Daily Archives: 08/08/2013

Homem que ‘morreu pobre’ tem sua fortuna em barra de ouro leiloada

Fortuna em ouro de homem que ‘morreu pobre’ é leiloada

Leilão arrecadou mais de US$ 6,5 milhões com as moedas e barras de ouro
Leilão arrecadou mais de US$ 6,5 milhões com as moedas e barras de ouro

Foto: (Foto: Cathleen Allison/Las Vegas Review-Journal/AP)

Um leilão arrecadou mais de US$ 6,5 milhões (quase R$ 15 milhões) com as moedas e barras de ouro que um homem de 69 anos guardava em sua casa em Carson City, no estado de Nevada (EUA). Ele morreu no ano passado e uma prima distante é a única herdeira.

Na época, a descoberta da fortuna foi considerada surpreendente, pois o americano Walter Samaszko Jr. tinha apenas US$ 200 em sua conta bancária e morava em uma casa modesta. Samaszko teria morrido por problemas cardíacos.

A fortuna ficou com a prima Arlene Magdanz, uma professora em San Rafael, na Califórnia.

Homem que  ‘morreu pobre’ tem sua fortuna em barra de ouro leiloada

FONTE: G1

EX-PREFEITO DE TANGARÁ(RN) É CONDENADO A QUATRO ANOS E DOIS MESES DE RECLUSÃO


Ex-prefeito Giovannu César, mais conhecido como Gija

Uma denúncia do Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte (MPF/RN) contra o ex-prefeito de Tangará, Giovannu César Pinheiro e Alves, resultou na condenação do político a quatro anos e dois meses de reclusão, a serem cumpridos em regime inicialmente semiaberto. Ele foi considerado culpado por desvio de verbas na reforma da sede de um assentamento.

Em 2001, o Ministério da Agricultura firmou um contrato de repasse com a Prefeitura de Tangará, então administrada por Giovannu César, envolvendo recursos de aproximadamente R$ 180 mil, dos quais R$ 150 mil foram repassados pela União e o restante seria a contrapartida municipal. Um dos objetivos do contrato era a reforma do prédio-sede do assentamento Três Voltas. Apesar da obra ter sido integralmente paga, a empresa contratada, a RioNorte Construções Ltda., não realizou a revisão de esquadrias de madeira com substituição de ferragens danificadas, nem instalou as 21 luminárias fluorescentes para duas lâmpadas de 40W cada, embora esses itens estivessem previstos no plano de trabalho pré-aprovado. Foram instaladas apenas 12 luminárias fluorescentes para uma lâmpada cada.

Em 2008, a Delegacia Federal do Desenvolvimento Agrário do RN determinou uma Relatoria de Visita, que constatou que “a prefeitura iniciou os reparos na casa-sede, mas nem tudo o que estava previsto foi realizado (…), as esquadrias não foram recuperadas, as fechaduras não foram substituídas, o forro do teto não foi recuperado e está caindo, portões de ferro ainda estão por ser colocados, o prédio continua sem instalação hidráulica, dentre outras omissões”. No entender do juiz Federal, “é fato que o decurso dos anos pode ensejar o enferrujamento de portas e janelas, e até mesmo infiltração no teto, mas não há como as luminárias terem sido substituídas”. O suposto proprietário da empresa beneficiada pelo desvio de recursos foi inocentado pela Justiça, “por se tratar, muito provavelmente, de simples ‘laranja’ inserido no quadro social da empresa sem seu conhecimento ou autorização”.

Em depoimento, o suposto proprietário revelou que forneceu seus documentos a parentes, mas que não sabia que era para figurar como sócio de nenhuma empresa, afirmando que jamais esteve em Tangará e nem trabalhou na área de engenharia civil, sendo na verdade vendedor, com residência em João Pessoa, na Paraíba. Ao calcular a pena do ex-prefeito, o magistrado considerou, entre outros fatores, que Giovannu César é réu em várias ações criminais pela prática de crimes de desvio de dinheiro público e de fraudes licitatórias. Além da pena de quatro anos e dois meses, ele terá de indenizar um valor de, no mínimo, R$ 2.117,47 aos cofres da União. Após o trânsito em julgado, poderá ainda ficar inabilitado por cinco anos para o exercício de cargo e função pública, eletivo ou de nomeação; e se a sentença for confirmada por tribunal se tornará inelegível por até oito anos após o cumprimento da pena.

A Ação Penal tramita na Justiça Federal sob o número 0011297-33.2009.4.05.8400

 

‘Elysium’: Estreia de Wagner Moura em Hollywood ganha première em Los Angeles

O ator Wagner Moura foi uma das estrelas da première de “Elysium”, longa de Neill Blomkamp (“Distrito 9”), armada nesta quarta-feira (7), no Regency Village Theatre, em Los Angeles.

O brasileiro interpreta Spider, um dos principais personagens do filme protagonizado por Matt Damon, que também compareceu à pré-estreia ao lado da mulher, a argentina Luciana Barroso, e da atriz Jodie Foster, uma das vilãs da ficção científica.

“Elysium” segue a linha do longa anterior do diretor sul-africano, misturando cenas de ação ousadas com crítica social. Diferentemente de “Distrito 9”, Elysium tem uma narrativa mais tradicional, apesar do clima hiperrealista: Damon interpreta Max, um ex- delinquente que tenta levar uma vida normal na Terra superpopulosa e miserável do ano 2154. Após um acidente na fábrica onde trabalha, Max sofre um forte envenenamento radioativo e precisa encontrar uma maneira de viajar para Elysium, uma gigantesca estação orbital onde moram os políticos e a minoria rica do planeta.

Lá, há maquinas com a tecnologia para curar qualquer doença por meio de um scan de DNA, mas apenas cidadãos de Elysium podem usufruir do benefício.

Wagner Moura interpreta Spider, ex-parceiro de Max em roubos que virou chefe do submundo da Los Angeles do futuro e principal contrabandista de terrenos para a estação orbital –uma metáfora mais que clara em relação às mulas mexicanas que tentam atravessar a fronteira com os Estados Unidos.

A ficção científica mostra toda a capacidade de Blomkamp de criar mundos fantásticos com base na realidade. Sua Terra de 2154 é um bloco urbano sem fim, onde Brasil e Canadá, por exemplo, são interligados por tapetes urbanos intermináveis.

MISTURA DE SOTAQUES

O resultado é uma mistura interessante de sotaques: Damon fala inglês normal, mas entende e se comunica em espanhol, assim como seu par romântico, interpretado por Alice Braga; Moura faz um personagem de nacionalidade indefinida, mas com sotaque de um brasileiro; Sharlto Copley, um agente de Elysium infiltrado na Terra, carrega nas expressões sul-africanas; e Jodie Foster escolheu um terrível tom francês para a chefe de segurança de Elysium.

A crítica ficou dividida com o filme. A opinião geral é que “Elysium” é um bom filme, mas que poderia ter sido melhor se a metade final da trama não virasse uma perseguição frenética nos moldes de qualquer blockbuster de verão.

A performance de Wagner Moura foi elogiada pela revista especializada “Variety”, que o comparou ao porto-riquenho Raul Julia (1940-1994) pela “grandiloquência da atuação”.

O longa entra em cartaz nos Estados Unidos nesta sexta-feira (9) e estima-se que vá arrecadar algo em torno de US$ 35 milhões a US$ 40 milhões no primeiro fim de semana –mas alguns analistas são mais pessimistas, prevendo que a ficção científica não chega aos US$ 30 milhões em três dias. O filme está previsto para estrear no Brasil em 20 de setembro.

O ator brasileiro Wagner Moura posa para os fotógrafos durante divulgação do filme “Elysium” na Califórnia, nos Estados Unidos; a ficção científica tem data de estreia marcada para 20 de setembro no Brasil

A atriz Jodie Foster posa para os fotógrafos durante divulgação do filme “Elysium” na Califórnia, nos Estados Unidos; a ficção científica tem data de estreia marcada para 20 de setembro no Brasil

Matt Damon e sua mulher Luciana Barroso posam para os fotógrafos durante divulgação do filme “Elysium” na Califórnia, nos Estados Unidos; a ficção científica tem data de estreia marcada para 20 de setembro no Brasil

Matt Damon posa para os fotógrafos durante divulgação do filme “Elysium” na Califórnia, nos Estados Unidos; a ficção científica tem data de estreia marcada para 20 de setembro no Brasil

Alice Braga ao lado de Diego Luna divulgam o filme “Elysium” na Califórnia, nos Estados Unidos; a ficção científica tem data de estreia marcada para 20 de setembro no Brasil

Alice Braga posa para os fotógrafos durante divulgação do filme “Elysium” na Califórnia, nos Estados Unidos; a ficção científica tem data de estreia marcada para 20 de setembro no Brasil

Folha Online

QUEM LEMBRA DESSA FOTO? MUITO LEGAL VIU!!!

1013537_165384416978096_2088041137_nDivulgação

Cenas de uma sessão tumultuada na Assembleia Legislativa

por annaruth

A sessão de hoje da Assembleia Legislativa, com a participação do secretário Obery Rodrigues foi tumultuada, marcada pelo protesto dos servidores da Secretaria Estadual de Saúde e de Segurança Pública.

Os flashs foram de Márlio Forte:

obery 405 obery 022 obery 029 obery 073 obery 328 obery 333 obery 359 obery 397

Wilma de Faria ganha a simpatia do PMDB

images (5)

Anotem aí…

O nome da ex-governadora Wilma de Faria (PSB) passou a ser visto com “bons olhos” pelo PMDB, com vistas para as eleições de 2014.As articulações para que o partido se aproxime de Wilma tem se intensificado nos últimos dias.

Agora é aguardar e conferir!

Do blog  Robson Pires

 

Robinson Faria: “Eu sou candidato contra Wilma, Garibaldi, Henrique ou Waltinho”

robinson feirinhaEm recente conversa com a deputada Márcia Maia, Robinson Faria mandou um recado para Wilma de Faria e para os demais caciques da política potiguar: ele será candidato ao governo por cima de pau e pedra. “Eu sou candidato contra Wilma, Garibaldi, Henrique ou Waltinho. Eu vou enfrentar qualquer um. O PSD não vai abrir mão da minha candidatura ao governo”, disse o vice-governador.

Robinson disse ainda que tem andado muito pelo Estado e que tem sentido boa receptividade ao projeto que encabeça. O vice-governador estava na bronca com Wilma e Márcia. Segundo Robinson, as duas andavam espalhando que ele topava repetir uma candidatura a vice dentro de uma composição com o PMDB e com o PSB.

Robinson deixou claro que candidatura a vice está fora dos seus planos. O que ele deseja é o governo e ponto final. Na última Feirinha de Sant’Ana, em Caicó, Wilma pediu ajuda a um político para quebrar o gelo com o vice-governador:

– Robinson anda com raiva de mim. Não sei o motivo. Diga a ele que se for candidato a governador, ele conta com o meu apoio – disse a ex-governadora, sempre matreira e candidatíssima ao lugar de Rosalba.

Do Diógenes Dantas

Casal transa ao ar livre, do lado do filho pequeno, na China; veja vídeo

Um casal foi flagrado na China em um momento íntimo dentro de um parque público. O que mais chama a atenção é que o filho pequeno estava ao lado, inquieto, querendo que os pais terminem o que estavam fazendo para irem embora para casa.

O vídeo, capturado na cidade central chinesa de Xi’an, já está repercutindo fortemente no país.

CENAS FORTES PARA ASSISTIR AO VÍDEO CLIQUE AQUI 

Por que os EUA bombardearam Hiroshima?

Livro conta o horror provocado pelos americanos ao tomar a decisão absurda de destruir uma cidade inteira com suas crianças, velhos, mulheres. 68 anos após o ataque, EUA continuam impunes

Paulo Nogueira, diário do centro do mundo

São 68 anos da Bomba de Hiroxima. Recomendo um pequeno grande livro. Chama-se exatamente Hiroxima e foi escrito por Lawrence Yep.

hiroshima bomba atômica eua

Todo mundo deveria ler. Não me consta que esse livrinho – no tamanho — tenha sido editado no Brasil.

É uma pena.

São 50 páginas que contam o horror provocado pelos americanos ao tomar a decisão cruel, absurda de destruir uma cidade inteira com suas crianças, velhos, mulheres.

A guerra já estava ganha. Hitler já se matara.

Por que os americanos fizeram uma coisa tão monstruosa? Uma retaliação ao ataque de Peal Harbour pelos japoneses não faz sentido.

Pearl Harbour era uma base naval. Não uma cidade. Seria como responder com um tiro a quem mandou um email malcriado para você.

Desproporção total.

O que os americanos queriam era evitar que os russos, que tinham batido os alemães e definido o destino da guerra, se sentissem fortes demais.

A bomba atômica foi um fator intimidador usado pelos Estados Unidos contra, sobretudo, a Rússia às vésperas da inevitável Guerra Fria.

Mas a que preço para Hiroxima.

O livrinho mostra que os habitantes da cidade achavam que até ali Hiroxima tinha sido poupada de bombas pelos americanos porque era bonita.

Mostra também a perplexidade do piloto do Enola Gay, o avião do qual foi jogada a bomba, ao ver depois as consequências. “O que fizemos?”, ele se pergunta.

A resposta é óbvia. Fizeram uma chacina.

A bomba ao cair espalhou um fogo intenso num raio longo. Milhares de pessoas foram imediatamente carbonizadas. Muitas outras morreram afogadas ao se atirar num rio para fugir do fogo.

Era o começo de um dia. As crianças estavam indo para as escolas.

O livrinho mostra também uma ‘Donzela de Hiroxima’. Assim foram chamadas mulheres jovens desfiguradas pela bomba. Para elas se perdeu a possibilidade de atrair marido.

Algumas foram para o país que as destruiu, os Estados Unidos, fazer plásticas. Cirurgiões plásticos americanos se dispuseram a operar de graça.

Uma delas morreu na cirurgia. Suas cinzas retornaram a Hiroxima numa caixinha, levadas pelas conterrâneas no retorno à cidade devastada.

O livrinho também é um lembrete dos crimes de guerra sistematicamente cometidos pelos Estados Unidos. Com a impunidade de quem se julga dono do mundo.

Não.

Não é à toa que são tão odiados.

Ecândalo da Siemens: Executivo afirma que Serra sugeriu acordo em licitação

O ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) sugeriu à multinacional alemã Siemens um acordo em 2008 para evitar que uma disputa empresarial travasse uma licitação da CPTM, de acordo com um e-mail enviado por um executivo da Siemens a seus superiores na época.

A mensagem relata uma conversa que um diretor da Siemens, Nelson Branco Marchetti, diz ter mantido com Serra e seu secretário de Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella, durante congresso do setor ferroviário em Amsterdã, na Holanda.

Na época, a Siemens disputava com a espanhola CAF uma licitação milionária aberta pela CPTM para aquisição de 40 novos trens, e ameaçava questionar na Justiça o resultado da concorrência se não saísse vitoriosa.

A Siemens apresentou a segunda melhor proposta da licitação, mas esperava ficar com o contrato se conseguisse desqualificar a rival espanhola, que apresentara a proposta com preço mais baixo.

De acordo com a mensagem do executivo da Siemens, Serra avisou que a licitação seria cancelada se a CAF fosse desqualificada, mas disse que ele e Portella “considerariam” outras soluções para evitar que a disputa empresarial provocasse atraso na entrega dos trens.

Segundo o e-mail, uma das saídas discutidas seria a CAF dividir a encomenda com a Siemens, subcontratando a empresa alemã para a execução de 30% do contrato, o equivalente a 12 dos 40 trens previstos. Outra possibilidade seria encomendar à Siemens componentes dos trens.

Serra disse que não se encontrou com executivos das empresas interessadas no contrato da CPTM e afirmou que a licitação foi limpa, com vitória da empresa que ofereceu menor preço.

O ex-secretário Portella disse que as acusações são absurdas e que não houve irregularidades na licitação.

O e-mail examinado que faz parte da vasta documentação recolhida pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), do Ministério da Justiça, na investigação aberta para examinar a prática de cartel em licitações da CPTM e do Metrô de São Paulo de 1998 a 2008

Os documentos examinados não contêm indícios de que Serra tenha cometido irregularidades, mas sugerem que o governo estadual acompanhou de perto as negociações entre a Siemens e suas concorrentes.

Em outra mensagem de Marchetti, de setembro de 2007, o executivo diz que o governo paulista “gostaria de ver a Siemens contemplada com pelo menos 1/3 do pacote” da CPTM, em “parceria” com as outras empresas.

Os documentos foram entregues ao Cade pela própria Siemens, que fez um acordo com as autoridades brasileiras para colaborar com as investigações e assim evitar as punições previstas pela legislação para a prática de cartel.

Procurado, o Cade informou que o caso está sob sigilo e nenhuma informação sobre o assunto poderia ser repassada à imprensa.

Na licitação dos trens, as negociações da Siemens com a CAF não deram resultado. A Siemens apresentou recursos administrativos e foi à Justiça contra a rival, mas seus pedidos foram rejeitados.

A CAF venceu a licitação e assinou em 2009 o contrato com a CPTM. A empresa espanhola executou o contrato sozinha, sem subcontratar a Siemens ou outras empresas.

A francesa Alstom também participou dessa concorrência. De acordo com os documentos entregues pela Siemens, a empresa tinha um acordo com a rival francesa para dividir o contrato se uma das duas vencesse a disputa.

Os documentos obtidos pelas autoridades brasileiras mostram também que, mais tarde, ao mesmo tempo em que negociava com a CAF, a Siemens discutiu a possibilidade de uma aliança com outra rival, a coreana Hyundai, contra os espanhóis da CAF.

Colaboraram DANIELA LIMA e PAULO GAMA, de São Paulo

13219681

  Editoria de arte/Folhapress

Política belga é flagrada praticando sexo dentro da Prefeitura; confira

A vice-prefeita de Hoeilaart, Els Uytterhoeven, foi surpreendida e gravada em um vídeo mantendo relações sexuais com um homem nas dependências da Prefeitura da cidade citada, próxima a Bruxelas.

Um grupo de jovens percebeu que a luz permanecia acesa além do tempo habitual em uma das salas da Prefeitura, um castelo do século XV, na noite do último dia 15 de julho. Na ocasião, ao se aproximarem da sala, os jovens presenciaram a cena envolvendo Els Uytterhoeven.

A política liberal, do partido Open Vld, aparece nas imagens, que já circulam pela internet, abraçada a um homem que, segundo o jornal “Het Laatste Nieuws”, não é seu marido, mas o presidente de uma associação local.

Els Uytterhoeven, irmã do jornalista esportivo Mark Uytterhoeven, ainda não se pronunciou e nem fez nenhum comentário à imprensa sobre o episódio, mas deverá se explicar perante os vereadores da Prefeitura em breve, informou a imprensa belga.

Esse incidente lembra o caso da ex-prefeita de Aals, Ilse Uytterspot, que foi surpreendida há dois anos por um grupo de turistas, que também gravaram a cena, enquanto praticava sexo com seu marido em uma torre de Castillo de Olite em Navarra, na Espanha.

Agência EFE

Assalto ao trem pagador completa 50 anos

 


Ronald Biggs em 20 de março em Londres (Foto: Andrew Cowie/AFP)


O assalto ao trem pagador na Inglaterra, considerado o “roubo do século”, completa nesta quinta-feira (8) seu 50º aniversário com a lembrança da complexidade do método utilizado pelos ladrões, que cometeram um crime “quase” perfeito.

A precisão milimétrica e a preparação cuidadosa foram os ingredientes para que 17 criminosos – 15 ladrões e dois informantes – entrassem para a história na madrugada do dia 8 de agosto de 1963 ao interceptar e roubar o conteúdo de um dos trens mais famosos do Reino Unido, que levava depósitos bancários da Escócia para Londres.

O alvo era o trem que saiu de Glasgow e transportava 126 sacos cheios de dinheiro dos bancos situados entre Londres e a capital escocesa, que viajava durante a noite e cujo conteúdo era conhecido por poucas pessoas.

Embaixo de uma das pontes que o trem atravessaria naquela noite estava o bando de Ronald Biggs e Bruce Reynolds: 15 ladrões escolhidos por suas habilidades especiais que não precisariam mais trabalhar pelo resto de suas vidas, caso a operação ocorresse conforme os planos.

Por volta das 3h15, o trem, que estava a apenas 65 quilômetros de Londres, parou inesperadamente sob a ponte Bridego, no condado inglês de Buckinghamshire.

Era o primeiro triunfo do plano idealizado por Reynolds, que com uma bateria portátil mudou as luzes do semáforo e forçou a locomotiva a parar após ter confirmado na meia-noite, graças a um informante em Glasgow, que o trem levava todos os malotes de dinheiro dos bancos.

Tinha que ser essa, entre todas as noites, a escolhida para o golpe, já que as entidades tinham fechado seu exercício três dias antes e, após esvaziarem seus cofres, enviaram o dinheiro a Londres para deixá-lo bem guardado.

A bordo do trem estavam o maquinista, Jack Mills, e seu ajudante, que desceu para descobrir porque o trem tinha parado e deu de cara com os ladrões disfarçados de soldados, que o amarraram sem dizer uma palavra e subiram no comboio.

Mills resistiu e foi golpeado na cabeça com uma barra de metal; essa foi a única ação violenta da operação, que concluiu em poucos minutos com o roubo de 118 dos 126 sacos de dinheiro, que desapareceram no interior de duas caminhonetes e um caminhão.

Tudo saiu de acordo com um plano que demorou vários anos para tomar forma na mente de Reynolds, que soube da existência do trem pagador em uma conversa na cadeia em 1960.

Reynolds acreditou no início que o assalto era impossível, mas, em um reencontro inesperado em Londres com seu antigo companheiro Biggs, três anos depois, deu asas ao projeto e a reunião dos sócios para bolar o golpe aconteceu em poucas semanas.

Porém, houve um elemento com o qual o bando não contava: um tabuleiro do jogo “Monopoly”. Os ladrões jogaram para relaxar poucas horas após o roubo e no tabuleiro estavam suas impressões digitais, que a polícia utilizou para identificá-los.

Os ladrões tentaram fugir, mas só os líderes conseguiram: Reynolds, que após uma cirurgia plástica ficou foragido durante cinco anos no México e no Canadá e Biggs, que viveu no Brasil durante 31 anos, após sua fuga da prisão em 1965 até sua captura em 2001, quando voltou voluntariamente ao Reino Unido.

Biggs teve um filho com uma dançarina chamada Raimunda de Castro, Michael Biggs, que ficou famoso no Brasil após integrar o grupo musical infantil Turma do Balão Mágico. Graças ao filho, Biggs foi impedido de ser extraditado do país, pois a legislação determina que qualquer estrangeiro que tiver um filho com um brasileiro não pode ser extraditado.

Eles são os nomes da lenda, reverenciados por aqueles que sonham com o crime perfeito e lembram que do assalto milionário (avaliado hoje em 47,5 milhões de euros) só foi recuperada uma pequena parte.

Biggs, que a seus 83 anos está em prisão domiciliar, coordenou a ação de seus parceiros; Reynolds, que morreu há poucos meses, elaborou o plano; John Weather, com sua cara de bom moço, encontrou refúgio sem levantar suspeitas; Roger Cordrey avisou sobre a chegada do trem, entre outros que completaram o bando que inspirou vários filmes.

‘Buster – Procura-se um Ladrão’ (1988) foi assessorado pelo próprio Reynolds e é o filme mais fiel. Outro longa metragem, ‘Onze Homens e um Segredo’ (2001), conta a história de um bando que realizou um roubo que parecia impossível, não na Inglaterra, mas nos cassinos de Las Vegas, com George Clooney e Brad Pitt como protagonistas.

Deputado denuncia Governo Rosalba ao Ministério Público por não aplicação de recursos na educação

images

O deputado Fernando Mineiro (PT) apresentou nesta segunda-feira (5) denúncia ao Ministério Público Estadual contra o governo Rosalba Ciarlini (DEM), devido ao não cumprimento dos dispositivos legais que determinam a aplicação de, no mínimo, 25% das receitas resultantes de impostos e transferências de impostos para a manutenção e desenvolvimento do ensino. A representação foi entregue nas mãos do Procurador Geral de Justiça Rinaldo Reis Lima.

Conforme constatado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE/RN), na elaboração dos Relatórios Anuais das Contas do Governo, referentes aos anos de 2011 e 2012, o montante só foi alcançado pelo governo porque se incluiu no cálculo as despesas com Previdência Básica com inativos. Mas, de acordo com a legislação que define, não podem ser incluídas essas despesas nos gastos com manutenção e desenvolvimento do ensino.

O Governo disse que aplicou, em 2012, R$ 1.812.153.738,32 (30,76%), quando na verdade esse valor foi de R$ 1.417.156.507,92 (24,06%) e deveria ter aplicado, no mínimo R$1.472.622.391,34 (25%). Em 2011 foi utilizada a mesma manobra, o governo disse que aplicou R$ 1.505.489.089,85 (28,8%), mas foram aplicados R$ 1.222.723.801,16 (22,97%), quando este montante deveria ter sido, no mínimo, R$ 1.330.672.416,85, equivalente aos 25% obrigatórios. Somados os valores não aplicados na educação nos dois anos, chega-se ao valor de R$ 165.415.499,11.

De acordo com o documento apresentado por Feranando Mineiro, pelas análises preliminares dos dados, a lamentável realidade também já é constatada nos primeiros meses de 2013, repetindo-se a mesma fórmula usada nos anos anteriores.

Com a denúncia, o parlamentar espera que seja reparado os prejuízos advindos à educação no RN, “inclusive com a reposição de todos os valores que deveriam ter sido aplicados na educação e foram desviados para o custeio de outras rubricas”. Requer também “que o Ministério Público faça uso dos mecanismos legais para cessar imediatamente a irregularidade denunciada e determinar a observância dos percentuais minimamente fixados pela Constituição Federal, a serem aplicados na educação”.

Fonte: http://www.sintern.org.br

Espionagem dos EUA contra o Brasil foi festejada

Embaixador festejou acordo econômico em que os EUA levaram vantagem sobre o Brasil, graças à espionagem feita pelo governo americano que revelou as estratégias brasileiras

O jornalista Gleen Greenwald, que revelou as primeiras informações da rede de espionagem mundial dos Estados Unidos a partir dos vazamentos do ex-técnico terceirizado da NSA e da CIA Edward Snowden, afirmou nesta terça-feira (6) que o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Thomas Shannon, parabenizou a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês) pela espionagem feita no Brasil.

De acordo com o jornalista, uma carta de Shannon festeja um acordo econômico em que os EUA levaram vantagem sobre o Brasil, graças à espionagem feita pelo governo americano que revelou as estratégias brasileiras.

Thomas Shannon

Em carta, embaixador dos EUA comemora espionagem no Brasil. Shannon teria “festejado” acordo econômico em que EUA levaram vantagem sobre o Brasil, graças à espionagem (Foto: Divulgação)

“Tem uma carta muito interessante assinada por Thomas Shannon onde ele festeja com a NSA a espionagem que os Estados Unidos fizeram no país antes de uma conferência internacional onde foi fechado um acordo econômico. A espionagem deu ao governo amerciano muita vantagem para saber as estratégias do Brasil”, revelou o jornalista nesta terça em audiência pública na Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado.

A alegação do regime americano é que a espionagem tem o objetivo de prevenir e identificar ações terroristas, mas o jornalista refuta a hipótese. “Desde o 11 de Setembro a desculpa é que os americanos fazem tudo pela segurança nacional, mas na realidade é o oposto. Há muitos documentos que não falam em terrorismo ou proteção nacional, mas falam sobre competição entre empresas, sobre acordos econômicos, sobre levar vantagem em contratos multilaterais”, disse.

Greenwald também desmentiu a justificativa dada por Thomas Shannon ao governo brasileiro de que os EUA estariam apenas monitorando “metadados” – como tempo de ligações telefônicas e destino de e-mails. “O governo americano tem capacidade de invadir e-mails, não só metadados. Assuntos que estão sendo discutidos no e-mail, no telefone. Esse programa é mais poderoso, o mais assustador sistema que já tivemos”, afirmou.

Segundo o jornalista, a NSA tem acordo com as nove maiores empresas de comunicação do mundo – incluindo Apple, Microsoft e Google – para ter acesso aos sistemas dessas companhias. “O objetivo dos Estados Unidos é eliminar a privacidade do mundo. Esse objetivo não é só teórico, já está acontecendo. O sistema que está sendo construído tem muito poder para coletar quase todas as informações trocadas no mundo. O balanço do poder fica muito desequilibrado quando uma nação sabe tudo o que acontece em outra nação”, afirmou o jornalista, em breve exposição no início de audiência pública no Senado.

Greenwald foi procurado pelo ex-técnico da CIA Edward Snowden para divulgar documentos que comprovam que vários países, incluindo o Brasil, estão sendo monitorados pelos Estados Unidos. Snowden é procurado pelas autoridades americanas pelo vazamento de segredos sobre os sistemas de monitoramento de telecomunicações do governo e foi provisoriamente asilado na Rússia, após passar 40 dias refugiado no aeroporto de Moscou.

Greenwald afirmou ainda ao Senado que recebeu cerca de 20 mil documentos de Snowden relacionados com espionagem. Greenwald, que não informou sobre o conteúdo dos documentos, fez essa revelação ante a Comissão de Relações Exteriores do Senado, que o convocou para abordar as denúncias de espionagem por parte da NSA.

Logo após a denúncia, a diplomacia brasileira cobrou explicações do governo americano. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, afirmou que o país reagiu com “preocupação” ao caso.

O embaixador dos Estados Unidos, Thomas Shannon negou que o governo americano colete dados em território brasileiro e afirmou também que não houve a cooperação de empresas brasileiras com o serviço secreto americano.

Por conta do caso, o governo brasileiro determinou que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) verifique se empresas de telecomunicações sediadas no país violaram o sigilo de dados e de comunicação telefônica. A Polícia Federal também instaurou inquérito para apurar as informações sobre o caso.

Após as revelações, a ministra responsável pela articulação política do governo, Ideli Salvatti (Relações Institucionais), afirmou que vai pedir urgência na aprovação do marco civil da internet. O projeto tramita no Congresso Nacional desde 2011 e hoje está em apreciação pela Câmara dos Deputados.