PSDB tenta mostrar união de caciques repetindo cenas de 2006

Tudo Em Nome De Aécio, Faltou Acertar Com o ssERRA

Da Folha

DANIELA LIMA
DE SÃO PAULO

Em 2006, Aécio Neves era governador de Minas, tinha boa avaliação e trabalhava pela reeleição. Em nome dessa empreitada, destacava sua boa relação com o governo Lula e mantinha em seu palanque partidos que tinham candidato à Presidência, como o PDT. O PSDB, porém, tinha seu próprio nome para o Planalto: Geraldo Alckmin.

Passaram sete anos. Mas, trocando apenas os nomes, a descrição acima continua atual. Onde estiver escrito Aécio, troque por Alckmin. Onde estiver Alckmin, use Aécio. Eis então uma síntese da atual situação do PSDB.

Alckmin, hoje, tem boa avaliação em São Paulo e disputará a reeleição. Por isso, destaca sua relação com a presidente Dilma Rousseff (PT) e namora uma sigla que também pode ter candidato ao Planalto, o PSB, de Eduardo Campos. No PSDB, apenas um nome é cotado para a Presidência em 2014: Aécio.

Agora, com Alckmin tentando a reeleição possivelmente de mãos dadas com o PSB, alguém poderá falar em “voto Campimin”: meio Campos, meio Alckmin.Sete anos atrás, Aécio se reelegeu em Minas beneficiado pelo “voto Lulécio”, como ficou conhecida a tabelinha Lula para presidente, Aécio para governador.

No encontro que o PSDB organizou na última semana, em São Paulo, os caciques da sigla se empenharam para demonstrar união em torno da indicação de Aécio para a presidência da sigla.

Não fosse pela ausência de José Serra, que posou com Alckmin em 2006 mas faltou à festa de Aécio na semana passada, as imagens poderiam ser confundidas.

Nas duas ocasiões, o partido tentava dar provas de união em torno de um candidato à Presidência que, internamente, não era unânime.

2006

Em junho de 2006, Alckmin iniciou sua campanha presidencial em Belo Horizonte, numa tentativa de neutralizar os boatos de que Aécio não se empenharia “sanguineamente” na disputa nacional.

O mineiro tinha aliados no governo de Lula (que disputava a reeleição contra Alckmin), como o ex-ministro do Turismo Walfrido dos Mares Guia, defensor público do voto “Lulécio”. O próprio ex-presidente dizia ter “boa relação” com o tucano.

Naquela ocasião, Alckmin chegou ao ato tucano em Belo Horizonte ao lado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do próprio Aécio e do candidato a governador José Serra, com quem havia disputado a indicação para concorrer ao Planalto.

Não faltaram discursos efusivos e fotos com Alckmin, Aécio, FHC e Serra de mãos dadas e erguidas. Do lado de fora, porém, integrantes do PFL (atual DEM), que fazia chapa com Alckmin, flagraram santinhos com fotos do mineiro ao lado de Lula.

2014

Hoje senador, Aécio desponta como única opção do PSDB para a Presidência da República em 2014. Já Alckmin, focado em se reeleger em São Paulo, segue a antiga cartilha do mineiro.
Além da relação cordial com Dilma, que disputará a reeleição, Alckmin trabalha para manter o PSB, de Campos, em seu palanque -a sigla é quem, no atual arco de alianças, mais contribui com tempo de campanha na TV.

Tal atributo faz com que o paulista estude entregar a vaga de vice ao partido, o que preocupa aliados de Aécio.

Com o PSB na chapa, Alckmin não poderia negar apoio a Campos em São Paulo. O resultado seria a divisão do palanque de Aécio no maior colégio eleitoral do país.

O governador tem dito que é cedo para definir candidato à Presidência, mas defendeu unidade em torno do nome de Aécio no evento da semana passado.

No dia seguinte ao ato, o deputado estadual Orlando Morando (PSDB-SP) disse ao “Painel”, em tom irônico: “Nós temos a obrigação de retribuir a Aécio o apoio que ele deu a Alckmin, em 2006, e a Serra, em 2010”.

Um aliado de Serra, que viajou para os Estados Unidos, fotografou a frase no jornal e lhe enviou por e-mail. A viagem foi a justificativa oficial de Serra para a ausência na festa de Aécio.

2010

O confronto entre Serra e Aécio é anterior, mas ganhou ares de irremediável em 2010, quando o paulista perdeu a eleição à Presidência pela segunda vez.

Serra e Aécio disputaram a indicação do PSDB para o Planalto. O mineiro acabou se retirando e lançou-se ao Senado. Empenhou-se para eleger Antonio Anastasia (que havia sido seu vice) governador de Minas.

Há um episódio sempre mencionado por aliados de Serra quando o assunto é a indisposição dele com Aécio.

Ainda no primeiro turno, após cumprir agenda em Minas, Serra desembarcou em São Paulo para reunião de preparação de debate.

Encontrou-se com seu marqueteiro, Luiz Gonzalez, e com um de seus principais assessores, Bruno Caetano. Tirou do bolso do paletó um panfleto. Era uma “colinha”: Aécio senador, Anastasia governador. O espaço do voto presidencial estava em branco.

Serra não foi ao ato pró-Aécio, mas seus principais aliados posaram com o senador. Nas palavras de um serrista, “a sinceridade do gesto tem a profundidade de um pires”.

Aécio sabe que precisará de mais do que uma foto para garantir a unidade em torno de seu nome. Assim, começou um trabalho para conquistar as bases do PSDB paulista.
Elegeu interlocutores, como o secretário estadual de Energia, José Aníbal, influente nos diretórios estadual e municipal, e, de quebra, desafeto de Serra.

“O Aécio já mostrou com palavras e atos que quer olhar adiante. É o Brasil, não é o PSDB. [Mário] Covas (ex-governador) dizia que o ponto de partida é a unidade partidária. E ele está trabalhando nisso”, diz Aníbal.

Posted on 14/04/2013, in Brasil, Curiosidade, Entretenimento, Política, Reflexão. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: