estupro de vulneráveis. Um inquérito que tramita em segredo no fórum da cidade reuniu depoimentos de supostas vítimas. Segundo os relatos, o então prefeito oferecia dinheiro a meninas pobres em troca de sexo.

Eduardo, entrre Dilma e a ministrra Gleisi

“Eu tinha 13 anos de idade e o prefeito foi me buscar no colégio para levar para o motel”, diz J. S., uma das vítimas, que hoje está com 17 anos. O prefeito, segundo os relatos, aliciava as garotas usando mulheres mais velhas para convencê-las a manter relações com ele.

“A gente era ameaçada para não contar nada a ninguém”, diz A.F., que tinha 14 anos quando foi levada ao motel Jet’aime pelo prefeito três vezes, recebendo entre 150 e 200 reais cada uma delas.

Veja ofício com respostas do Governo para a contraproposta do Sindsaúde/RN

oficio_searh_sesap_2013ago23