Professoras e alunos de Paulista-PB conquistam medalhas de ouro em Olimpíada e ganham destaque no Jornal Nacion al

medalhas

No sertão da Paraíba, uma cidade de 11 mil habitantes está em clima de festa. Alunos de duas escolas públicas conquistaram dez medalhas na Olimpíada Brasileira de Matemática; cinco de ouro.

Na sala de aula, ela costuma ser chamada de bicho papão, pesadelo, “mais temida”. Mas por lá, a matemática não passa de uma grande “brincadeira, só que brincamos com números”, diz uma menina. Paulista, alto sertão da Paraíba.

A cidade de 11 mil habitantes começou a se destacar no ensino da matemática após uma menção honrosa na Olimpíada Brasileira das Escolas Públicas em 2005. De lá para cá, a cidade conquistou prêmios em todas as edições das olimpíadas. A principal responsável por isso é a professora Jonilda Alves.

Há dez anos, Jonilda encarou o desafio de multiplicar o interesse pelos números entre os alunos. Para fugir do comum, criou, por exemplo, a aula prática no mercadinho.

“A gente transformou farmácia e pizzaria em sala de aula, para que eles vivenciem a matemática, para que eles saibam a utilidade da matemática”, explica a professora.

“A matemática é uma coisa do cotidiano, está presente em quase tudo que nós vivemos”, diz a estudante Larissa Ferreira.
Os alunos se entusiasmaram e passaram a se preparar para as olimpíadas nos horários de folga.

Às 20h, como em muitas cidades do interior, as pessoas aproveitam para passar tempo na praça. Namorar, brincar, bater um papo com os vizinhos. Mas não na casa da professora. Lá, é hora da terceira atividade do dia: aula de reforço.

Jonilda faz uma exigência: 100% de presença. O exemplo está em casa. Aluno + filho da professora = cobrança². A equação deu resultado: Wanderson Ferreira foi o primeiro paulistense a ganhar a medalha de ouro na olimpíada.

Repórter: Isso tudo é paixão mesmo pela matemática ou tem uma pressão da mãe?
Wanderson: É paixão.
Não tem um pouquinho de pressão?
Wanderson: Tem um pouquinho!

“O que vale mesmo é o aprendizado. São consequências, os treinos, as viagens, mas o que interessa é com o que ele fica e leva para o resto da vida”, conclui a mãe.

Depois de dois ouros nas últimas olimpíadas, Wanderson, filho da professora Jonilda, conquistou a prata, este ano.

ASSISTA AO VÍDEO DA REPORTAGEM

Posted on 05/12/2012, in Brasil, Concursos, Educação, Entretenimento, Informativo, Política, Reflexão. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: