Daily Archives: 18/07/2013

História verídica e muito engraçada kkkkkkkkkkkkkkkkk

Rádio Tupi Fm 104,1 em São Paulo

Locutor: Quem fala?

Ouvinte: É o Vicente.

Locutor: De onde, Vicente?

Ouvinte: Lapa!

Locutor: Olha aí, Vicente da Lapa! Valendo o kit com camiseta e CD do Edson e Hudson. Preste atenção! Qual é o país que tem duas sílabas e se pode comer uma delas? Prestou bem atenção? Há um país com duas sílabas e uma é muito boa para se comer. Dez segundos para responder!

Ouvinte: Cu – Ba!

Locutor: (mudo por alguns segundos e algumas risadas ao fundo)

Locutor: Tá certo, senhor Vicente! Vai levar o prêmio pela criatividade, mas aqui na minha ficha estava escrito Ja – Pão!

rararararararaaraarrsrsrsrsrsrsrssrsrsr

————————————-x—————————–x—————————————

porquinho

15 coisas pra não fazer na casa da sogra

Após 27 dias internado, sanfoneiro da Banda Magníficos recebe alta hospitalar


Após passar 27 dias internado em virtude de um acidente de moto, o sanfoneiro Silone Chaves da banda Magníficos, deixou o Hospital de Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes em Campina Grande, nesta semana. O artista permaneceu um período do tratamento na Unidade de Terapia Intensiva (UTI)

O músico, que integra uma das melhores e maiores bandas de forró do nordeste, deixou o hospital acompanhado de familiares. De acordo com a assessoria de imprensa, Silone Chaves deve ser acompanhado por fisioterapeuta e fonoaudiólogo.

Segundo informações da Polícia Militar de Monteiro, o sanfoneiro sofreu um acidente ao perder o controle da motocicleta e cair em uma rodovia no Cariri paraibano.

A fatalidade ocorreu no dia 16 de junho deste ano. Silone Chaves estava na cidade de Prata e se deslocava para Ouro Velho.

Portal Correio

Ney volta ao FIG mais exuberante do que nunca .

Artista chega com megaprodução 

ney matogrosso

Durante quatro décadas, o Brasil vem acompanhando as metamorfoses de um dos artistas mais versáteis e camaleônicos da nossa música. Sempre atento aos sinais do seu tempo e ousando, como sempre, ir além dele, Ney de Souza Pereira é o nome do homem do qual explode o cantor Ney Matogrosso, dono de uma voz marcante e um dos mais inventivos e exuberantes performers da MPB. Em comemoração aos seus 40 anos de carreira, ele vem percorrendo o Brasil com a turnê “Atento aos sinais”, em que se reinventa novamente, trafegando pelo universo pop com arrojo e sofisticação. E Garanhuns terá a oportunidade de conferir esse novíssimo trabalho, na abertura do FIG 2013, quando também se apresentam a Ópera Bajado, Gaiamálgama (de Garanhuns), Caravana Rabequeiros de Pernambuco e Naná Vasconcelos. Ney Matogrosso encerra a primeira noite do festival, nesta quinta (18/7), a partir das 23h40, no Palco Guadalajara, que já recebeu o artista em outras edições do FIG.

Em “Atento aos sinais”, Ney usa e abusa da sensualidade que lhe é característica e da voz peculiar para cerzir canções que ganham uma roupagem pop e de peso. No repertório, escolhido a dedo, ele mescla canções de nomes consagrados e de novos compositores. Estão presentes Paulinho da Viola, Caetano Veloso, Arnaldo Antunes, Lenine, Criolo, Itamar Assumpção, entre outros. Ney dá voz a canções como “Vida louca” (Lobão), “Roendo as unhas” (Paulinho da Viola), “Fico louco” (Itamar Assumpção) e “Oração” (Dani Black), música que inspirou o título da turnê.

O show também traz ao palco, segundo Ney, a mais grandiosa estrutura já utilizada por ele em suas turnês. Cenários, iluminação e figurino de grande porte emolduram a performance do artista. Com direção musical de Sacha Amback, “Atento aos sinais” contará com vídeo cenário criado por Luiz Stein e Marcus Paulista, e objetos de cena de Milton Cunha. Ocimar Versolato (parceiro de Ney desde 1994) assina mais uma vez o figurino junto a Milton Cunha e Marta Reis. Uma superprodução à altura de um artista que tem na visualidade uma das suas formas de expressão mais marcantes. Dessa vez, o Ney Matogrosso exuberante e provocador ganha a cena, com um arsenal de elementos visuais que destacam sua presença, com o frescor de quem está (re)nascendo artisticamente. Sempre.

Por Jornal de Caruaru

Os preparativos para a chegada do papa Francisco ao Rio de Janeiro

O pontífice ficará no Brasil do dia 22 ao 28 para a Jornada Mundial da Juventude. Além do Rio de Janeiro, irá a Aparecida, no Vale do Paraíba paulista, onde rezará uma missa na Basílica de Nossa Senhora Aparecida.

Vista aérea do palco no Campus Fidei, em Guaratiba, na zona oeste do Rio de JaneiroCrédito: Genilson Araújo / Parceiro / Agência O Globo

Peregrinos da JMJ chegam ao aeroporto do Galeão durante a madrugada desta quarta-feira (17) e se instalam provisoriamente no Fun Zone, área criada no próprio aeroporto para os participantes do evento.

Artista Rogean Rodrigues faz esculturas de areia na praia de Copacabana em homengam à visita do Papa Francisco para a Jornada Mundial da Juventude

Revista Época

EDUCAÇÃO RN – Horas suplementares serão pagas.

ÍndiceMais de 800 professores deverão receber o pagamento por horas suplementares retroativas aos meses de maio e junho. A Secretaria Estadual de Educação e Cultura (SEEC) publicou no Diário Oficial de ontem o pagamento de 566 professores. Segundo a SEEC, uma nova publicação no diário de hoje oficializará o pagamento de outros 316 profissionais.

De acordo com a Secretaria de Educação, trata-se de oficializar os pagamentos dos professores que começaram a trabalhar há dois meses. Com essa oficialização, os professores não terão mais risco de sofrer com o atraso dos pagamentos. A SEEC acrescenta que os retroativos virão na folha do próximo mês.

A  Secretaria de Educação informou ainda que a oficialização não foi resolvida antes porque os levantamentos dos professores que deveriam receber as horas suplementares dependiam do envio dos dados dos professores por parte das Diretorias Reginais de Educação (Dired).

Com Informações Blog Sinte Regional de Nova Cruz

SINTE/RN REGIONAL DE NOVA CRUZ ASSEMBLEIA GERAL DIA 12-07-2013 ELEIÇÃO DA COMISSÃO ELEITORAL

111

Estado desiste de nova convocação de professores

O Governo do Estado desistiu de chamar os 600 professores que estavam previstos para o mês de julho. Foram convocados 600 professores e especialistas do último concurso no dia 3 de maio, época em que foi confirmada a chamada de outros 600 no prazo de 60 dias. Contudo, segundo a secretária estadual de Educação, Betânia Ramalho, os outros 600 só serão chamados “se for estritamente necessário”.

Alex RégisSecretária Betânia Ramalho afirma que não haverá nova convocação como havia sido anunciadoSecretária Betânia Ramalho afirma que não haverá
nova convocação como havia sido anunciado

Em coletiva à imprensa no dia 19 de abril, o Governo do Estado já havia informado que 1.200 profissionais seria convocados em duas etapas com objetivo de dar um melhor ordenamento ao processo. O impacto financeiro seria de aproximadamente R$ 3 milhões por mês.

Segundo o Governo do Estado, o déficit imediato da época era de cerca de 500 professores, mas a previsão já era de aumento desse número em abril, devido à possibilidade de aposentadorias. Agora, mesmo com o encerramento da chamada feita em maio, em que mais de 500 professores e especialistas foram nomeados, a previsão de chamada desses 600 novos profissionais foi alterada.

De acordo com a Secretaria Estadual de Educação e Cultura (SEEC), o motivo da mudança de planos está relacionada a um diagnóstico que só foi possível neste mês de julho, com o término da implantação do Sistema Integrado de Gestão da Educação (SIGEduc) no interior. Na época do anúncio, a previsão era de que seriam necessários outros 600.

Segundo a SEEC, a partir do funcionamento do SIGEduc no interior foi possível verificar a existência de professores com carga horária suficiente para assumir escolas.

“Vamos chamar alguns de imediato, mas outros serão convocados à medida que surgirem novas aposentadorias. Faremos essas chamadas racionalmente, afinal não podemos desperdiçar recursos públicos”, diz Betânia Ramalho.

Por outro lado, a coordenadora geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública no Rio Grande do Norte (Sinte-RN), Fátima Cardoso, afirma que faltam professores em escolas do interior do estado. “A convocação de mais 600 nem seria suficiente”, avalia.

Ela cita como exemplos as escolas estaduais José Correia, Manoel Montenegro e Juscelino Kubitschek, em Assú, e ainda a Tristão de Barros, em São Rafael, e Alcides Vanderlei, em Caraúbas.

Reordenamento

De acordo com Betânia Ramalho, o diagnóstico que justificou a desistência da convocação foi obtido durante o reordenamento da carga horária dos professores, que está sendo executado pela SEEC em atendimento à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o terço da hora atividade.

Após a definição do STF a respeito da Ação Direta de Inconstitucionalidade Nº 4.167, 10 horas da jornada de trabalho do professor devem ser destinadas ao planejamento e as outras 20 devem ser dedicadas às atividades em sala de aula.

Mas a expectativa de que todos os professores estejam adequados à jornada de trabalho já sofreu alteração. A conclusão desse trabalho era prevista para o final de julho, mas a secretária de Educação já admite a possibilidade de que o processo se estenda até setembro.

“Estamos reordenando todos os professores que estão com carga horária além de 20 horas. Tem muitos professores que estão abaixo de 20 horas e outros que estão acima. Isso não foi feito antes porque não tínhamos dados consistentes”, explicou Betânia Ramalho. (TN)

Primeira Câmara desaprova prestação de contas de ex-gestores de Brejinho

Olho vivo

A prestação de contas bimestrais relativas ao exercício de 2003, a cargo da ex-prefeita Ivanilde Xavier de Medeiros e João Batista Gomes Gonçalves, ex-gestores do Município de Brejinho, foram consideradas irregulares pelo Tribunal de Contas do Estado.

Em processo relatado pelo auditor Cláudio Emerenciano, a proposta de voto foi pela irregularidade, com condenação da ex-gestora a devolução de R$ 272.249,82, por omissão no dever constitucional de prestar contas, além da aplicação de multa ao sr. João Batista

Bárbara Evans e Mateus Verdelho transaram em A Fazenda; Monique Evans comemora

 

 

 

É a dúvida/quase certeza dessa manhã. Bárbara Evans e Mateus Verdelho teriam ido aos finalmente no reality show A Fazenda. Segundo testemunhas – o pessoal que assiste as 24h – foram duas vezes.

Duas evidências jogam “contra” a modelo: ela foi mostrar um machucado para o pessoal do reality e disse que não poderia levantar a perna pois estava sem calcinha.

Já na cama com Mateus, ela mantinha o braço erguido para disfarçar alguma coisa. O que seria? Hein?

Mesmo disfarçando era possível verificar alguns movimentos discretos de Verdelho. E uns gemidinhos, ao final.

A questão é: é uma dúvida ou uma certeza?

No Twitter Monique Evans já fala até em netos:

E de foi sem camisinha, tomara q não esteja tomando pílula .. Pq o meu neto vai ser Lindo demaisss!!

5:16 AM – 18 Jul 2013

É verdade!! Só falaram dela.. Pq esse machismo todo? Duas pessoas talvez tenham feito amor e pq só criticaram a mulher? Homem pode Tudo???

Nos comentários em notícias relacionadas ao assunto, no entanto, Evans está sendo cobrada por se posicionar contra sexo em reality show.

Mas é aquela velha história: e quando a água… ?

Cena Aberta

Só 5% dos estudantes de Medicina pretendem atender no interior do Brasil

Pesquisa revela também que só 20% dos estudantes querem atuar em clínica geral, área em que a carência é maior. Problema está nos cursos, diz especialista

De cada 100 formandos em medicina no Brasil, apenas cinco desejam trabalhar em cidades pequenas do interior do país, onde a carência é maior; somente 20 querem atuar em clínica geral, como nos programas de Saúde da Família; e 63 pensam em cursar uma especialidade.

médicos brasil pronto socorro

Apenas 5% dos alunos de Medicina planejam atender no interior do país (Reprodução)

Os dados são de uma pesquisa realizada pelo médico e professor da Universidade Federal do Tocantins (UFTO), Neilton Araujo de Oliveira, para seu doutorado em ensino de biociências e saúde pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). O objetivo, entre outros, era estudar o processo de formação médica no Brasil e verificar o que pensam e como se sentem os alunos que se formam num contexto de mudanças tanto no ensino médico, com a implementação das diretrizes curriculares, como no próprio Sistema Único de Saúde (SUS).

A pesquisa também constatou que, quanto ao perfil socioeconômico dos novos médicos do país, 66% têm entre 23 e 25 anos e 44% são de famílias com renda mensal maior acima de 20 salários mínimos (R$ 13.560).

Outro dado interessante é que metade deles afirmou que questões relacionadas ao mercado de trabalho não são discutidas no curso e apenas 16% disseraM haver estudos sobre políticas de saúde já no primeiro ano do seu curso de graduação. E embora 60% tenha informado haver aulas práticas nas unidades básicas de saúde (UBS) e em hospitais do SUS, somente 21% declarou a existência de atividades comunitárias durante a formação.

Para Araújo, apesar da crescente aproximação das faculdades com o sistema público de saúde, ainda são bastante desconhecidas as reais necessidades da população e sua relação com a organização do sistema.

As informações foram coletadas entre 2004 e 2007, em 13 cursos médicos dos estados de Goiás, Tocantins, Alagoas, Paraná, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, para a tese “Ensino Médico no Brasil: Desafio e Prioridades no SUS”. O pesquisador acumula conhecimento em saúde pública e em políticas e estratégias para o setor, coordenou a criação do curso de Medicina na UFTO e foi secretário municipal de Saúde de Palmas (TO). Araújo afirma que os dados podem ser considerados atuais e constituem uma amostra do que acontece no país.

“Um terço dos alunos declarou preferir cidades médias, outro terço, cidades grandes e outro terço, metrópoles. Estamos longe da meta de contarmos com médicos em todos os municípios do país”, disse Oliveira, lembrando que cerca de 79% dos municípios brasileiros têm menos de 20 mil habitantes. E são principalmente as cidades pequenas do interior que não conseguem atrair médicos e onde a população fica desassistida.

Sem base

O desinteresse dos alunos em atuar como generalistas, em especial nas pequenas cidades, decorre de outro problema além da falta de estrutura adequada dos serviços de saúde: as sérias deficiências na formação. Conforme a professora de Medicina da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e presidenta da Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM), Jadete Barbosa Lampert, são necessárias reformas na organização curricular, investimentos na carreira docente e maior integração escola-serviço.

Conforme Jadete, as faculdades estão implementando aos poucos as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de medicina, que foram aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação em 2001. Conforme esses parâmetros, amplamente debatidos pelo setor no processo de elaboração, na graduação de seis anos os médicos devem ser preparados para atender às necessidades da população na atenção básica do Sistema Único de Saúde (SUS). Fica para a residência médica a especialização.

“É claro que a formação não se esgota com a graduação e a especialização. Embora as novas diretrizes determinem a construção do conhecimento de maneira permanente, seis anos é um tempo razoável para aquisição de conhecimentos básicos para o atendimento médico, para trabalhar a ética e humanização”, disse.

O problema, afirma Jadete, é que a graduação tem sido esvaziada pela falta de políticas para a formação docente – daí o equívoco, segundo ela, de o governo pensar apenas em estimular a criação de mais vagas em escolas de medicina sem investir em políticas de incentivo a docência. “Como se criam novas escolas sem criar políticas de formação e capacitação de novos professores para essa ampliação?”, questionou. “Atualmente, há estímulo para a pós-graduação, para a publicação de artigos, mas não para atividades de ensino.”

Além disso, segundo ela, a relação escola-serviço é imprescindível desde o início do curso, para embasar o conhecimento que o aluno vai construir na graduação. No entanto, falta estrutura adequada nos serviços de saúde para que a escola possa atuar ao mesmo tempo em que o serviço subsidia a revisão dos conteúdos que estão sendo trabalhados na formação. Para complicar, muitos alunos frequentam cursos preparatórios para a residência durante a própria graduação e ficam com menos tempo para a prática.

“A questão é complexa, mas é preciso fortalecer a graduação para obedecer às diretrizes, que determinam a formação de profissionais generalistas, humanistas, críticos e reflexivos. Pela atual formação, o médico está muito voltado para as tecnologias, os aparelhos para exames, mas cada vez menos olham, ouvem e tocam as pessoas”, concluiu Jadete.

Cida de Oliveira, Rede Brasil Atual

Violência e muito vandalismo em protesto no Rio de Janeiro

Uma espécie de barricada foi montada nas ruas do Leblon e de Ipanema (Foto: Gabriel Barreira /G1)
Faixas e cartazes pedem a saída de Sérgio Cabral do cargo (Foto: Isabela Marinho/G1)
Antes da confusão, centenas de pessoas
comandaram um ato pacífico (Foto: Isabela
Marinho/G1)

Uma nova manifestação no Leblon, na Zona Sul do Rio, próximo ao prédio onde mora o governador do Rio, Sérgio Cabral, nesta quarta-feira (17), acabou em confusão e 15 pessoas detidas até as 2h, segundo a Polícia Militar. O protesto começou pacífico por volta das 17h30 e reuniu centenas de pessoas. Às 22h45, começou um confronto entre um grupo de manifestantes e PMs e foram ouvidos os primeiros estrondos de bombas de gás lacrimogênio, causando correria. Em seguida, um grupo de mascarados iniciou a depredação de pontos de ônibus, telefones públicos, vitrines, fachadas de prédio, bancos e carros.


Médico e voluntários prestam socorro a manifestante atingido por bala de borracha na cabeça (Foto: Gabriel Barreira/G1)
Médico e voluntários prestam socorro a manifestante
atingido por bala de borracha na cabeça
(Foto: Gabriel Barreira/G1)

O vandalismo continuou por Ipanema e Lagoa até a madrugada, e várias lojas foram saqueadas. Devido ao tumulto, Sérgio Cabral convocou para as 8h desta quinta-feira (18) uma reunião de emergência, no Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na Zona Sul, com o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame; a chefe da Polícia Civil, Martha Rocha; o comandante da Polícia Militar, coronel Erir da Costa Filho; e os secretários da Casa Civil, Regis Fichtner; e de Governo, Wilson Carlos Carvalho.

Segundo a Polícia Militar, pelo menos 500 pedras portuguesas foram retiradas da calçada e quatro PMs ficaram feridos com pedradas. Uma quinta policial se feriu ao ser atingida nas costas por uma bomba de fabricação caseira. O número de manifestantes feridos não foi confirmado. Ainda de acordo com a PM, um dos presos foi um jovem que carregava um coquetel molotov.

Fogueiras com lixo e papel interditaram várias ruas no entorno da Avenida Ataulfo de Paiva, no Leblon, e da Rua Visconde de Pirajá, em Ipanema. Dezenas de bombas de gás foram atiradas pelo Batalhão de Coque para dispersar o protesto. Funcionários de bares e restaurantes da região, uma das mais nobres e badaladas da cidade, reclamaram do prejuízo. O último ato em frente ao prédio onde vive Sérgio Cabral havia sido no dia 4 de julho e também terminou em confusão.


Manifestantes se reúnem no Leblon (Foto: Ariel Subirá /Futura Press/Estadão Conteúdo)
Manifestantes se reúnem no Leblon
(Foto: Ariel Subirá /Futura Press/Estadão Conteúdo)

Promotores do Ministério Público do Rio e cerca de 15 advogados da OAB acompanharam a manifestação.

Reivindicações
De acordo com a página do protesto no Facebook, o grupo reivindica CPIs da Delta, da Copa, e do helicóptero usado por parlamentares; a desmilitarização da polícia; e é contra a privatização do Maracanã; o fim do antigo Museu do Índio, as remoções compulsórias e privatizações por conta da Copa, além do impeachment do governador Sérgio Cabral e do vice, Pezão.

Interdições
Até as 23h, apenas pistas do Leblon foram interditadas, a começar pela Avenida Delfim Moreira, na orla, bloqueadas nos dois sentidos. O trecho da rua Aristides Espínola entre a praia e a General San Martin ficou fechado pela polícia durante todo o tempo. Outras vias ao redor foram sendo interrompidas ao longo da noite.

Entre os cartazes, havia mensagens com críticas à saúde pública, ironias sobre a ação da polícia durante as manifestações, críticas ao uso pessoal do helicóptero oficial pelo governador, entre outros temas.

Em coro, manifestantes gritavam palavras de ordem hostilizando o governador. Uma barreira com policiais militares impediu a aproximação das pessoas do prédio onde ele reside.

Cabral culpa adversários
Em nota, o governador Sérgio Cabral declarou que “a oposição busca antecipar o calendário eleitoral criando constrangimentos à governabilidade. O governador, legitimamente eleito por 67% dos votos no 1º turno nas ultimas eleições, reitera o seu compromisso de continuar a manter o Rio de Janeiro na rota do desenvolvimento social e econômico.”
Manifestantes colocaram fogo em boneco de Sérgio Cabral (Foto: Isabela Marinho/G1)
Manifestantes colocaram fogo em boneco de Sérgio Cabral (Foto: Isabela Marinho/G1)

Protesto na Rocinha dá nó no trânsito
Outro ato iniciado no fim da tarde, de moradores da Rocinha, causou um caos no trânsito da Zona Sul e da Barra da Tijuca, na Zona Oeste.

Segundo a Cet-Rio, o protesto ochegou a interromper totalmente a Autoestrada Lagoa-Barra e as pistas foram sendo abertas ao longo da noite.

O protesto ocorreu devido do suposto desaparecimento de um morador da favela identificado como Amarildo de Souza, conhecido como “Boi”, de 43 anos. A manifestação foi convocada através de uma rede social.

Amarildo teria sido levado por policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha por volta das 8h do último domingo (22) para averiguação e, desde então, não teria voltado para casa. Parentes já teriam procurado o homem em hospitais, delegacias e no instituto médico-legal, sem sucesso.