Daily Archives: 30/06/2013

feliz domingo

Mais de 87% apoiam protestos na Grande Natal

Pesquisa encomendada pela Tribuna do Norte ao instituto Certus mostra que 87,8% da população de Natal e outros quatro municípios da Região Metropolitana apoiam “totalmente ou parcialmente” os protestos realizados nas últimas semanas na capital.

A pesquisa também fez outras perguntas sobre a temática. Veja o resultado:

123164

Apenas bitolados formam opinião por spam apócrifo

Forma opinião por spam apócrifo? Parabéns, você é um otário

Se você forma sua opinião baseado nas milhares de correntes apócrifas que circulam pela internet, parabéns. Você é, oficialmente, um otário. Ou quer muito ser um.

Nunca entendi muito bem porque as pessoas acreditam piamente naquilo que recebem aleatoriamente em suas caixas de mensagem. Será que entendemos o anonimato daquilo que é apócrifo como uma espécie de “sinal” divino? Do tipo: “Senhor, dê-me os números vencedores do jogo do bicho!” – e, minutos depois, você interpreta uma foto de um pug com um chapéu de orelhas grandes, que chegou acidentalmente por e-mail, como resposta para apostar no “coelho”.

Vai que, da mesma forma que o Altíssimo escreve certo por linhas tortas, ele também “emeia” justo por internet frouxa, não é?

O mais interessante é que algumas dessas mensagens contam com mentiras tão bem construídas que tem mais gente acreditando nelas do que em boas matérias, com dezenas de fontes, feitas por jornalistas com decantada credibilidade, que – com paciência e tristeza – desmentem ou explicam o caso.

– Pô, o texto é super bem escrito. Não deve ser falso.
– O e-mail trouxe vários números. Ou seja, não pode ser mentira.
– Ele tem fotos. É mais difícil manipular fotos.
– Envolve o filho do Lula/a filha do Serra, então, vai por mim, é fato.
– Recebi isso do Ronaldo, irmão da Ritinha, casada com o Roberval, filho do seu Romeu, lembra? É, Ro-meeeeeu, mano. Ele repassou um e-mail que recebeu do Rui, que é chefe dele na Ramos e Ramos, aquela empresa de retroescavadeiras. Homem decente o Ronaldo… então é coisa séria.

Até porque é muito mais quente e saboroso acreditar que todas as desgraças do mundo são causadas por um político X ou Y do que lembrar que, não raro, o comportamento bizarro deles não é muito diferente do que fazemos no microcosmo. Lá como reflexo daqui, pois somos feitos do mesmo caldo. Mas culpar o espelho, assusta, não? E não é tão glamouroso quanto personificar o mal na figura do outro.

hoax spam falso

A rede mundial de computadores nos abriu um mundo de possibilidades. Hoje, um leitor – se quiser – consegue acessar fontes confiáveis e encontrar números, checar dados, trocar ideias com amigos, comparar governos ou mesmo desmentir pataquadas. Então, mexa esse traseiro gordo e faça uma análise dos fatos, a sua análise. Não jogue fora sua autonomia por conta de uma mensagenzinha mequetrefe. E cuidado! Ao se debruçar sobre questões do seu cotidiano, ao informar-se, debater com outras pessoas, você vai estar fazendo Política, com “P” maiúsculo e não fofoca. E enterrando muitos dos preconceitos que hoje professa. Em suma, mudando de fato o “estado das coisas”.

Coisa que o Povo do Spam não quer. Pois, o Povo do Spam quer você ignorante para que seja massa burra de manobra.

Algumas mensagens de spam travestem opinião como dados isentos e descontextualizam ou ocultam fatos que não são interessantes para o argumento defendido. Trago novamente algumas sugestões reunidas tempos atrás por Rodrigo Ratier, jornalista e mestre em pedagogia, grande especialista na área de educação e comunicação, para usar a lógica a fim de perceber problemas nos textos.

Com Leonardo Sakamoto, blog

Coro de 45 mil vozes canta junto em show de Renato Russo em Brasília

Um coro de 45 mil vozes cantou junto durante todo o show “Renato Russo Sinfônico”, que aconteceu neste sábado (29), no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília. Da primeira à última música do espetáculo, o público acompanhou os artistas que se revezaram no palco e mostrou que as composições do ex-líder da Legião Urbana continuam fazendo sentido, quase duas décadas depois da morte do autor.


Tecnologia traz holografia do cantor Renato Russo em show que o homenageia neste sábado (29), em Brasília. (Foto: Guto Zafalan)

Pessoas de todas as idades, muitos pais e filhos, fizeram parte do espetáculo. Além dos fãs do cantor e dos músicos no palco, as atrações foram a Orquestra Sinfônica deBrasília, sob regência do maestro Cláudio Cohen, e a execução da canção “Há tempos” com um holograma de Renato Russo, numa tecnologia até então inédita no Brasil.

Os músicos participantes também foram acompanhados por uma banda formada pelo baterista Fred Castro, dos Raimundos, o guitarrista Fred Nascimento, que tocou com a Legião Urbana durante os anos 1990, a baixista Flávia Couri, dos Autoramas, a guitarrista Marcela Vale e o tecladista Luciano Lopes.

O show também foi marcado por problemas técnicos, que causaram a interrupção do espetáculo por alguns minutos. A plateia das arquibancadas reclamou ainda que não estava ouvindo os instrumentos da orquestra.
Multidão lotou Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, neste sábado (29) em show em homenagem a Renato Russo. (Foto: Guto Zafalan)
Multidão lotou Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, neste sábado (29) em show em homenagem a Renato Russo. (Foto: Guto Zafalan)

Hits garantem sucesso
O evento começou com Sandra de Sá cantando a música “Mais do mesmo”. O segundo a subir ao palco foi o vocalista da banda brasiliense Móveis Coloniais de Acaju, André Gonzales, cantando “Ainda é cedo”. Zélia Duncan cantou “Eu sei”, seguida de Du Peixe, vocalista da Nação Zumbi, que apresentou “Soldados”.

Um problema técnico interrompeu o espetáculo por cerca de 20 minutos. No meio deste período, o público cantou “Eduardo e Mônica”, ao lado da Orquestra de Brasília, e viu Zélia Duncan voltar ao palco para uma versão improvisada de “Quase sem querer”.

Depois de resolvido o transtorno técnico, mãe e filha Zizi e Luiza Possi fizeram um dueto em “Pais e filhos”. A violinista Ann Marie Calhoun fez um medley instrumental juntando “Por enquanto” e “ Quando o sol bater na janela do seu quarto”.
Cantores se revezaram no palco em show que homenageou Renato Russo neste sábado (29) em Brasília. (Foto: Guto Zafalan)
Cantores se revezaram no palco em show que
homenageou Renato Russo. (Foto: Guto Zafalan)

O show prosseguiu com Ivete Sangalo cantando “Monte Castelo”. Antes de Lobão interpretar “Perfeição”, o ator Fabrício Boliveira, que viveu no cinema o personagem João do Santo Cristo, criado por Renato Russo para a canção “Faroeste caboclo”, fez um discurso a favor das manifestações que têm ocorrido nas últimas semanas no país e falando do desejo de mudança no cenário político brasileiro.

De volta à música, Ellen Oléria, cantou “Teatro dos vampiros” e Fernanda Takai ,“Giz”. O público tentou emprestar a voz à música “Índios”, que foi tocada pelo bandolinista Hamilton de Holanda. O momento de maior vibração da plateia aconteceu quando Jerry Adriani interpretou “Tempo perdido”.

Antes da execução de “Há tempos”, o vocalista do Natiruts, Alexandre Carlo, subiu ao palco para cantar a íntegra de “Faroeste caboclo”. O público de Brasília cantou mais alto e vibrou nos trechos em que a letra citou o nome da cidade e lugares como Asa Norte, Taguatinga, Ceilândia e Planaltina, localidades da capital federal.

Depois da exibição do holograma de Renato Russo, a maior parte dos artistas voltou ao palco para cantar juntos um dos primeiros sucessos da Legião,“Será”. Neste momento, Fabrício Boliveira apresentou o ex-baixista da banda de Renato Russo, o músico Renato Rocha. Ele fazia parte do então quarteto quando se apresentaram há 25 anos no mesmo estádio. O próprio ex-integrante ainda tocou baixo e tentou cantar “Que país é este”, o último número do show.

Depois de 25 anos
O espetáculo aconteceu exatamente 25 anos e 11 dias depois da última apresentação da Legião Urbana em Brasília. No dia 18 de junho de 1988, uma grande confusão se formou depois que a banda decidiu deixar o palco após 50 minutos de música.

Um fã invadiu o local de apresentação e agarrou o cantor no meio da música “Conexão Amazônica”. Antes disso, bombinhas e outros objetos foram atirados contra os músicos. Renato xingou o público e também foi xingado.

“E você não sabe o efeito psicológico de uma bomba no palco. Você fica olhando para aquela coisa, assim, brilhando, e você não sabe se aquele negócio vai explodir”, afirmou o cantor em entrevista à TV Globo nos anos 1990.

O público começou a promover um quebra-quebra a entrar em confronto com a Polícia Militar. Mais de 50 mil pessoas lotavam o estádio na ocasião. Muitos acabaram entrando sem pegar. No meio do tumulto, o artista chegou a ameaçar um policial que agredia um fã da banda.

Por conta dos incidentes, o cantor Renato Russo sempre dizia que nunca mais voltaria a cantar em Brasília porque a cidade não oferecia estrutura para um evento de grandes proporções.

Inédito no Brasil
A tecnologia para trazer o cantor ao palco do Estádio Mané Garrincha foi usada pela primeira vez no Brasil neste sábado, segundo os produtores do evento. A projeção, a cargo do produtor e diretor Mark Lucas, que já trabalhou com bandas como Pearl Jam e Red Hot Chili Peppers, foi utilizada em apenas um show, em homenagem ao rapper Tupac Shakur, no ano passado, nos Estados Unidos.