Daily Archives: 16/02/2013

Queda de meteorito na Rússia é sinal do Apocalipse?

Assista:

Nesta sexta-feira ocorreu a queda de um meteorito na região dos Montes Urais, na Rússia. Até o momento foram registradas 514 pessoas feridas, 34 das quais tiveram de ser hospitalizadas, incluindo duas crianças.  A maioria dos feridos não precisou de hospitalização.

Especialistas não sabem precisar se foi apenas um meteorito ou se foram vários. O porta-voz do Ministério para Situações de Emergência da Rússia explicou que o desastre ocorreu a cerca de 80 quilómetros da região de Chelyabinsk. Os fragmentos rochosos provocaram prejuízos em diversos edifícios de seis cidades dos Urais.

Serguei Smirnov, do Observatório de Pulkovski em São Petersburgo, afirmou: “Era uma bola muito brilhante, muito visível no céu da manhã, um objeto com uma massa bastante grande, de muitas dezenas de toneladas”.

Com isso, aumentou o temor da população em geral porque a NASA divulgou dias atrás que um asteroide com 45 metros de diâmetro passaria hoje (15) a apenas 27 mil km da Terra.

Chamado de asteroide 2012 DA14, nunca antes um objeto tão grande passou tão próximo da Terra.  Os especialistas garantiram que não há risco de colisão com a Terra, mas não está claro se o meteorito que caiu na Rússia era um fragmento do DA14.

O teólogo Paul Bagley, especializado em escatologia, publicou um vídeo em seu canal do Youtube onde afirma que o fato de isso ter ocorrido poucos dias após o anúncio da renúncia de Bento 16 são sinais claros que as profecias do Apocalipse estão se cumprindo em nossos dias. Para ele, esse é apenas o primeiro do que podem ser vários corpos estelares caindo sobre a terra.

A PIADA DO DIA

Índice

– PEDIDO ESPECIAL –

Um menino de 5 anos queria ganhar R$ 100 e rezou durante 2 semanas para Deus.
Como nada acontecia, ele resolveu mandar uma carta para o Todo-Poderoso com seu pedido.
O correio recebeu uma carta endereçada para ‘Deus – Brasil’
Resolveram mandá-la para a presidente Dilma.
Dilma ficou muito comovida com o pedido e resolveu mandar uma nota de R$ 10 para o menino, pois achou que R$ 100  era muito dinheiro para uma criança pequena.

O garotinho recebeu os R$ 10 e imediatamente notou o endereço do remetente: ‘Brasília – DF’.
Pegou papel e caneta e sentou-se para escrever uma carta de agradecimento:
Querido Deus. Muito obrigado por me mandar o dinheiro que pedi, contudo, eu pediria que na próxima vez, o Senhor mandasse direto pro meu endereço, porque quando passa por Brasília, aqueles “sacanas” ficam com 90%!

Risadas

CONHEÇA A CALCINHA A PROVA DE MENSTRUAÇÃO

calcinha a prova de menstruacao Conheça a calcinha à prova de menstruaçãoJá inventaram de tudo, realmente é um período complicado para as mulheres, que merece um carinho dobrado, TPM, cólicas e a tal menstruação. Dessa forma, trago mais uma dica boa para as mulheres, a CALCINHA A PROVA DE MENSTRUAÇÃO, isso mesmo. A invenção veio da terra do tio Sam, convido a todos para acessar o link, clique AQUI e confiram na íntegra

Vídeo demonstrativo da calcinha à prova de menstruação

O vídeo que demonstra o funcionamento da calcinha está em inglês, mas é de fácil compreensão apenas visualizando as imagens. A calcinha verde que ela usa no primeiro teste é uma calcinha normal, que vaza quando ela despeja o líquido. A segunda, preta e rosa, é a Dear Kate, que não deixa o líquido vazar. Veja você mesma:

Com: Blog Voz do Povo

Senado demite estagiárias após postagem com rato e comentário sobre Renan

imagesA volta de Renan Calheiros à presidência do Senado custou o contracheque a duas estagiárias. Trabalhavam na Secretaria de Recursos Humanos da casa. Foram mandadas ao olho da rua depois de veicular na internet mensagem considerada ofensiva. Uma das demitidas é sobrinha do presidente do STF, Joaquim Barbosa.

Deve-se à repórter Helena Mader a conversão do episódio em notícia. A encrenca ganhou movimento na semana passada, na quarta-feira pré-carnavalesca. Na manhã desse dia, um rato irrompeu na repartição onde trabalhavam as jovens. Houve corre-corre. Armada de um calendário de papelão, a copeira do setor matou o roedor. E as estagiárias tiveram a inopinada ideia de tirar fotografias.

Uma delas pendurou a foto do cadáver no Facebook. Na legenda, lia-se a seguinte frase: “E a gente que achou que o único problema aqui fosse o Renan Calheiros”. Foi imitada pela colega. Filha de uma irmã de Joaquim Barbosa, a segunda estagiária também levou à rede social a imagem do rato com um comentário análogo ao da amiga.

Por mal dos pecados, Renan retornara à presidência do Senado havia seis dias. E a chefia da Secretaria de Recursos Humanos achou melhor demitir as moças. Supreendidas, as duas agara hesitam em autorizar a divulgação de seus nomes. A parente do presidente do Supremo apagagou sua conta no Facebook e lacrou os lábios. A amiga decidiu falar, sob o compromisso do anonimato.

Contou que, após deixar o Senado na manhã daquela fatídica quarta-feira, seu telefone soou. Era o chefe. Cobrou explicações sobre a postagem. Agendou para a manhã seguinte uma reunião. No encontro, as estagiárias foram apresentadas às cartas de demissão. Ouviram um pedido para que assinassem as peças.

“Levei um susto, não imaginei que fossem tomar uma medida tão radical”, diz a demitida que decidiu mover os lábios. “Não fizemos nenhuma associação do senador Renan Calheiros ao rato. Acho que foi um mal-entendido. Vários servidores do Senado compartilharam o abaixo-assinado contra o Renan nas redes sociais, eu mesma havia feito isso semanas antes.”

Estudante de Direito, a sobrinha de Joaquim Barbosa estagiava no Senado desde 2011. A amiga, matriculada num curso de Administração, escalara a folha em setembro do ano passado. O salário não era grande: por meio expediente, R$ 829 mensais, mais um Socorro de R$ 130 para o transporte.

Instado a manifestar-se, o Senado falou por meio de uma nota da Secretaria de Comunicação Social. No texto, o episódio foi tratado como “ato de indisciplina”. “Nesse contexto, a administração tem o dever de agir de acordo com o termo de compromisso assinado pelas estagiárias.”

Sem vínculo empregatício estável, as duas puderam ser afastadas sem a necessidade de abertura de processo disciplinar, normalmente exigido no serviço público. “Além do conteúdo ofensivo da matéria, vale registrar que as estudantes postaram-na durante o horário de expediente, utilizando ferramentas de trabalho”, acrescenta a assessoria do Senado em sua nota.

Procurado, Renan Calheiros mandou dizer que não tomara coinhecimento do par de demissões. O gabinete de Joaquim Barbosa confirmou o parentesco com uma das jovens demitidas. Mas informou que o presidente do Supremo não comentária o episódio. Corre no tribunal a denúncia protocolada pelo procurador-geral Roberto Gurgel contra o seminovo presidente do Senado.

Por uma dessas ironias que o cotidiano é mestre em fabricar, a notícia sobre a demissão das estagiárias que associaram o rato a comentários sobre Renan foi levada à internet, nesta sexta (15), pelo próprio Senado. Pode ser lida na íntegra aqui, graças aos bons préstimos do serviço de clipping que reproduz notícias sobre os senadores.

Blog do Josias

Confira só o som que o percussionista tirou dos bumbuns – Perfeito!

Repentistas decidem criar sindicato nacional da categoria

Índice

No último dia do 2º Encontro Nordestino de Cordel, cordelistas e repentistas de vários estados decidiram criar o seu sindicato nacional. Duas propostas foram colocadas em votação: a que previa sindicatos estaduais e a de um sindicato único de âmbito nacional, com o apoio de delegacias estaduais. Foi aprovada a proposta de sindicato único. “Entendemos que fica mais fácil fazer essa administração no momento. Da outra forma, haveria a possibilidade de, em vez de criar um sindicato forte, criar dez ou 15 sindicatos fracos”, disse o repentista Antônio Lisboa Filho, que participou da mesa de discussão.

Para Chico de Assis, organizador do encontro e também repentista, a criação de um sindicato para a categoria foi um dos temas centrais dos três dias de evento. “O tema mais polêmico foi a questão do sindicato. Mas foi muito bem esclarecido. Agora a gente está sabendo que passo tem que ser dado para chegar lá”, declarou. Agora, os repentistas deverão instalar uma comissão que será responsável por desenvolver o estatuto do sindicato e levá-lo à apreciação das associações da categoria em todo o país.

Ricardo Motta toma posse para segundo biênio como presidente da Assembleia Legislativa

ÍndiceFoi empossada a mesa diretora para o biênio 2013-2014 em sessão preparatória para início dos trabalhos legislativos. O deputado Getúlio Rego (DEM), o parlamentar mais antigo da Casa, foi quem presidiu a sessão e o deputado Gustavo Fernandes (PMDB) fez a leitura do termo de posse.

A diretoria que tomou posse para o segundo mandato tem como presidente o deputado Ricardo Motta (PMN); primeiro vice-presidente, deputado Gustavo Carvalho (PSB); o segundo vice-presidente, deputado Leonardo Nogueira (DEM); o segundo secretário, deputado Raimundo Fernandes (PMN) e o terceiro secretário, deputado Vivaldo Costa (PR).

Os cargos de primeiro e de quarto secretário, vagos com a saída dos ex-deputados Poti Júnior (PMDB) e Dibson Nasser (PSDB), serão preenchidos com eleição a ser definida em reunião da mesa diretora na próxima semana.

“Gostaria de parabenizar os colegas e desejar um excelente trabalho a todos, no sentido de fazer nossa Casa avançar e atender cada vez mais aos anseios da nossa população. A Assembleia está firme no seu propósito de estar cada vez mais próxima e aberta para a sociedade, seja intermediando os principais debates ou realizando projetos de cidadania e inserção social”, afirmou o presidente.

Glauber Rêgo será indicado por Rosalba o futuro Desembargador do RN

Apesar de ainda não ser oficial, mas está certa a indicação de Glauber Rêgo para ser o futuro Desembargador do RN na vaga deixada por Caio Alencar. Glauber foi o 2º na votação de hoje no TJ com 7 votos para a lista tríplice.

Extraoficialmente o BG apurou que a Governadora confirmou ao Presidente do TJ, Desembargador Aderson Silvino, e ao Presidente da Assembleia, Deputado Ricardo Mota, que irá encaminhar o nome de Glauber para ser o futuro Desembargador. Rêgo trabalhou como uma águia nos bastidores e conseguiu atingir seu objetivo ultrapassando inclusive favoritos no pleito. Com certeza os advogados estarão bem representados com Glauber.

Glauber tem 42 anos e na eleição direta para lista sêxtupla teve 1.005 ficando em 4º lugar.

Abaixo publico as propostas apresentadas por Glauber para os colegas advogados durante a campanha ao 5º constitucional:

Glauber Rego

Lula receberá prêmio em Nova York

imagesO ex-presidente Lula será homenageado pela ONG International Crisis Group (ICG) no dia 22 de abril. Na ocasião, ele receberá o prêmio In Pursuit of Peace (Em Busca da Paz) durante um jantar em Nova York. A ONG justifica a vitória de Lula com seus programas sociais, que teriam tirado milhões de brasileiros da miséria, além da política externa praticada em seus oito anos de mandato.

O principal objetivo da ONG é a solução de conflitos armados no mundo e, segundo organização, Lula foi responsável por tirar o Brasil de “décadas de isolamento internacional” e ter atuado na redução da fome na África, além de liderar forças de paz no Haiti e ajudar na solução de conflitos internos com países vizinhos.

Escolas empobrecidas: sem História nem Geografia

A escola vive uma profunda crise de legitimidade*. O mundo mudou, ficou complexo, novas demandas surgiram. Os estudantes na escola também são outros, diversos na origem e nos interesses. Os professores carecem de condições para um trabalho digno. A sociedade alterou suas expectativas referentes à escola e, assim, criou-se um complicado jogo de múltiplas contradições e, para essa complexidade, não cabem respostas e políticas simplistas.

Foto: Celso Júnior/AE

Afinal, para que a escola existe? Para formar adequadamente as gerações futuras ou para preparar os estudantes para avaliações externas como Enem, Saresp, Prova Brasil, Pisa etc.?

A que se destinariam os conhecimentos? Deveriam eles compor um mosaico para criar curiosidades, desejos e perguntas nos estudantes ou só serviriam para produzir informações para uso em testes de avaliação?

Nós, pesquisadoras de educação, ficamos mais uma vez perplexas ao nos depararmos com a nova proposta curricular do ensino público do Estado de São Paulo. Para bem aprender o Português e a Matemática, sugere-se excluir os conhecimentos de História, Geografia e Ciências do 1º ao 3º ano e manter 10% dessas disciplinas no 4º e 5º anos do currículo básico. Por essa nova proposta, ficou assim decretado: doravante, por meio desse novo currículo básico, as crianças de escolas públicas estaduais só receberão, até o 3º ano, aulas de Português e Matemática! Partindo do pressuposto evidentemente errôneo de que um conhecimento atrapalha o outro, as aulas de História, Geografia e Ciências serão eliminadas do currículo desses estudantes.

Como consequência dessa política, nas escolas de tempo integral, o aluno terá aulas em um período e, no outro, oficinas temáticas das diferentes áreas do conhecimento, algumas obrigatórias e outras eletivas escolhidas de acordo com o projeto pedagógico da escola.

À primeira vista, esse currículo está “rico” e diversificado; no entanto, pelo olhar sério e comprometido, ele estará fatalmente fragmentado. Primeiramente porque verificamos que as oficinas obrigatórias também não objetivam, do mesmo modo, um trabalho com História, Ciências e Geografia; pelo contrário, voltam-se novamente para a Matemática e para o Português.

Além disso, como trabalhar a oficina optativa, por exemplo, de Saúde e Qualidade de Vida sem os fundamentos das ciências? Intriga a essa altura saber: por que oficinas e não estudo contínuo? O que se ganha com isso? Vários equívocos nos saltam aos olhos! O primeiro deles é considerar que o conhecimento de algumas áreas é acessório, ocupa espaço e ainda impede o bom aprendizado do Português e da Matemática!

As concepções de escrita e leitura, por exemplo, acabariam por ser responsabilidade exclusiva de uma única disciplina do currículo. Não seria essa uma visão muito simplista de aprendizagem, pois parece supor que o estudante não desenvolve processos de escrita e leitura também em outras disciplinas?

Outro equívoco é a suposição de que para estudantes de escola pública o mínimo basta! Para que sofisticar com lições da história, da natureza e do lugar do nosso povo? Conhecimento científico seria enfim útil para quê?

A aprendizagem não ocorre por partes. O aprendizado é todo ele integrado e sistêmico. Um bom ensino de História expande o pensamento e as referências e o estudante, assim, tem condições para perceber relações de fatos, tempo e espaço, tão necessárias à aprendizagem matemática.

A Geografia leva nossos pensamentos para viajar em outros espaços; possibilita compreender a diversidade das sociedades, conhecer e apreciar a natureza, aprender a observar e a estabelecer conexões entre lugares e culturas. Mergulhados, assim, nesses novos referenciais, os estudantes podem compreender melhor a própria realidade e encarar suas circunstâncias com pleno envolvimento. Isso certamente repercutirá na sua vida e no seu aprendizado, com consequência, por exemplo, em estudos simbólicos e gráficos.

Como deixar de aproveitar a natural curiosidade das crianças, seu espírito exploratório, suas perguntas intrigantes acerca dos fenômenos da natureza e, dessa forma, tecer as bases de um fundamental espírito científico, que por certo ajudará a compreender a Matemática e a recriar o Português?

Será que a estratégia de oficinas, ao invés do estudo contínuo, dará conta de captar tal complexidade e também de tornar possível um processo de ensino-aprendizagem que seja capaz de construir os conhecimentos de Geografia, História e Ciências que ficaram tão diminuídos no currículo básico?

De nosso ponto de vista entendemos que a questão não é separar para empobrecer. O que vale é democratizar as possibilidades de ser e de estar melhor no mundo. E para que isso aconteça precisamos da integração total de saberes e práticas.

As crianças de classe social mais favorecida possuem, antes já de chegar à escola, uma gama infindável de vivências. As crianças de classe popular, em sua maioria, chegam já à escola destituídas desse capital cultural. Possuem outras ricas e profícuas experiências que, nem sempre, são valorizadas e transformadas na escola. No entanto, o importante é trabalhar pedagogicamente com essas experiências de modo a transformá-las em vivências socialmente válidas. Pensamos que o fundamental é ampliar as oportunidades ao invés de restringi-las; para tanto, a experiência com as diferentes áreas do conhecimento é essencial.

Preocupa-nos o risco de a função da escola, para as crianças dos anos iniciais, limitar-se, a partir da reforma proposta, ao ensino das habilidades mínimas de leitura e escrita e de cálculo, retirando-se as cores e os sabores das descobertas que se fazem no contínuo do seu desenvolvimento. Preocupa-nos que esse projeto ganhe força e se concretize em outros níveis de ensino e em outros Estados. Preocupa-nos que as oficinas contribuam mais para o esvaziamento dos conteúdos do que para a construção de conhecimentos. O que será da nossa escola pública, então? Um reducionismo dos conhecimentos, um estreitamento das concepções de ensino-aprendizagem? O objetivo final será a quantificação em detrimento da qualidade? E, se atingir índices é o foco dos processos de ensino-aprendizagem, o que isso realmente significa? Qual é a verdadeira motivação da política educacional implícita nesse movimento?

As autoras Maria Amélia Santoro Franco (Unisantos), Valéria Belletati (Instituto Federal de São Paulo), Cristina Pedroso (USP/FFCLRP) são doutoras em Educação e Ligia Paula Couto (Universidade Estadual de Ponta Grossa) é doutoranda em Educação. Todas são pesquisadoras do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Formação do Educador (GEPEFE) – FEUSP.

Os bilionários e a fome mundial: rios de dinheiro e oceano de tristeza

Nova Cruz RN incluida na Lista Sesap que alerta sobre risco de epidemia de “Dengue”